Você é uma mãe forte e ninguém duvida disso. No entanto, às vezes, até os mais fortes se cansam disso e há dias em que você o faz, no qual sente o peso indefinível da solidão, que faz você chorar em segredo.

É muito possível que você seja uma mãe que enfrente a paternidade sozinha. Por qualquer motivo, você se vê agora com um ou vários filhos ao seu redor que dependem exclusiva e exclusivamente de você. Você sabe que não é o único.

Que antes de você tem havido muitas mulheres (e também homens) que lutaram naquele dia a dia onde se alimentar, trocar fraldas, ensinar as primeiras palavras e ter um par de olhos nas costas para alertar os riscos e salvar essas criaturas imprudente mas adorável mil quedas, mil riscos.

Para os seus filhos, você sempre tem o melhor sorriso e os melhores espíritos, no entanto, você nem sempre pode manter o seu espírito nas nuvens ou alegria radiante tatuada em seu rosto. Às vezes você alcança o limite. Porque você não pode sempre ser forte quando a maternidade é adicionada a uma casa, e quando uma casa é adicionada pagamentos, incertezas e fadiga física que você nunca termina de se livrar.

Se todas essas sensações são conhecidas por você, é necessário que você reflita sobre um aspecto. A depressão encoberta, aquela de que nem sempre estamos conscientes, pode, em muitos casos, transformar-se numa depressão grave.

Quanto mais alto o nosso investimento emocional, mais exaustão nos sentimos. Se acrescentarmos a isso o desafio de criar o berçário sozinho, o risco aumenta.

A mãe forte também precisa de apoio

Existe um livro muito interessante sobre o mesmo assunto intitulado “O fantasma na casa: maternidade, educação e como lutar contra a depressão” por Tracy Thompson. A autora, uma jornalista do Washington Post, escreve sobre sua própria experiência em criar seus filhos.

Ele enfrentou uma depressão e lutou para que seus filhos não sofressem o impacto de sua doença. Ele fez isso com todas as suas forças por um fato muito concreto: lembrou-se de como era sua infância quando sua própria mãe também lutava todos os dias contra uma depressão que nunca era tratada adequadamente.

O livro também aborda um follow-up de mais de 400 mulheres, a fim de aprofundar os medos, os problemas e aquele sentimento que geralmente envolve mais do que pensamos muitas mães. Nós falamos sobre solidão. No entanto, mais do que a “solidão” física, o que eles realmente sentem é “solidão abrangente”, ou a sensação de que ninguém acaba entendendo tudo o que está acontecendo.

Vamos ver em detalhes.

Nenhuma mãe deve ficar sozinha nos primeiros meses

Os momentos mais complexos para uma mãe são os meses após o parto. Aquele primeiro semestre em que um bebê precisa tanto da mãe pode, em muitos casos, ser exaustivo, e mais, se o fizermos na solidão.

. Você sabe que é uma mãe forte, mas todo mundo precisa de alguém com quem conversar, alguém para nos aconselhar, tomar pesos, nos ajudar, conversar conosco. A família é essencial. Nossas amizades são imprescindíveis, pois é sair para tomar ar de vez em quando, comunicar-se com outras pessoas e evitar o silêncio do lar.

A ilustração que você pode ver abaixo nos dá um exemplo de um sentimento que muitas mulheres vêm ter em algum momento. Nela, há muitas pinceladas metafóricas e um tanto grotescas, sabemos, mas Sendak, seu ilustrador, queria destacar vários aspectos:

. A sensação de que a nossa identidade é diluída, nos tornamos mães e, apesar de estarmos felizes com ela, essa dependência íntima com o bebê às vezes nos faz “desaparecer” como mulher.

. É como se todos os dias a gente desaparecesse um pouco mais, e esse sentimento não é saudável. Devemos evitar compartilhar responsabilidades e, acima de tudo, descansar de vez em quando.

. Você é e será uma mãe toda a sua vida, mas isso não significa que você deixe de ser você mesmo. Com seus hobbies, sonhos, manias e costumes.

Construa uma boa rede de suporte

Poucas coisas podem ser mais benéficas do que conhecer outras mães na mesma situação. Ainda mais, se você tem um parceiro ou se você tem uma boa família que o apoia diariamente, não hesite em também dar sua ajuda a outras mães.

Construir uma rede de apoio às mulheres mães é algo gratificante, enriquecedor e, por sua vez, tem uma longa tradição. Esses círculos maternos, onde compartilham medos, confianças, preocupações, quando falar sobre crianças é algo muito terapêutico que nos ajudará não apenas a ser mais fortes, mas também mais sábios.

Então, diga-nos, você já tem sua própria rede de suporte?

Texto de Valeria Sabater, traduzido do site Eresmamá
Imagem de capa: Pexels

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here