Às vezes tivemos um momento tão ruim em um relacionamento anterior que nosso único objetivo é evitar passar pela mesma coisa. Houveram tantas decepções e tantas dores que nos sufocaram que estamos com medo de experimentá-lo novamente. O problema é que temos tanto medo de nos magoar, ficamos tanto medo de sofrer, que, na tentativa de nos salvar, também podemos nos colocar em perigo.

É verdade, se algum de nós fosse perguntado se queríamos sofrer, responderíamos que não sem hesitação. O ponto é que, mesmo se tomarmos essa decisão, as circunstâncias nem sempre acontecem como esperamos, já que o sofrimento é uma experiência comum em nossas vidas. De fato, cada um de nós tem a impressão de suas feridas e cicatrizes em sua própria história. Uma pegada que, de alguma forma, condiciona todo o nosso universo.

No caso de relacionamentos, é muito comum que os fantasmas do passado façam uma aparição; acima de tudo, se depois de um intervalo, as feridas não foram curadas e esse estágio não foi terminado; se ao invés de colocar um período e fim, foram os pontos de suspensão que venceram o jogo.

Desta forma, o passado influencia o presente como um sinal de alerta e qualquer sinal detectado pela nossa mente como ameaçador ou perigoso inicia todo o organismo.

O problema é que, às vezes, também é confuso e, embora seu objetivo final seja nos proteger, nos paralisa. Ela impõe algumas barreiras ao nosso direito de amar e ser amado – às vezes, quase insuperável – para nos confundir e aprender com isso. Isto é, nos impede de continuar por causa do medo de sermos feridos…

As cadeias de medo que nos ferem

O medo nos protege e nos adverte, mas também nos limita.

Ninguém quer sofrer em sua vida, portanto todos de algum modo fingem fugir dele, enganá-lo ou, pelo menos, evitá-lo. Podemos até, às vezes, escondê-lo no porão de nossa mente. Nós entramos em pânico para sofrer, para experimentar aquela dor de partir o coração que nos faz fragmentos, que nos lembra que somos vulneráveis, especialmente no amor.

Então, quando temos medo de nos ferir, na maioria das vezes, temos medo de sofrer de entrega, para confiar, para dar tudo de nós para outra pessoa e que não valoriza a nós como nós esperamos, nós a rejeitamos ou mesmo nos abandonar. Estamos com medo de ficar confuso novamente. Por essa razão, tendemos a nos entregar sem entusiasmo, com o cadeado jogado em nossos corações e com armaduras que protegem nossas vulnerabilidades.

O problema é que o amor é um exercício de risco e é completamente normal que o medo acompanhe o amor em muitos planos. A questão é até onde decidimos e de onde começa o medo; isto é, quando lhe damos o poder de governar nossas vidas e nossos relacionamentos.

Porque se confiarmos no medo, se nos tornarmos vítimas de nossos próprios medos, é muito provável que nosso relacionamento se deteriore ou até acabe, se não fizermos nada para administrá-lo, se não o expressarmos para o outro.

Por medo de dizer o que sentimos, por medo de expressar que estamos com medo, por medo do que eles vão pensar de nós, nos calamos. Silencie nossas preocupações e abrimos caminho para uma espiral de crenças negativas que levam a um grande desconforto, que carregamos nossos ombros e colorimos nosso universo. Aquilo que nos torna apáticos e desconfiados, que envia sinais ao nosso parceiro de descontentamento ou que é camuflado através de inseguranças, ciúmes e conflitos.

Em questões de amor, quando temos medo de ser feridos, nos tornamos mais frios. E mesmo que seja apenas um mecanismo de proteção, ele também atua como uma barreira de distanciamento. Assim, libertar-nos desse medo é fundamental para que o vínculo com o outro seja saudável e paremos de experimentá-lo como uma ameaça.

Porque mesmo que em algum momento nos tenham prejudicado, isso não significa que isso sempre acontecerá e que não precisamos mudar completamente a maneira como agimos.

O medo de ser prejudicado é uma prisão que reduz a qualidade de vida do nosso presente e dá forma a estados debilitantes que nos prejudicam.

O sofrimento é inevitável: como superar o medo de sofrer

O medo de sofrer em um relacionamento faz com que certos mecanismos sejam colocados em prática que impedem o aprofundamento do vínculo com a outra pessoa, se conectam profundamente com os sentimentos e nos mostram como somos. O problema é que, na maioria das vezes, eles agem inconscientemente, sob um mandato de proteção liderado pelo auto-engano.

