Existem muitos tipos de finais: alguns que nunca chegam, outros que se repetem: finais com novos inícios; Começos com finais escritos, há finais felizes e outras vezes difíceis, e há também aqueles que chegam sem aviso prévio, sem uma explicação, sem lhe dar tempo para dizer adeus. Este último pode ser o mais desleal, egoísta e doloroso; em que o silêncio é a última palavra e a sua imaginação é a única que conhece uma explicação.

As melhores coisas geralmente vêm à nossa vida pelo “acaso” (ou melhor, pela “causalidade”), sem procurá-las. As boas-vindas são sempre casuais e raramente buscam uma explicação, nós nos contentamos em acreditar que tem sido uma questão de destino ou pura coincidência. Mas quando alguém sai, quando a despedida chega, precisamos ver, ouvir e acreditar, mas, acima de tudo, precisamos entendê-lo. E é o porquê. A pergunta cuja resposta procuramos constantemente, tornando-a a única saída possível, a única maneira possível de continuar avançando sem olhar para trás.

Algumas pessoas são capazes de matá-lo com os seus silêncios, não deixando nem um adeus, nem mesmo um “Desculpe, não te amo” ou “não foi o que eu esperava”, ou simplesmente que já não pode continuar. Mas, se havia algo bonito, por que estragá-lo com um final tão absurdo? Por que acabar com tudo assim, de forma covarde, com o quão fácil é dizer “eu fui feliz”, mas acabou.

Nós todos sabemos que todo começo tem um fim, é importante reconhecer o tempo para terminar algo que já não agregar valor à sua vida, que já deu tudo o que podia dar, nós aprendemos que é necessário e que o fim é inevitável, mas O que ninguém merece é tal fim, cheio de silêncios. O fato de uma “despedida sem explicar por que” é uma atitude agressiva e baseada no medo, já que geralmente as explicações no meio de um estado de desordem emocional geralmente não são positivas, e também quem deixa não quer ser parado .

É verdade que temos o mau hábito de sempre querer endossar o óbvio, sempre buscamos explicações racionais, mas quando conseguimos enxergar além do óbvio, percebemos que há sinais que anunciam uma despedida. Eles dizem que há perguntas que não têm respostas, mas não, que ou é verdadeira, todos têm, mas não quer ver porque temos medo de não ser capaz de fechar a porta e sair ou deixar de ir. Muitos ficam cegos para a realidade, você não precisa de uma explicação quando a realidade sempre enfrentou você … e você não a aceitou !!

O fato de eles não lhe darem uma explicação dá origem a “preencher essa incerteza” com pensamentos e diálogos internos. Isso nos torna advogados e promotores. Nós o culpamos e depois o defendemos, nos culpamos e percebemos que somos inocentes e gratuitos. Mas a única coisa que existe, é o que você sabe com os diálogos internos e a única coisa que eles conseguem é nos magoar.

O ego é outro personagem que faz seu retorno triunfante à entrada palco, sempre perguntar por uma resposta, querendo controlar tudo, procurando por que isso aconteceu, querendo necessariamente uma explicação, e é que ninguém é bom se sentir rejeitado e nada mais.

Mas, e se você se perguntar, o que eu tenho que aprender com isso? Bem, é só isso. Que há momentos em que as coisas acontecem e que não precisamos saber o porquê. Claro que dói e muito! E só com o tempo você percebe que se alguém não tivesse coragem de nos dar um “por quê?”, Era melhor partir antes de incluí-lo em projetos maiores de nossa vida onde a falta de valor não pertence.

Não há nada mais bonito e mais respeitável do que uma pessoa sincera que não mediu palavras e gosta de esclarecer tudo, desde o início nos permite saber onde estamos em uma relação. É sempre melhor saber com certeza o que aconteceu por mais doloroso que possa ser.

E embora não haja um adeus mais triste do que o que não é dito, explicado ou compreendido, a verdade é que o mais triste de todos é aquele que não queremos ver. Nunca é um bom momento para dizer adeus, mas sempre é necessário.

Fonte indicada: Rincón del Tibet, traduzido e adaptado por A Soma de Todos os Afetos
Imagem de capa: Pexels

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here