O surgimento do fenômeno do avô escravo deve-se, em grande parte, às mudanças que a estrutura familiar sofreu nas últimas décadas.

Você pode nunca ter ouvido falar disso. E, no entanto, o surgimento do fenômeno do avô escravo deve-se, em grande parte, às mudanças que a estrutura familiar sofreu nas últimas décadas . Com a integração das mulheres no mundo do trabalho e o aumento da expectativa de vida, mais e mais idosos cuidam de seus netos. Eles costumam fazer isso em tempo integral, como uma espécie de “profissão”. Isso, em parte, facilita muito a famosa reconciliação entre trabalho e vida familiar.

Mas onde estão os limites? Os casais devem questionar o verdadeiro papel de seus pais idosos e se esforçar para respeitar seu espaço. Os avós já suportaram o peso das experiências de vida, casamentos, lares, empregos, filhos nos ombros. Para eles, a terceira idade deve ser sinônimo de tranquilidade, paz e relaxamento. O que, então, é a síndrome do avô escravo ?

A aposentadoria é um momento experimentado como uma libertação. Um momento de descanso e diversão. Assim, depois de uma vida dedicada ao trabalho, finalmente chega o tão esperado período de despreocupação. O de tempo livre para dedicar-se a paixões e hobbies reservados para dar prioridade às obrigações e responsabilidades. No entanto, situações de estresse, ansiedade, dor física e mental podem surgir.

Segundo Colubi e Sancho (2016), a síndrome do avô escravo provoca uma série de sintomas psicológicos e físicos que os idosos sofrem por causa de fortes mudanças sociais. Esse conjunto de sintomas inevitavelmente produz conseqüências físicas e mentais.

Conciliação familiar nos ombros dos avós

Quão importante é o papel dos avós nas famílias hoje em dia? Considerando os tempos turbulentos e de crise que marcaram os últimos anos, o apoio dos idosos tem sido e é um pilar fundamental para permitir aos jovens casais sobreviver e seguir em frente.

Esse suporte foi fornecido de várias maneiras:

• Apoio financeiro: muitos dos avós foram “forçados” a apoiar filhos e netos. Nesses tempos de crise, muitos assumiram as despesas e as necessidades da família com suas pensões e algumas economias.

• Apoio para o cuidado dos netos: os avós passaram a cuidar dos netos, pois os pais dos pequenos trabalham fora de casa por muitas horas. Atividades extracurriculares, visitas ao médico, esportes, tempo livre … Sem o apoio dos avós, muitas vezes não seria possível fazer tudo. Isso permitiu que os filhos cuidassem de suas famílias sem abrir mão de suas vidas profissionais.

• Ajuda nas tarefas domésticas: limpeza doméstica, compras de supermercado, culinária …

Tudo isso, em muitas ocasiões, desencadeou uma dinâmica que pressionou a saúde e a resistência desses idosos. Isso resulta na síndrome do avô escravo. Portanto, é necessário saber dizer “basta” e estabelecer limites para evitar abusos.

Sintomas do avô escravo

“O que, a priori, poderia representar uma fórmula eficaz e terapêutica de enriquecimento para os idosos e pais, em muitos casos assume a forma de uma escravidão moderna. Onde fortes laços emocionais são usados em vez de cadeias “(Soldevilla, 2008).

Por outro lado, a síndrome do avô escravo não aborda a ideia de que o cuidado dos netos e o vínculo estabelecido têm efeitos positivos. Em princípio, uma pessoa mais velha que começa a oferecer esse trabalho de suporte pode obter vários benefícios:

• Ele se sente útil e menos sozinho

• Intensifica relacionamentos

• Sente-se feliz

• Realiza atividades dinâmicas e novas

• Ele recebe afeição de seus netos

No entanto, se esse relacionamento for mal encaminhado e se tornar mais o resultado de uma obrigação tácita, inevitavelmente ele deixará até conseqüências decisivamente negativas. Como no caso de:

• Fadiga e exaustão

• Agravamento da saúde

• Stress

• Sensação excessiva de apego

• Redução da vida social

• Pouco tempo livre

• Mais possibilidades para discussões familiares

Não escravize os avós!

