A mente ansiosa é o caos e a desordem. Ela apaga nosso potencial e frequentemente nos leva a um estado de fraqueza e angústia absoluta. Para controlar e reduzir seu impacto, podemos buscar a estratégia que melhor se adapte às nossas características pessoais. No entanto, existe uma que sempre funciona: o cuidado de si, ou seja, cuidar, nutrir e escutar como merecemos.

Ser cativo a um estado mental em que apenas as preocupações habitam é desgastante. Mas o aspecto contraditório dessa condição é que quanto mais exaustos estivermos, mais recursos e energia nosso cérebro consumiu, mais nos custará descansar. Porque o sonho nem sempre significa exaustão, vem quando há calma interior, quando há silêncio nos pensamentos.

Não é fácil viver com ansiedade como um companheiro. E ainda fazemos isso. Além disso, como os dados sobre a incidência dessas realidades psicológicas indicam, apesar de estarmos lidando com um tipo de transtorno tratável, apenas 35% das pessoas que sofrem com isso vêm pedir ajuda especializada.

Há pessoas que coabitam permanentemente com uma mente ansiosa. Assim, perdem a qualidade de vida, extinguem seu potencial atual, preenchem seu futuro com angústia e colocam sua saúde em risco. Vamos ver, portanto, qual é essa estratégia que todos devemos aplicar diariamente.

O autocuidado não é autoindulgência, é compromisso consigo mesmo

O autocuidado em um mundo exigente, cheio de incertezas e exigindo muito de nós, é essencial. No entanto, deve-se notar que este termo é frequentemente confundido com outros conceitos. Foi nos anos 80 que os profissionais de saúde mental nos falaram pela primeira vez sobre a importância de viver hábitos saudáveis ​​para reduzir o impacto do estresse e da ansiedade.

Agora, neste momento, a indústria da publicidade não hesitou em endossar esse termo. Tanto que lançaram uma ampla gama de produtos sob o rótulo de auto-atendimento. Desta forma, e por um longo tempo, eles foram associados com esta ideia de sais de banho, cremes, xampus, produtos alimentares destinados (supostamente) para nos fazer sentir bem.

Portanto, a partir do campo psicológico é necessário que promovamos as bases de um autocuidado correto. Um cujas estratégias são baseadas em uma maneira precisa (e científica) sobre o que este conceito realmente procura.

O que é realmente autocuidado?

. O autocuidado é muito mais do que mimo ou auto-satisfação. Está colocando em prática comportamentos que nos ajudam a reduzir o desconforto, a contradição, o medo, o estresse …

. O autocuidado é calmo. É alcançar um equilíbrio interno adequado, onde recarregue as energias, não as perca.

. Da mesma forma, para reduzir e controlar a mente ansiosa, um plano diário de autocuidado deve ser aplicado. Com isto queremos dizer algo muito simples, mas que nem todos cumprem. O bem-estar, o autocuidado, requer um plano e uma série de atividades e processos que devemos realizar todos os dias. Não vale a pena começar algumas rotinas hoje e esquecê-las na próxima semana. Bem-estar requer compromisso.

Além do mais, como explicam em um estudo realizado na Queen’s Kingston University, no Canadá, o autocuidado é um conjunto de atividades em que a pessoa se envolve ao longo da vida todos os dias. Fazendo isso, gera mudanças e nos ajuda a prevenir várias doenças.

Mente ansiosa: 5 chaves para cuidar de si mesma para controlá-la

Pessimismo, preocupação excessiva, sentimento de falta de controle, esgotamento psicológico … A anatomia da mente ansiosa pode diferir em alguns aspectos de uma pessoa para outra, mas, em média, é caracterizada por esses fatores comuns.

Então, antes de recorrer às drogas, antes mesmo de nos dizer que “somos assim e não temos remédio”, vale a pena parar por um momento nessas estratégias.

As chaves derivadas da prática do autocuidado diário podem nos ajudar. Vamos, portanto, refletir sobre eles.

Seu espaço seguro para acalmar a mente ansiosa

Um espaço seguro é um lugar, canto, banco, espaço debaixo de uma árvore ou sofá na frente de uma janela que gera calma. É uma zona de conforto para ir, pelo menos duas vezes por dia durante 15 ou 20 minutos. Durante esse tempo, nos conectaremos a nós mesmos para perguntar como estamos nos saindo.

Este espaço seguro nos permitirá desfrutar de um momento de solidão para gerar um diálogo interno positivo e amigável conosco. Vamos aprofundar as preocupações para nos convencer de que tudo vai correr bem. Vamos aliviar a angústia e o mais importante; Vamos racionalizar medos.

Agende momentos de felicidade

Felicidade é bem-estar e satisfação. É ser bom consigo mesmo sem nada, sem perder nada. Para acalmar a mente ansiosa, devemos “programar” ao longo do dia alguma atividade que gere essas sensações. É essencial que em cada um dos nossos dias possamos desfrutar de uma hora ou duas horas em que podemos relaxar, descansar e estimular positivamente o cérebro.

Basta, simplesmente, fazer algo de que gostamos, que esteja em sintonia com nossas paixões e personalidade (caminhar, fazer um curso, ouvir música, encontrar amigos, etc).

Meus canais para alívio

A ansiedade também precisa de algum canal de alívio para liberar todas as energias e tensões acumuladas. Desta forma, é ideal recorrermos a práticas como yoga, mindfulness, algum esporte que nos agrade e até mesmo por que não, alguma disciplina artística.

Invista em saúde

O autocuidado também é saúde, mas precisamos esclarecer novamente um aspecto: devemos nos comprometer firmemente com ele. Desta forma, aspectos tão básicos como cuidar do que comemos, como nos alimentamos e quais os hábitos que seguimos, indubitavelmente farão nosso bem-estar pior ou melhor. Você tem que seguir um plano e cumpri-lo.

Saúde também é prevenção, então vamos tentar ouvir e ouvir nosso corpo e nossa mente. Não vamos deixar esse desconforto físico ou preocupação para amanhã, vamos respondê-lo hoje ou ir a um profissional. O que é deixado de lado pode piorar. Então, vamos estar conscientes disso, lembre-se que viver com uma mente ansiosa não é viver, está se limitando a existir no modo de sobrevivência.

Por Valeria Sabater em La Mente es Maravillosa, com tradução A Soma de Todos os Afetos
Imagem de capa: Pexels

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

1 COMENTÁRIO

  1. Admiro aquelas pessoas simples, humildes, analfabetas até, em perfeita sintonia com sua paz interior, que se mantêm de pé durante a tempestade e à tona de tsunamis. Conseguem acalmar um bebê que chora, convulsivo, com uma simples carícia e podem aquietar um cão feroz com um doce olhar, somente. Desse invisível degrau de quietude não abdicam, ainda que lá fora se matem e morram em guerra fratricida, não matam e nem morrem mas salvam os sobreviventes, trazendo-os à razão e aos armistícios. Jamais leram um livro de auto ajuda, mas nunca precisaram de análise, conselhos ou remédios para seu espírito, absolutamente são. Deveríamos aprender com a natureza para sermos naturais, como as plantas são, como os animais se comportam, porque os lírios do campo e as aves do Céu são lições de viver sem acumular necessidades desnecessárias de malefícios que parecem bens, na mente ansiosa, agitada e inquieta, incapaz de discernir a paz da guerra e a bênção da maldição e, quando o ser se desgoverna e destrambelha, buscando uma saída, corre o risco de se arrojar para qualquer lugar, nem sempre um céu, e para os braços de qualquer amigo, nem sempre o melhor. Esse o perigo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here