Agora, é possível livrar-se, pouco a pouco, do medo de ser ferido. Para isso, é necessário trabalhar consigo mesmo, investigar crenças, experiências passadas e como nos valorizamos. Levar em conta os seguintes aspectos pode ser de grande ajuda:

. É importante refletir sobre o que tememos além do medo de sermos feridos. O medo é uma emoção que indica que há uma ameaça ou um perigo para nós, algo que foi configurado ao longo da nossa história. Neste caso, indica que temos medo de sofrer, de nos sentirmos mal ou de sermos abandonados. E embora pareça fácil de reconhecer, estar ciente disso não é tão fácil. Por isso, recomenda-se investigar, ver de onde vem e que efeito tem em nosso presente. Quais são as crenças e sentimentos que você ativa em nós?

. O sofrimento é inevitável. Mais cedo ou mais tarde, o sofrimento aparece. O importante é a atitude que tomamos para enfrentá-lo. Porque, embora seus efeitos sobre nós sejam complexos, negativos e desagradáveis, também tem uma missão: forçar-nos a parar, a desligar nossas energias, para que, pouco a pouco, entendamos o que nos acontece.

. Gerenciando emoções diminui os impulsos e nos ajuda a conhecer a nós mesmos. Uma emoção é um indicador de como somos, um sinal com informações sobre nós. Agora, é importante experimentá-los em vez de reprimi-los, mas também não se deixar levar impulsivamente por eles. Portanto, é melhor perguntar o que esta emoção nos diz e para que serve. Se levarmos isso a sério, descobriremos como somos. Por exemplo, o ciúme é frequentemente um aviso de insegurança e baixa auto-estima.

. Expressando como nos sentimos destrói paredes e barreiras no relacionamento com o outro. Falar sobre nossas preocupações e medos guia o outro sobre como somos e, de alguma forma, facilita a compreensão mútua. Caso contrário, podemos ficar confusos sobre o que nossos sentimentos são e o pior de tudo é que ele agirá de acordo. Por exemplo, você pode começar a se distanciar porque acha que precisamos de espaço e podemos interpretá-lo como algo negativo, decidindo também nos afastar. E o que ao mesmo tempo foi uma preocupação simples, pouco a pouco, levou a um arrefecimento do relacionamento devido à falta de comunicação.

. Amar você tem que correr riscos, além de coexistir com a possibilidade de perder. Amar significa ousar, corajosamente decidir mostrar nossos sentimentos e confiar em outra pessoa. É investir tempo, esforço e emoções na criação de um vínculo que não temos a garantia de que vai durar, mas que, apesar dessa incerteza, consideramos que vale a pena.

. Você tem que fechar ciclos e colocar pontos e terminações. Dizer adeus ao passado é a chave para abandonar o medo de ser ferido. Curar feridas e extrair lições do que foi vivido para nos ajudar a crescer é fundamental. Se não o fizermos, os fantasmas do passado aparecerão continuamente e nos lembrarão de que não somos válidos, de que eles nos ferirão novamente e de que estamos fadados ao fracasso. Não há duas pessoas iguais e julgar um relacionamento com base no anterior é uma medida muito injusta para o outro, para nós e para o próprio relacionamento.

. Amar a si mesmo com responsabilidade é uma boa medida de proteção. Amar a si mesmo é o apoio do qual erigimos um relacionamento saudável conosco e com os outros. Aquilo em que, embora o medo apareça, seremos capazes de derrotá-lo, saber que é simplesmente um aviso, mas que nem sempre está certo. Porque a melhor medida de proteção é amar a si mesmo.

. Aceitação e empatia são uma boa combinação. A aceitação está intimamente ligada ao amor próprio quando tem a ver consigo mesmo; mas quando está focado em outro é o suporte para avaliar como é, sem acréscimos de qualquer tipo. Bem como empatia. Ambas as habilidades são necessárias em um relacionamento; duas armas muito poderosas que, além de criar laços saudáveis, enfraquecem os medos.

Como vemos, superar o medo de ser prejudicado é um processo no qual o trabalho pessoal é a espinha dorsal. Porque, embora seja totalmente compreensível vivenciá-lo, o importante é não se deixar levar por ele, já que o medo de sofrer geralmente nos incapacita e gera mais medo e amor é um sentimento muito bom para deixar escapar e impedir que ele atinja nossas vidas.

Fonte indicada: La Mente es Maravillosa
Imagem de capa: Pexels

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here