Você deve ter em mente que os avós não têm a mesma energia e habilidade de quando eram apenas pais. Na velhice, limitações físicas e cognitivas podem surgir. Portanto, é necessário estabelecer limites e organizar uma rotina na qual haja espaço para os idosos administrarem independentemente de seus netos.

Os avós têm seus próprios interesses e necessidades. Eles não podem, de forma alguma, ser relegados ao papel de “escravos”, aproveitando-se da desculpa do tempo livre e do profundo sentimento de pertencer à família. É um jogo egoísta que mostra todos os elementos da exploração.

Suas aspirações, suas expectativas, seus desejos devem ser respeitados e levados em consideração: eles não podem ser anulados! Sua opinião, embora possa não parecer relevante, será sempre apoiada pelo valor da experiência. Especialmente em relação aos valores humanos, onde talvez o ser humano não tenha mudado tanto.

De qualquer forma, repetimos, ajudar a família a não deve significar qualquer renúncia por parte dos avós. Tome suas decisões com sensibilidade e a medida certa.

Para evitar cair na síndrome do escravo-avô, dois elementos são essenciais: boa organização e distribuição adequada das tarefas. Em resumo, um planejamento que permita aos pais se organizarem confiando em seus avós somente quando for estritamente necessário.

***

Traduzido de La Mente è Meravigliosa Via Pensar Contemporâneo

Imagem de James Timothy Peters por Pixabay

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

1 COMENTÁRIO

  1. Poucas mulheres abrem mão de sua profissão em favor dos filhos, eles não são prioridade e muito menos são prioridade os vovôs e vovós que cuidam deles, por gosto ou nem tanto, nem sempre com a saúde nos trinks para correr atrás de crianças cheias de gás. Com exceção daquelas mães guerreiras que trabalham para alimentar os filhos, das quais não será justo nem caridoso tecer comentários sobre a criação dos seus filhos, mais ou menos sem mãe, todas as outras com poder aquisitivo de básico para cima, não vão se sacrificar em cuidar dos seus pimpolhos, ainda que os amem de paixão, porque sua realidade profissional não deixa e nem pensar em abrir mão disso porque está fora de questão. Existe um chavão popular muito conhecido, que estas mães defendem sempre que criticadas que é: “importante é a qualidade e não a quantidade de tempo que se gasta com eles”. Será verdade mesmo? Porque impossível não refletir sobre que qualidade de tempo, nas duas horas ao chegar do trabalho, se pode oferecer sem abdicar do cansaço, da fome e da falta da paciência para fazer dessa fração de tempo, deficiente e incompleta, a interação mágica entre mães e filhos que independe da pressa e de todas as demais preocupações, mesmo porque crianças, ao final do dia, estão sonolentas e amuadas após gastarem todas as fichas com os pobres vovôs, quase mortos, e pouco ou nada apreciarão desse tempo curto, nada compensador para crianças que gostariam de uma mãe em tempo integral, claro mas, esquece. Felizmente crianças crescem, ficam independentes e liberam suas mamães (aleluia!) para o que elas quiserem fazer e onde quiserem ir, sem remorsos de deixa-las o dia todo sozinhas. Felizmente filhos em pouco tempo serão os adultos que precisam trabalhar e alcançar o indispensável prestígio profissional, sem tempo de cuidar de suas mães aposentadas, chorosas, idosas e/ou doentes, por isso precisam interna-las em pensionatos ou abrigos, apesar de as amarem tanto. Mas nem todas serão abandonadas lá para sempre, óbvio, porque pelo menos duas horas por dia (ou por semana ou por mês) serão visitadas, presenteadas, abraçadas e beijadas em nome da QUALIDADE do incondicional, infinito e verdadeiro amor.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here