Muitas vezes nossa mente estará cheia de incertezas, gerando a agitação que acompanha a insegurança, não sabendo o que vai acontecer, não sendo claro sobre que decisão devemos tomar ou simplesmente não sendo capazes de entender um determinado cenário.

Independentemente da posição em que nos encontramos, a nossa mente que quer nos proteger através de mecanismos que nem sempre nos proporcionam tranquilidade e bem-estar, mas que nos colocam diante das situações imagináveis ​​mais catastróficas possíveis, e ela vai invadir nosso ser de confusão, chegando até nos colocar em um estado de angústia.

Não se desespere, quanto mais atordoado você estiver, mais difícil poderá obter as respostas de que precisa. Nós apenas temos que relaxar, parar de olhar, investigar, apenas pausar nossa mente, acalmá-la, pedir carinhosamente que permita a passagem para aquela parte de nós que sempre tem as respostas e que quer nos colocar onde nós pertencemos.

O coração foi escolhido por várias razões para ser o receptáculo da nossa alma, é por isso que sempre ouvimos coisas como: ver com os olhos do coração, deixar o coração agir por nós, etc. Com isso, o que se pretende é simplesmente dar lugar a nossa parte espiritual tomando o controle, agindo além de nossa mente e nossos sentidos.

Somente quando nossos pensamentos e emoções estão em silêncio, quando deixamos de nos identificar com sua presença e efeitos, é quando podemos nos preparar para ouvir essa parte essencial de nós, que está sempre presente, enviando sinais, mas só podemos compreender quando não há interferência da mente.

Não podemos estar em estado de “não mente” permanentemente, mesmo por longos períodos de tempo. Mas alguns instantes dessa conexão mágica serão suficientes para guiar nossos passos, para tirar dúvidas, para nos sentirmos capazes de chegar e fazer o que quisermos, desde que isso seja favorável à nossa evolução.

Como conseguimos silenciar nossa mente?

Basicamente, viver no presente é a chave. Significa pare de se preocupar sobre algo que não está acontecendo para nós, significa estar presente no que fazemos, o foco sobre isso e nada mais, que parece simples, mas Se tomarmos qualquer um dos nossos momentos diários, perceberemos que nossos pensamentos, como animais selvagens, vão de um lugar para outro, sem nenhum controle aparente.

Então, precisamos nos habituar a concentrar nossa atenção no que vivemos, na experiência presente, capturando cada sensação, cada estímulo através de nossos sentidos, os aromas, a temperatura, as cores, os sons, qualquer detalhe, apreciando tudo Assim como é, além de pensar em como gostaríamos que fosse ou qualquer outra coisa.

Obviamente, a meditação é sempre um bom recurso, existem muitas técnicas para estabelecer a calma em nossa mente através dela e quanto mais consistente com a nossa prática, melhores respostas que recebemos, especialmente aqueles que vêm de nossos corações que sempre vai nos levar para onde nós devemos ser.

Tradução do artigo publicado no site Rincón del Tibet

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

2 COMENTÁRIOS

  1. Muitas vezes a mente não apenas pergunta, mas exige as respostas que não vai conseguir ouvir o coração responder, porque está inquieta, ansiosa, desequilibrada e doente. Quando a mente se pacifica, se acalma e adentra o estado de sintonia com o Universo, ela compreende, aceita e assimila elementos da atmosfera na qualidade do seu indispensável remédio para ser curada de si mesma. Só então ela consegue ouvir o sussurro do seu próprio coração que sempre esteve lhe respondeu cada pergunta feita, mas como ela fazia muito barulho, não ouviu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here