Imagine que um velho careca aparece e, enquanto fuma cachimbo, diz: “os celulares ajudam a conectar as pessoas que estão longe, mas permitem que aqueles que estão próximos se distanciem ”. Esta é uma frase de Zygmunt Bauman, recentemente falecido, que cunhou o termo amor líquido, entre outras dimensões líquidas que freqüentemente definem nossa realidade.

A seguir, propomos um breve caminho sobre o conceito de amor líquido de Zygmunt Bauman . Vamos tentar acima de tudo entender se esse conceito realmente caracteriza o amor no século em que vivemos.

Quem foi Zygmunt Bauman?

Antes de prosseguir, é bom saber quem era Bauman. Este bom velhote à primeira vista era na verdade um importante filósofo e psicólogo polonês. Infelizmente, ele morreu há alguns meses atrás.

No entanto, a posteridade se beneficiará de seu enorme trabalho de pesquisa sobre questões atuais, como classes sociais ou pós-modernismo. Após a década de 1950, sob a influência e o eco de fatos tão importantes quanto o holocausto nazista ou a ascensão do socialismo, Bauman se concentrou em tópicos mais atuais relacionados ao final do século XX e início do século XXI.

Durante os últimos anos, o trabalho de Bauman enfocou o pós-modernismo, a globalização, o consumismo e a nova pobreza. Daqui surgiu o conceito de modernidade líquida que nos remete ao tema que discutiremos hoje: o amor líquido.

Amor líquido no mundo moderno

Bauman cunhou o termo “líquido” com um significado diferente, para explicar sua visão das sociedades no mundo moderno. Para o sociólogo, a fragilidade do vínculo é a realidade de nossos relacionamentos. Líquido, devido à maleabilidade da forma e a facilidade de divisão dos elementos em estado líquido.

Infelizmente, a mente afiada do filósofo valorizava a sociedade atual como um mundo ocasional. A maioria das pessoas que fazem parte dela busca satisfação momentânea: algo pontual que nos faz feliz por alguns minutos. Um momento antes é desejado e imediatamente depois de esquecido.

Segundo Bauman, isso se deve ao fato de que um dos elementos do amor relacional, o amor-próprio, também é líquido. Como podemos amar alguém antes de não termos aprendido a nos amar? O que podemos oferecer aos outros se não temos nada importante para oferecer? O que podemos fazer com os outros quando eles nos oferecem algo importante? Nossa falta de auto-estima nos leva a nos engajar em relacionamentos que se dissolvem em questão de segundos.

Por isso, graças à poética singular de Bauman, o termo amor líquido, e tudo o que se reflete em nossa realidade atual, nos escapa de nossas mãos, porque não somos capazes de solidificá-lo e apreendê-lo com a força necessária, exatamente como acontece com o ‘amor próprio. Vivemos no mundo efêmero do momento como colecionadores de eventos líquidos. Todos os dias é cada vez mais difícil para nós criar uma realidade sólida formada por amor-próprio e relacionamentos reais que duram ao longo do tempo com a consistência necessária.

Por esta razão, graças à poética singular de Bauman, o termo amor líquido e tudo o que é refletido em nossa realidade atual, nós saímos do controle, porque não podemos solidificá-lo ou compreendê-lo com a força necessária, exatamente como acontece com o ‘amor próprio. Vivemos no mundo efêmero do momento como colecionadores de eventos líquidos. A cada dia achamos cada vez mais difícil criar uma realidade sólida formada por amor próprio e relacionamentos reais que durarão ao longo do tempo com a consistência necessária.

A necessidade de amor próprio para estabelecer relacionamentos verdadeiros

Para Bauman, os seres humanos modernos precisam de compromissos fortes. E o primeiro deve ser com você mesmo. Sem autorrespeito, sem responsabilidade pessoal, sem a capacidade de transcender, raramente estaremos dispostos a ter relacionamentos sólidos.

