Depressão não é tão simples. Não é algo que é aliviado por um beijo e um “eu te amo”, nem mesmo com uma pílula. Essa desordem é cruel e consumidora, cheia de ansiedade em nossa mente, nos frustra, nos deixa com raiva, nos faz preferir o isolamento… Tudo isso é difícil para quem nos rodeia; Por outro lado, se o parceiro não entende nossa depressão, a realidade pode se tornar muito mais difícil.

A maioria das histórias clínicas nos fala de uma realidade que às vezes passa despercebida. A depressão tem um impacto direto no casal que sofre e, consequentemente, também no resto da família. Ora, a dificuldade não está no fato de assumir a presença da dita doença, do dito distúrbio. O problema está na nossa incapacidade de entender e lidar com a solvência neste tipo de condições.

“Há feridas que nunca são vistas no corpo, que são mais profundas e mais dolorosas do que qualquer ferida que nem mesmo nossos entes queridos percebam.” -Laurell K. Hamilton-

O amor que professamos ao nosso parceiro não é suficiente em tais situações … e nem a nossa vontade. Muitas vezes, temos que enfrentar certos eventos para os quais ninguém está preparado em um nível afetivo. Por exemplo, veremos como a outra pessoa quer a solidão para nossa empresa, como evita o contato físico ou como, quase sem saber por quê, ele deixou de se interessar pelas nossas preocupações e dinâmicas diárias para se tornar uma sombra que é negligenciada até mesmo A si mesma.

Quando somos prisioneiros de um distúrbio psicológico, a vida perde sua ordem, significado e lógica. Se o casal não entender nossa depressão e não for capaz de caminhar ao nosso lado sem pressionar ou julgar, o processo de recuperação será muito mais longo.

Quando o parceiro não entende nossa depressão: custos e sofrimento

A presença de uma depressão é como um elefante dentro de uma casa, interrompendo tudo. É também como aquele buraco negro que colapsa tudo e o engolfa para levá-lo a uma estranha dimensão onde a realidade está contida em um nada sem forma. Ninguém nos preparou para entender esse tipo de processo em que a mente age como nosso pior inimigo.

Além disso, se esta condição é difícil para aqueles que sofrem, também é difícil para os casais. A primeira coisa que geralmente experimentam é perplexidade: a outra pessoa não está mais disponível em quase nenhum sentido. Porque os sintomas dessa condição contradizem a própria essência de todo relacionamento feliz: não há desejo emocional ou sexual, nem interesse e ainda menos ilusão.

Por outro lado, o parceiro que não entende a nossa depressão, também sentirá em segundo lugar um sentimento muito comum: a culpa. Eu fiz alguma coisa para fazer você se sentir assim? Personalize e carregue em si mesmo a origem da desordem que um ente querido é um comportamento tão recorrente … como errôneo.

Lembre-se de que, na maioria dos casos, não há origem específica para esse tipo de situação. No entanto, este é um remorso habitual que torna ainda mais difícil apoiar a outra pessoa.

Os erros mais recorrentes entre os casais que sofrem de depressão são dois. A primeira é culpar a origem dessa desordem. O segundo, personalize os sintomas. Se a outra pessoa preferir dormir o dia todo para sair com a gente para passear, isso não significa que ele nos quer menos. Isso significa que ele não é capaz de se levantar, que sua angústia pesa sobre ele, que sua mente tem ainda mais poder do que sua vontade. Frustrar ao ver que o nosso parceiro não responde às nossas exigências, conselhos ou bons desejos é algo que não podemos pagar.

Como ajudar o nosso parceiro se ele sofre de depressão?

Antes de detalhar as chaves que podem nos ajudar a ajudar alguém que está passando por uma depressão, vale a pena insistir em um aspecto. Quando o casal não entende nossa depressão e comete o erro de nos culpar por ser assim, há algo que falha. Além da presença dessa condição psicológica, há a maturidade daqueles que sabem lidar com qualquer obstáculo em um relacionamento.

Um vínculo afetivo significativo e saudável sabe lidar com qualquer problema, seja ele grande, pequeno, tem sua origem em fatores econômicos, pessoais, afetivos e, é claro, em uma doença. Você tem que entender que uma pessoa com depressão não é alguém que perdeu sua capacidade de nos amar. Na verdade, o que ela perdeu é a capacidade de se amar. É nesse momento que mais precisaremos de nós. E se não somos ou não somos capazes de compreendê-lo, os efeitos que podemos causar podem ser muito sérios.

Se o parceiro não entende nossa depressão, devemos dar-lhes os meios para fazê-lo. No entanto, se não houver vontade e o que sentirmos for um sentimento de ameaça e maior desconforto, tomaremos uma decisão. Aquele que mais nos beneficia

Portanto, é vital que levemos em conta as seguintes estratégias para prosseguir com mais sucesso, proximidade e tato:

. Educar em depressão. Uma chave apropriada é fazer parte do processo de intervenção e recuperação do nosso parceiro. Indo com eles para a terapia e permitindo que os profissionais nos informem sobre o tipo de depressão sofrida pela outra pessoa será de grande ajuda, assim como nos permite sugerir certas chaves para facilitar seu progresso.

. Não force, não se concentre nos objetivos. Uma depressão leva tempo, tem altos e baixos e nunca responde a pressões ou ultimatos. O processo de recuperação é de responsabilidade exclusiva de quem sofre de depressão e devemos respeitar seus tempos sem exigir metas.

. Acompanhe, permita espaços; Às vezes a presença simples é melhor que palavras. Não fique atordoado se o seu parceiro der um passo atrás e decidir não sair com você para uma caminhada. Se você optar por ficar na cama não sanções, lembre-o apenas que você está lá para o que você precisa. Não julgue, mesmo que isso custe, seja aquela presença próxima que saiba apoiar em silêncio.

. Distribuir responsabilidades A única obrigação da pessoa com depressão é a sua recuperação. De sua parte, é essencial que você não negligencie sua vida, seu trabalho e aquelas dimensões que salvaguardam seu equilíbrio emocional. Todos terão suas responsabilidades, e o seu como casal também deve cuidar do seu bem-estar para dar o melhor àquela pessoa que precisa de você.

Para concluir, como podemos intuir essas situações não são fáceis para ninguém. Se o casal não entende nossa depressão e não demonstra nenhuma disposição de nos apoiar nesse processo, a melhor coisa nesses casos é tomar uma decisão que possa nos beneficiar. Não será fácil, mas se o propósito é recuperar, é necessário sair daqueles ambientes que são tão duros quanto prejudiciais.

Por outro lado, vamos nos esforçar para não rejeitar o apoio que o nosso pessoal oferece, vamos renová-lo se não vier como gostaríamos. No final, ter um parceiro ou parceiro emocional disposto a nos ajudar é uma força muito poderosa, que podemos usar a nosso favor com um pouco de inteligência emocional, para sair do buraco negro.

Traduzido e adaptado do site lamenteesmaravillosa, por A Soma de Todos os Afetos

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here