Em muitos casos, preferimos ignorar que o amor é cego. Quando as pessoas se apaixonam e começam um relacionamento romântico, é o momento da magia e talvez não seja a hora de pensar demais. Muitas pessoas mantêm fé em sua versão particular da teoria das almas gêmeas. Há menos pessoas que percebem que o amor é uma jornada.

Esse amor se transformou na unidade perfeita, na “minha outra metade” soa muito bem. No entanto, parece que os casais que carregam o ideal de relacionamento perfeito acabam tendo relacionamentos piores do que aqueles que contemplam seu relacionamento como uma viagem de companhia.

Esta viagem não se refere a almas gêmeas criadas umas para as outras, mas a uma aventura de vida onde ninguém caminha sozinho. É uma jornada em que os obstáculos são superados, os objetivos e finalidades são alcançados e o casal trabalha em equipe frente às dificuldades do dia a dia. Eles geralmente são casais que geralmente valorizam o quão longe eles foram capazes de alcançar e todas as coisas pelas quais passaram juntos.

Avaliando o modo de entender o amor

Este é o tópico sobre o qual os psicólogos sociais Spike W. S. Lee, da Universidade de Toronto, e Norbert Schwarz, da Universidade do Sul da Califórnia, começaram a estudar. Suas descobertas mostraram que as pessoas que têm a crença da perfeita união de seus relacionamentos são frequentemente desapontadas com seus relacionamentos.

Pelo contrário, as pessoas que concebem seus relacionamentos românticos como uma jornada de desenvolvimento pessoal na companhia de seus parceiros estão mais satisfeitas com seus relacionamentos de longo prazo. Isso parece nos levar à conclusão de que diferentes formas de compreender o amor também levam a diferentes maneiras de avaliá-lo.

O experimento

A equipe de Lee e Schwarz trabalhou com grupos de pessoas que mantiveram relacionamentos de longo prazo e pediu que completassem um teste de conhecimento no qual deveriam incluir expressões relacionadas à idéia de amor como unidade ou amor como uma jornada. Eles também foram solicitados a relembrar as situações vivenciadas com o parceiro que teriam envolvido conflitos e comemorações e, finalmente, fazer uma avaliação de seu relacionamento.

Lembrar os momentos de celebração fez com que as pessoas se sentissem mais satisfeitas com seu relacionamento, independentemente de como elas concebiam o amor: seguindo a ideia de almas gêmeas ou como uma viagem em companhia.

Mas, para os indivíduos localizados na primeira concepção, o fato de lembrar os conflitos ocorridos durante o relacionamento levou as pessoas a se sentirem menos satisfeitas com elas. No entanto, essa insatisfação não foi sentida no caso de pessoas que viram sua relação como uma viagem.

Os experimentos de acompanhamento

Na segunda parte deste experimento, os voluntários foram convidados a identificar formas geométricas com as quais formar um círculo completo como uma metáfora para o amor como uma unidade. Também desenhe uma linha que vai do ponto A ao ponto B através de um labirinto, desta vez como um símile da viagem. Estes foram os sinais não linguísticos que foram utilizados no experimento e que permitiram mudar a forma como os indivíduos avaliavam seus relacionamentos.

A aventura da viagem

Este estudo corroborou outras investigações anteriores que foram feitas sobre o mesmo assunto e nos deixam conclusões sobre as quais vale a pena meditar. A concepção do casal no chão escorregadio que amplia a ideia da “alma gêmea” geralmente gera uma base frágil e pouco flexível diante do erro.

Pelo contrário, colocar a relação como uma viagem cheia de tribulações que é percorrida em companhia aumenta a satisfação do que se conseguiu depois de muitos e muito duros testes que às vezes a vida coloca na estrada.

Provavelmente, não estamos destinados a estar com ninguém em particular. Provavelmente, o que devemos nos preparar para percorrer esse caminho, essa jornada na companhia do nosso parceiro e enfrentá-lo como o que é, uma longa aventura em equipe.

Fonte indicada: La Mente es Maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here