Bauman disse que hoje em dia, em vez de relacionamentos, estabelecemos conexões. Exatamente como dissemos no começo deste artigo com a frase sobre telefones, a tecnologia que nos permite manter contato. No entanto, não o usamos para nos aprofundar, mas para nos conectar.

Curiosamente, nesse sentido, podemos observar o paradoxo de que quanto menos transcendentes somos pessoalmente, mais individualistas nos tornamos. Além disso, é nesse contexto que geralmente sentimos a necessidade oportuna de sermos temporariamente satisfeitos. Eventos fugazes com um começo e um fim, que vão do real ao virtual.

Como dar ao amor líquido um gostinho da realidade

O amor líquido atual é mais real a cada dia. As relações que são estabelecidas são desprovidas de substância e carecem de conteúdo e compromisso. Contudo, não podemos nos deixar levar pelo desespero e pela temporalidade.

Felizmente, existe uma arma poderosa com a qual lutar contra a inconsistência do amor líquido. Chama-se educação, mas para usá-la e obter bons resultados, você precisa começar desde a infância.

É preciso formar crianças seguras, de alta autoestima, conscientes de si e da necessidade de estabelecer relações reais e duradouras. Crianças livres, capazes de pensar e confiantes em todos os projetos que podem empreender.

“Amar significa abrir a porta para esse destino, para o mais sublime das condições humanas em que o medo se funde com o prazer em uma liga indissolúvel, cujos elementos não podem ser separados”
-Zygmunt Bauman-

Caso contrário, nossos filhos, como muitos de nós, sentirão o amor líquido da realidade líquida desse mundo líquido. Ou pelo menos é o que Zygmunt Bauman acreditava. O que você acha?

Traduzido do original exploringyourmind. Via Pensar Contemporâneo

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

1 COMENTÁRIO

  1. Somos impalpáveis e abstratos, nossa realidade é virtual,estamos em todos os lugares mas em lugar algum nos encontramos. Realmente interessante a definição “amor líquido” porque nossos sentimentos inconsistentes tomam a forma do recipiente que o contém, somos o conteúdo indefinido que apenas se define com a forma que se dá a ele. Tememos o julgamento alheio on line mas precisamos dele, de forma doentia, como o ar que respiramos e matamos nossa sede quando aceitos no contexto e inseridos no formato, não importa muito QUAL.Quando nos elogiam ou criticam é quando sabemos quem realmente somos porque, sem louvores ou censuras, nada somos. Precisamos de selfies, muitas selfies do contrário esquecemos nosso rosto, perdido nos milhões de rostos, amigos adicionados como grãos de açúcar no café: impossível mensurar sua doçura, diluída no amargor. Desconhecidos conversando com desconhecidos ao redor do mundo, que não se conhecem de verdade mas se tratam por amigos, famintos de aceitação, eis o que somos. Pessoas reais, ao nosso lado, são imagens desfocadas porque fora da tela. Quando nos chamam pelo nome, são intrusas, apesar de parentes e nem sempre bem vindas quando interrompem contatos “importantes” que nem sabem quem somos, quanto valemos de verdade. Pessoas reais quando nos tocam, nos assustam, são fantasmas que não dizem o que queremos ouvir nem acham bonito quando erramos; forasteiros em nosso território, não falam a mesma língua, por isso os deletamos, são expulsos apesar de continuarem, teimosos e insistentes, sob o nosso teto ou que julgamos ser. Nossa realidade é virtual, nossa inteligência idem, sentimentos impermanentes não contam nossa história, efêmeros demais, logo nascem, já morrem. Que terreno é esse, instável e movediço que nos apraz pisar, apesar de quase sucumbirmos nele e que amor líquido é esse, sem o poder de aplacar ódios e guerras e sem a eternidade de luzes verdadeiras que poderiam dizimar todas as sombras se fossem, de verdade, AMOR?!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here