Certamente, teve uma vez que um livro ou um anúncio lhe deu a resposta para aquelas dúvidas que você estava continuamente procurando; que você ia ligar para alguém e, nesse mesmo momento, é ela quem liga pra você; que você teve um encontro inesperado em um lugar que você nem sequer pensou ou que você encontrou a pessoa exata quando precisava, aparecendo do nada …

Todos nós experimentamos ocasionalmente uma coincidência que parecia tão improvável que a achamos mágica e epifânica, como se houvesse conexões entre eventos, pessoas ou informações através de fios invisíveis que só podemos vislumbrar às vezes. Segundo o psiquiatra suíço Carl Jung, isso não é coincidência, mas sincronicidade, um dos aspectos mais enigmáticos e surpreendentes do nosso universo.

O que é sincronicidade?

Este conceito existe pelo menos desde os Vedas, mas foi Carl G. Jung quem cunhou o termo de sincronicidade, referindo-se à “simultaneidade de dois eventos ligados por significado mas não causalmente” como a união dos eventos internos e externos de um maneira que não pode ser explicada, mas que tem algum significado para a pessoa que a observa.

Jung concluiu que existe uma relação íntima entre o indivíduo e o seu ambiente, que em determinados momentos exerce uma atração que acaba criando circunstâncias coincidentes, com um valor específico para as pessoas que vivem um significado simbólico ou de ser uma manifestação externa do inconsciente coletivo. É esse tipo de evento que geralmente atribuímos ao acaso, ao acaso, à sorte ou mesmo à magia, de acordo com nossas crenças.

A sincronicidade nos representaria no plano físico, por exemplo, a ideia ou solução que se esconde em nossa mente, composta de surpresa e coincidência, sendo assim muito mais fácil de alcançar.

Como Jung, Wolfgang Pauli, prêmio Nobel em física, pensou que a sincronicidade era uma das expressões que caracterizam a Unus Mundus, uma realidade unificada que emerge e retorna toda a existência. Coincidindo esta concepção com a Teoria da Totalidade e a Ordem Implicada da Mecânica Quântica do físico americano David Bohm.

Sincronicidade: momentos mágicos

Uma experiência sincrônica muitas vezes chega às nossas vidas quando menos esperamos, mas no momento exato, às vezes mudando a direção do nosso caminho e influenciando nossos pensamentos. Mas para isso, temos que ser receptivos e atentos ao mundo ao nosso redor, criando uma abertura para essa possibilidade de sincronicidade.

Quanto mais alerta estivermos com relação ao nosso ambiente, mais provável é que aconteça ao nosso redor ou pelo menos, que prestemos atenção … De pequenas conversas, músicas no rádio ou mensagens publicitárias, por exemplo, a encontros aparentemente “fortuitos”. Você apenas tem que estar vigilante.

Se deixarmos as circunstâncias fluírem e não pressionarmos ou forçarmos a ocorrência de eventos ou a vontade das pessoas, mantendo uma atitude receptiva e aberta, deixando-nos guiar pela nossa intuição e sabedoria interior, nos abriremos à “magia” que nós oferece a experiência da sincronicidade. Se soubermos ouvi-lo, ele pode se tornar um bom guia para nossas vidas.

Talvez esta seja uma das muitas leis universais que não podem ser testadas com demasiada segurança, mas que, apesar disso, a sua presença tem orientado a vida de muitas pessoas e está presente em toda a história da humanidade, sendo algumas das razões para manter este conceito atual. Lembre-se que Don Juan disse a Carlos Castaneda que a sorte era realmente uma forma de poder.

Mesmo este artigo pode ter sido o resultado da sincronicidade…

Texto do original La Mente es Maravillosa, com tradução e adaptação por A Soma de Todos os Afetos
Imagem de capa: Pexels

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here