O amor da mamãe e do papai pelo bebê é expresso da maneira mais surpreendente. A conexão que se estabelece entre eles é tão íntima que são sempre as próprias emoções que nos guiam, que nos fazem entender o que nossos pequeninos balbuciam, são nossos tradutores daquela primeira língua estranha e deliciosa.

Temos certeza de que em mais de uma ocasião aconteceu o seguinte: você está com mais pessoas, amigos ou parentes e, de repente, seu bebê começa a falar, a emitir sons aleatoriamente de maneira muito enfática. Logo, aqueles parentes que riem perguntam, mas o que ele estará dizendo?

É quando você quase não sabe como, naturalmente, você age como um tradutor, como um intérprete efetivo desses sons, daqueles gestos, gritos e pequenos sons. Eles podem acreditar em você ou não, mas você sabe o que seu filho diz porque você o conhece, porque você lê seus gestos, você entende suas emoções, sua aparência e suas intenções.

Juntos vocês criaram um pequeno universo de significados onde nada lhe escapa, e por sua vez, você age como um guia para que esses sons sejam, pouco a pouco, frases articuladas, coerentes e que moldarão e construirão uma linguagem válida e eficaz com o para se conectar com o seu mundo.

É uma tarefa fabulosa que, sem dúvida, tem origens curiosas …

O “dialeto” da mamãe me ajuda a aprender

Jenn Berman, uma psicoterapeuta familiar e especialista em comunicação e dinâmica dos pais, escreveu recentemente um livro realmente interessante: “Super bebê”, na editora Everest. Neste trabalho nos é dito algo tão particular como incrível, e isso é que as mães, sabem muito bem como e como se comunicar com seus bebês.

. Os especialistas diferenciam entre a “linguagem infantilizada” e o “dialeto mãe”.

. A maioria de nós quando fomos para um menino que não sabe falar, fazemos isso através dessa linguagem ingênua, que inclui muitas repetições de sílabas, como “ta-ta-ta”, “gu-gu”…

. Acredite ou não este tipo de comunicação infantil e queijo não funciona, não ajuda tanto quanto o outro empregando a mãe ou o pai que gasta bastante tempo com o seu bebé saber instintivamente como falar com seus bebês.

. O “dialeto da mãe” – também do pai – faz uso de uma comunicação normal, mas com um tom agudo e um discurso mais lento e lento.

. O que eles fazem de maneira natural é “modelar”, cuidar da inflexão e fazer uso de uma comunicação real, onde não se limita à repetição de monossílabos.

. Eles usam um timbre de voz ajustado à frequência do bebê e também pronunciam “exagerado” para que o bebê possa discriminar os sons.

Mamãe me entende: ligação emocional

Algumas pessoas limitam-se a falar sobre o instinto maternal e aquela explosão hormonal que quase magicamente parece transformar a mulher que acaba de se tornar mãe.

No entanto, a ligação emocional não surge automaticamente apenas para dar à luz. É algo mais profundo, algo que na verdade também surge sem a necessidade de gestar uma criança…

Eu te entendo porque você faz parte do meu coração

Às vezes, basta olhar para os olhos do seu filho para perceber seu medo, sua fome ou até mesmo algum tipo de desconforto que não hesita em atender e resolver.

. O instinto materno e paterno surge do contato cotidiano, da proximidade, das noites sem dormir, daquele caráter que estamos adivinhando no bebê, por suas particularidades, suas reações, suas necessidades…

. Tudo isso vai refletir, mais cedo ou mais tarde, em seus balbucios, em suas fofocas, em todas as vezes que ele fica excitado quando você dá a ele seu brinquedo favorito, quando ele quer tocar isso, que você traz para ele aquele outro…

. A comunicação do bebê surge por imitação, mas também por interações emocionais, aquelas que você favorece, aquelas que você entende…

Sons cheios de emoções

Cada balbucio, cada soluço, grito de emoção ou aquela primeira “mãe” ou “pai” surge do boato de emoções que ocorrem em um ambiente facilitador.

. Para maiores estímulos, reforços, para maiores emoções positivas, a comunicação será cada vez mais efetiva. No entanto, não devemos “ficar obcecados” com a possível lentidão na fala de nossos filhos: cada criança tem seus tempos, cada criança segue um ritmo em seu processo maturacional.

. O que eles precisam acima de tudo é o nosso amor, que continuamos a dar-lhes confiança, tranquilidade e encorajamento com base em comunicação constante e calma, estimulante mas acessível.

A mãe sempre entende e entenderá o seu pequeno e o pai sempre estará lá para agir como tradutor, porque ambos são os melhores canais para facilitar uma comunicação cada vez mais hábil e bem-sucedida na criança.

Fonte indicada: Eresmamá, traduzido por A Soma de Todos os Afetos

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here