A autoestima é um dos ativos intangíveis mais apreciados do ser humano. Sem isso, somos incapazes de fazer uma avaliação positiva de nós mesmos que nos permita desenvolver no campo social. Além de nos proteger e nos amar.

Nossas palavras e ações muitas vezes não formam seres humanos capazes, mas causam profunda tristeza e baixa (ou às vezes nula) autoestima.

Ninguém nasce sabendo como ser mãe, pai, tio, avô, etc., com perfeição. E uma vez que entendemos isso, nós lhes dizemos abaixo como você pode evitar certos hábitos com seus filhos para cuidar melhor da sua autoestima, e até fortalecê-la.

Você já se sentiu mal por ver seu filho com baixa auto-estima? Você é um daqueles que constantemente tenta protegê-los do mundo? Quando foi a última vez que você permitiu que seu filho fizesse algo que ele queria fazer, mesmo em sua empresa?

Se a resposta a essas perguntas for afirmativa, é hora de refletir um pouco sobre isso. Lembre-se de que os filhos precisam que seus pais os amem, apoiem, guiem e incentivem.

A vida pode ser um caminho muito complexo e é necessário saber como ser um bom guia para os pequenos ajudá-los a crescer.

A autoestima ajuda a nos construir.

Graças à boa autoestima e à boa saúde psicoemocional, podemos desenvolver atitudes mais positivas e promover relacionamentos e experiências que beneficiam nosso ambiente.

A autoestima motiva e inspira

O psicólogo venezuelano Pablo Ríos Cabrera, em seu livro intitulado Psicologia: a aventura de nos conhecer, diz que a auto-estima está relacionada às expectativas e ao sucesso.

Ou seja, a auto-estima nos leva a crescer, perseguir nossos objetivos para alcançar o sucesso neles.

Por exemplo, imagine que nossa filha quer ser astronauta. Ela irá formar certas expectativas a este respeito em que ela visualiza como seu sonho será realizado.

Se a menina consegue isso, é um indicador de autoestima saudável. Se, ao contrário, é muito difícil para você gerar expectativas nas quais você pode ver seu sonho se tornar realidade, Houston, nós temos um problema.

Vamos continuar analisando o exemplo um pouco mais pelos seguintes cenários possíveis:

Cenário possível # 1
A menina nos diz que ela quer ser astronauta quando for mais velha. Em seguida, começamos a girar a questão e cometer alguns erros como:

1. Queremos ajudá-la tanto nas tarefas escolares relacionadas às ciências espaciais que acabamos fazendo isso por nós mesmos, acreditando que ao tê-las “perfeitas” ela estará melhor. (É bom participar ativamente das tarefas de nossos filhos, mas também devemos dar-lhes espaço para pensar e resolver os problemas por si mesmos.

2. Sim, compramos livros e telescópios para ver as estrelas, mas não permitimos que ela seja montada sozinha, mas fazemos isso por nós mesmos. (Uma coisa é supervisionar de certa distância como está sendo montada e outra coisa é desativá-la completamente fazendo tudo para nós)

3. Nós não a levamos para o planetário ou para qualquer curso de ciência espacial, mas a deixamos com ela em casa, porque lá ela é “mais bem cuidada”. (A proteção excessiva limita muito as crianças, torna-as inseguras, ansiosas e, claro, reduz sua autoestima.

Resultado: o pequenino não pode imaginar já que ela será astronauta porque sabotamos o sonho. Ao adquirir tudo o que achamos necessário, restringimos suas possibilidades de desenvolvimento e, com isso, sua autoestima.

Cenário possível # 2

A menina nos diz que ela quer ser astronauta quando for mais velha. Não importa quão realista ou não esse sonho possa parecer para nós, seguimos para o seguinte:

1. Colaboramos com ela sempre que ela nos pede ajuda com uma tarefa escolar relacionada à tecnologia espacial e espacial.

2. Nós fornecemos a você um telescópio / livro / brinquedo / etcetera relacionado ao assunto do seu sonho e permite que você o explore por si mesmo desde o primeiro momento. Se você tiver algum problema, podemos ajudá-lo, mas não interferir no processo. O importante é que ela aprenda por si mesma e se sinta guiada, não intervenha nem seja incapacitada.

3. Melhor avaliar a proposta de ir ao planetário ou iniciar um curso de ciências espaciais. Se tivermos as possibilidades, por que não apontar para a garota? No caso de ser ruim, pelo menos ela não sentirá uma “tarefa pendente” no futuro quando pensar sobre isso novamente.

ATENÇÃO! Se não tivermos a possibilidade de realizar uma atividade, a melhor coisa será sempre procurar alternativas e tentar passar tempo de qualidade com a nossa filha, na qual ela possa se desenvolver. Por exemplo: por que não organizar uma noite de filmes espaciais?

O que acontece se você não permitir que cometam erros?

Se as crianças não podem cometer erros e superprotegê-las para evitar que tenham uma experiência ruim ou cometam erros em geral, elas não serão capazes de funcionar na vida e se tornarão dependentes.

Eles também terão um autoconceito ruim e até mesmo, talvez ruim. Eles vão pensar que cometer erros é uma coisa ruim porque “dói”.

Portanto, você não deve roubar a oportunidade de aprender com os erros, admitir que eles estão errados e dar-lhes a oportunidade e a satisfação de resolver os problemas.

Ensine seus filhos a fazer as coisas da melhor maneira possível e a serem responsáveis ​​por suas ações. Dessa forma, eles podem ter uma visão saudável dos erros e perceberão como são úteis, agradecerão a vida toda e se sentirão mais à vontade consigo mesmos. Coragem!

Fonte indicada: Eresmamá
Imagem de capa: Pexels

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here