Nossa paz interior começa no mesmo dia em que não nos permitimos ser manipulados. É quando nossas emoções não podem ser manipuladas com base em crenças e demandas insalubres de outras pessoas.

Essa sensação de paz é a reflexão fiel de que tomamos uma decisão correta. Esse é o sinal mais óbvio, graças ao qual teremos a garantia de manter um equilíbrio mental e físico.

Assim, o que devemos fingir é administrar as expectativas que temos sobre nós mesmos. Evite reações a ofensas e elogios, para não ficar com raiva ou em vão.

Quando vivemos sujeitos ao que os outros esperam ou buscam de nós, estamos priorizando as escolhas dos outros e não ouvindo o que realmente precisamos.

É por isso que é essencial que tomemos nossas próprias decisões, porque somente esse salto para o vazio pode nos encher de paz e gerar grandes doses de coragem, responsabilidade e bem-estar emocional.

“Eu tenho que ter serenidade para aceitar as coisas que eu não posso mudar, coragem e entusiasmo para poder mudar o que posso, e a sabedoria necessária para distinguir entre o que posso e o que não posso mudar.” -Reinhold Niebuhr-

Seja seletivo em suas batalhas

Seja seletivo em suas batalhas, porque às vezes ter paz é melhor do que estar certo. Porque a sua paz interior não é negociável e depende unicamente de você e que você é fiel ao seu alter ego, o mesmo que é revelado quando você considera ou não aceder às exigências dos outros.

Assim, embora no momento de dizer o suficiente, devemos prestar atenção ao nosso coração, uma vez que a decisão foi tomada para se livrar da pressão das pessoas que querem nos administrar, cabe a nós assumir a responsabilidade e recuperar o leme que nos guia a derrubar os medos Para isso, devemos levar em conta o seguinte:

. Não é fácil lidar com a incerteza.
. Cada processo de mudança traz consigo um grau de desconforto que temos de tolerar.
. É necessário que cada decisão seja acompanhada de integridade.
. É necessário saber que, ao abrir uma porta, podem ser mostrados diferentes caminhos que manifestam a necessidade de percorrer cada vez mais caminhos na busca de nossa paz interior.
. Deixar para trás pessoas que nos fazem mal sempre será positivo. No entanto, outra questão surge antes de nós: tomar distância física e emocional. Às vezes, apenas o primeiro, que a priori parece suficiente, não é possível. .
. Portanto, devemos fazer um grande trabalho interior.

Quem cultiva a paz interior, transmite tranquilidade

Quem cultiva sua paz interior transmite tranquilidade para o resto do mundo. Por quê? Porque a mente é como a água. Quando calmo, pode refletir a beleza do que te rodeia. No entanto, quando é agitado, não importa o que você tem na frente, será incapaz de refletir isso.

O mesmo vale para nós. Não podemos educar bem nossos filhos se perdermos a temperança ao longo do caminho. Nem será possível levarmos uma vida saudável ou nos relacionarmos bem, se houver uma grande tempestade em nossa mente.

É por isso que é importante ter em mente que a paz interior é uma das maiores riquezas que uma pessoa pode possuir. Isso não significa que tenhamos que suportar com paciência tudo o que nos chega até chegarmos ao ponto de não podermos fazer nada além de explodir. Trata-se de eliminar as expectativas externas e atender ao que queremos.

Assim, atendendo ao que queremos atrair e deixando de lado o que nos pesa, alcançaremos a paz interior pela qual tanto ansiamos. Lembre-se que o amor-próprio tem um limite chamado dignidade e, por isso, não podemos aceitar descontos de qualquer tipo. Ninguém é tão importante para amargar a nossa vida.

Tradução do artigo publicado no site La mente es maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here