De acordo com uma antiga e bela lenda Sioux para um casal viver e ser feliz, os dois membros devem voar juntos lado a lado, mas nunca amarrados, nunca sendo escravos. Porque o amor verdadeiro não aprisiona, mas liga dois indivíduos no mesmo projeto sem qualquer um ter que desistir de seu próprio eu, sua própria identidade.

É curioso como a antiga sabedoria dos nativos americanos continua até hoje, inspirando-nos com suas histórias, suas lendas momentos mágicos, mas sempre capaz de promover em nós um rastro valiosa nos dizendo fatos que de alguma forma continuando úteis e significativos. Entre toda essa antropologia do conhecimento, quase sempre os Sioux contribuíram com mais gratidão para seu vasto tesouro cultural.

“Um por um, somos todos mortais. Juntos somos eternos.” -Apuleyo-

Devemos a eles essa lenda dreamcatcher, e este presente a eles, bem como uma fábula em que nos é dado uma lição simples, mas enfático sobre como estabelecer um casal estável e feliz é construído. Por sua vez, e como uma questão de interesse, deve-se lembrar que temos ao nosso alcance do livro “Contos e Lendas dos índios Sioux” de Zitkala-SA.

Este autor interessante foi o primeiro sioux indiano educado no Ocidente, também defendem as tradições de seu povo, violinista e ativista lugar. É ela que nos deu a parte do século XX do seu patrimônio cultural através de alguns textos simples, enquanto maravilhoso, onde é essa lenda delicioso em que agora quer se aprofundar.

Amor, o indivíduo e o casal para os Sioux

Uma velha lenda conta que um jovem casal de índios Sioux veio uma manhã visitar o xamã de sua cidade. Eles viviam perto de Paha Sapa, a atual Black Hills, considerada sagrada para esta cidade. O jovem era um bravo guerreiro, e em seu coração honrado e nobreza vivia igualmente. Em Nuvem Alta, a menina com olhos oblíquos e cabelos abundantes, ela também brilhou a decisão e acima de tudo, aquele profundo amor pelo qual ela seria seu marido.

A razão pela qual eles decidiram visitar o xamã foi muito importante para eles: eles estavam com medo, temiam o compromisso deles, que o amor devoto e firme que agora professavam iria quebrar de alguma forma. Temiam até morrer e não poder estar no futuro. Eles queriam que o velho feiticeiro lhes desse um remédio, um feitiço ou um feitiço para tornar seu amor eterno.

O desafio

O velho xamã olhou para os dois por um momento, com o rosto aquilino e a frutificação de anos. Ele fumou alguns cachimbos, franziu a testa, limpou a voz e pegou a mão da garota:

– Se você quiser manter seu amado ao seu lado por um longo tempo, você deve empreender uma viagem. Não será fácil, eu te aviso. Você vai subir a colina que você vê lá no fundo e você vai caçar com suas próprias mãos um falcão, o mais forte, o mais bonito. Depois, você deve trazê-lo aqui vivo no terceiro dia após a lua cheia.

Então o xamã virou-se para o jovem guerreiro.

– Quanto a você, você deve saber que sua tarefa será tão complexa e sacrificial. Você tem que escalar a montanha mais alta da nossa cidade e caçar uma águia. O mais bonito, o mais vigoroso, o mais selvagem. Você deve trazê-la aqui no mesmo dia que a sua amada.

O resultado

A jovem Sioux e seu amante cumpriram o desafio proposto pelo velho xamã. Ela estava carregando um falcão em uma bolsa de pele. O jovem guerreiro carregou sua águia. O mais lindo, o mais forte. Quando chegaram ao velho feiticeiro, ambos perguntaram qual seria o próximo passo: Sacrificar os pássaros e nos banhar com seu sangue, talvez? “Eles perguntaram.

– Agora você deve fazer o que eu digo: pegue os pássaros e amarre-os com uma tira de couro pelas pernas. Então aquele está amarrado ao outro e vice-versa. Depois, você deve liberá-los para voar livre.

Quando ambos cumpriram a ordem, ficaram atordoados e sem palavras para ver o resultado. Quando os dois pássaros tentaram decolar, tudo o que podiam fazer era cair de novo e de novo. Frustrados e cheios de raiva, eles começaram a bicar um ao outro.

O velho xamã foi até eles e os libertou. Este é o feitiço que vou lhe dar: aprenda o que você acabou de ver. Se você amarrar um ao outro, mesmo com amor, a única coisa que você vai conseguir é se arrastar, machucar e ser infeliz. Se você quer que seu amor dure: voe alto, mas nunca amarrado. Porque o amor verdadeiro une, mas não se liga.

O casal emocionalmente ecológico: juntos, mas nunca amarrados

“Juntos, mas não amarrados” por Jaume Soler e Mercè Conangla é outro livro igualmente interessante que se aprofunda nesta ideia central que nos dá a antiga lenda Sioux. O que esses autores propõem é que somos capazes de construir o que eles chamam de “ecologia emocional” adequada.

No complexo desafio de fortalecer uma relação de casal estável, feliz, maduro e enriquecedor, é necessário equilibrar forças e espaços e criar uma alquimia onde “ser um sem deixar de ser dois”. É necessário, por sua vez, nunca perder o território da identidade, o espaço do amor-próprio, o jardim da autoestima e aquela sala privada onde nossos sonhos e tudo o que nos define vivem.

Por outro lado, e para concluir, também deve ser lembrado que essa lenda e o próprio princípio da ecologia emocional, podem ser aplicados a qualquer tipo de relacionamento, seja em uma amizade ou mesmo em uma relação paterno-filial. Porque afinal de contas, em qualquer união somos obrigados a salvaguardar espaços individuais para preservar a magia dessa aliança.

Vale a pena lembrar disso.

Traduzido do site La Mente es Maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here