Dizem que a vida é curta, que acontece com um suspiro e que, quando nos damos conta, já estamos vivendo mais das lembranças do que do que acontece ao nosso redor.

E a verdade é que, em vez de temer essa transitoriedade de nossa existência, o que realmente assusta não são os erros, as quedas, e muito menos os momentos que perdemos ao longo do caminho. O que assusta, é uma vida não vivida, ou até mais, ter deixado nossos dias se ajustarem aos planos e sonhos das segundas pessoas.

Eu não estou neste mundo para satisfazer as expectativas de ninguém, nem para conhecer as minhas. Somos dois seres que colidiram em um encontro maravilhoso e que juntos, constroem um caminho comum girando a vida, harmonizando sonhos, planos e objetivos.

Às vezes, leva muito tempo para perceber que a vida que mantemos não nos faz felizes. No começo, nos deixamos levar, talvez por amor, talvez por causa de esperanças e ilusões que pouco a pouco são derramadas na forma de falsidade. Em algo que já foi prometido e nunca cumprido.

Há muitas maneiras em que a vida enferma ao lado de outras pessoas. Às vezes eles são parentes, às vezes são casais … Enfim, é algo que não devemos permitir.

Porque poucas coisas são tão pessoais e distintas quanto a maneira pela qual realmente queremos viver a vida. E ninguém deve colocar moldes, âncoras ou cordas de marionetes para nos levar em seus próprios caminhos.

Se você vive a vida dos outros, você deixa de ser seu

Vocês são seus valores, seus sonhos de ontem e seus desejos do presente. Vocês são suas escolhas, suas ilusões da manhã e sua tristeza da tarde. Você é o que conquistou e o que ainda precisa ser alcançado … Como permitir que os outros deixem sua identidade embaçada para colocar seus sapatos sem a sua permissão?

Você pode perder seu orgulho para o amor, você pode colocar de lado seus sonhos para sonho de outra pessoa, se quiser, mas o que nunca, o que é que você nunca deve permitir que alguém a perder a sua dignidade.

É necessário percorrer este caminho chamado vida da maneira mais simples possível: em liberdade, sem sobrecarga no coração e sem ruído na mente.

A vida não deve ter medo, devemos gozá-la com alegria e plenitude. E se você não sente nada deste último agora, se quando você abrir os olhos na parte da manhã você olhar perturbado / a por uma série de emoções negativas, é que talvez você não está vivendo a vida que você quer. Talvez você esteja no palco que os outros criaram para você.

Quando o seu dia a dia é regido pelo universo pessoal de outra pessoa

Algumas pessoas assumem, sem saber muito bem porque, o papel do regente em um relacionamento. A outra pessoa só pode se virar como um satélite ao redor de um planeta.

E isso é feito no início pelo amor, porque nos colocamos em ilusões e porque, por algum tempo, somos incapazes de ver os detalhes que constroem uma pequena realidade funcional.

. Existem aqueles que precisam ter controle como aqueles que temem que, no mínimo, seu castelo de cartas caia.

. A necessidade obsessiva de controle esconde, na verdade, uma baixa autoestima que se transforma em autoritarismo e inflexibilidade. Respeitar a vontade do outro e seus espaços pessoais envolve o risco de perder essa pessoa.

. Ser quem dita as decisões, quem escolhe, quem assume, aceita ou rejeita no dia-a-dia oferece reforço à baixa autoestima incapaz de demonstrar reciprocidade em relação aos outros.

A vida plena, autêntica e feliz, não busca prisioneiros: ninguém pertence a ninguém

Não se trata de manter uma vida sem vínculos, sem relacionamentos e sem ninguém significativo ao nosso lado. É sobre estar ciente de que não devemos considerar nada de nossa propriedade. Nenhuma pessoa pertence a ninguém.

Ninguém deve ser o dono da felicidade, porque a felicidade não é possuída, ela é criada quando a brisa é criada nas noites de verão ou nos corais dos oceanos marinhos. A felicidade é um tesouro que você não deve deixar aos caprichos egoístas dos outros.

Desde que eu não pertenço a você e você não pertence a mim, eu escolho você em liberdade para andar de sua mão. Então, nós somos arquitetos e criadores de nossa própria felicidade.

. Desde que estou ciente de que todos nascemos livres e temos pleno direito de escolher o nosso modo de vida, eu respeito suas escolhas, seus valores e sua maneira de pensar.

. E por essa razão, eu me esforço todos os dias para harmonizar meus espaços pessoais com o espaço em comum que ambos compartilhamos.

Eu me livrei daquela vida que os outros criaram para mim

Há momentos em que os contextos familiares, com mães ou pais possessivos, também moldam esses contextos, onde acabamos vivendo a vida dos outros que os outros criam para nós. Relacionamentos afetivos e de casal são, por outro lado, aqueles territórios comuns onde esse tipo de dependência e coações vitais ocorrem mais.

. Para viver uma vida feliz e plena, não devemos nos “ligar” a uma ou várias pessoas. É melhor nos ancorarmos a um objetivo: a felicidade. Porque é esse objetivo que nos fará discriminar quem nos merece e quem não. E quem te faz sofrer não te merece.

A vida não sonha ou espera por uma janela enquanto outros ditam o que fazer e o que não fazer. A vida é risco e é coragem, a vida acontece além da zona de conforto e das correntes que os outros nos impõem.

Imagem de capa: Pascal Campion
Tradução do artigo do site La Mente es Maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here