Eu me propus a investir em mim para garantir que a partir de hoje ninguém me tire o desejo, o incentivo, o sorriso. Eu digo “não” para deixar alguém, seja quem for, me desencorajar. A partir deste momento, não importarão as nuvens cinzentas, os trens que estão atrasados ​​ou as pedras que querem aparecer na estrada, porque meu dia é só meu, minha vida me pertence e decidi vivê-la com otimismo.

Assumir essa abordagem pessoal, essa mensagem carregada de abertura, resistência e motivação não é exatamente fácil. Como explica Richard Lazarus, um dos maiores especialistas em estresse e ansiedade, a cada dia surgem as mais variadas situações e caprichos impossíveis de controlar em grande parte daqueles que nos enchem de contradições, daqueles que nos causam stress, desânimo e até frustração.

Por outro lado, como todos sabemos, o desânimo pode ter origens múltiplas: uma palavra imprópria do nosso parceiro, um comentário crítico do nosso chefe ou mesmo aquele contexto social e político que nos rodeia, tão quebrado e às vezes circo , nos faz desligar o desejo e até mesmo o otimismo em um dado momento. Que isso aconteça é normal, desde que a frequência não o torne habitual, nem que a intensidade seja causada por um terremoto de uma escala muito grande.

Não podemos esquecer que o desânimo de ontem, somado ao desânimo de hoje, está criando fundamentos. Assim, e se permitirmos que o substrato se acumule dia após dia no palco de nossa mente, o que acontecerá é alimentarmos o demônio do desamparo e, com ele, a depressão em si. No entanto, há boas notícias, porque existe um remédio sensacional para evitar que isso aconteça: aprender a pensar melhor.

Quando o desânimo resulta em baixa autoestima

Há pessoas que têm essa capacidade, essa distinção particular: a de “roubar os espíritos”. Fazem isso de maneira natural, às vezes sem perceber e às vezes de maneira declarada, com traição. Por exemplo, esta prática é bastante comum em muitas famílias, onde os pais dão forma a uma parentalidade e a uma educação baseada no desprezo, para diminuir os esforços, gostos e iniciativas das próprias crianças.

São dinâmicas que minam completamente o desenvolvimento psicossocial e emocional das crianças. Práticas em que é comum ouvir frases como “você nunca será bom o suficiente para isso ou aquilo” ou “com esse seu personagem você não vai querer ninguém”. O mais complexo dessas situações é que chega um momento na vida dessa criança já se tornou um adolescente, que já não precisam ouvir essas mensagens de suas famílias para viver instalado permanentemente no jardim de desânimo.

A própria mente já as cria e as codifica naturalmente, tendo uma voz interna devastadora que repetirá aquela de “você não pode, você não sabe, você não merece”. Você não vai precisar de alguém tão desanimado, porque algumas coisas são tão eficazes como a própria auto-crítica, nada é tão perigoso, afinal, como que a educação disfuncional incentiva a construção de baixa auto-estima.

Assim, é muito possível que existam muitas pessoas que se identificam com essa mesma situação, com essa mesma ferida interna pela qual todas as suas oportunidades escapam porque se sentem válidas, capazes de aspirar e alcançar o que querem.

Devemos entender, portanto, que não é apenas necessário remover o poder de todos que nos desencorajam, a quem vem com a vontade clara de extinguir nossa luz, nossa alegria e integridade. É necessário, por sua vez, fazer uma jornada interior para mudar o discurso interior daquela voz crítica que ousa nos invalidar, aquele inimigo de nossa mente que também se atreve a nos dizer que não valemos a pena ser felizes.

Três chaves simples para que nada e ninguém te desencoraje

Muito recentemente, uma equipe de psicólogos britânicos liderada por Andrew Lane desenvolveu uma técnica motivacional simples que mais tarde seria transmitida pela BBC em um de seus programas científicos. A estratégia em si pode parecer muito elementar; No entanto, não se engane, porque na realidade nos obriga a colocar em prática uma série de dimensões psicológicas que não podem ser alcançadas em um dia ou dois.

Na verdade, eles são o resultado de um trabalho constante em que podemos lidar com a voz crítica do nosso interior e até mesmo com aquelas relações disfuncionais nas quais às vezes estamos imersos. Relacionamentos que, quase sem perceber, também nos roubam do espírito, do desejo e das perspectivas. Vamos ver abaixo quais são essas três chaves:

– O diálogo interno é a melhor estratégia para enfrentar todas as lacunas na nossa autoestima, para nos conscientizarmos de todas aquelas peças soltas que nos impedem de assumir o controle sobre nossas vidas. Além disso, a equipe de psicólogos britânicos estabeleceu que uma maneira de facilitar essa técnica era adicionando visualizações positivas em nossas mentes, onde podemos encontrar calma e um lugar seguro para nos encontrarmos.

– Para o diálogo interno e para a visualização nós agora adicionamos uma verbalização, uma frase motivadora e poder: “você é o chefe, você tem o comando e o controle, que ninguém te desanima, que ninguém tira esse poder”.

– O desânimo não é apenas superado deixando de lado aqueles que ousam nos contagiar com sua amargura ou críticas. Isso é importante ter em mente, porque o melhor remédio para que nada e ninguém nos desencoraje é planejar nossos sonhos, esclarecer objetivos, priorizar necessidades e desejos pessoais.

Afinal, quando você tem uma ilusão e motivação para alcançá-la, o que os outros dizem e fazem é irrelevante. Vamos, portanto, alimentar esse motor em nosso dia a dia, o que funciona graças a uma boa autoestima e a segurança de quem sabe o que quer em sua vida e o que e quem é melhor evitar.

“A felicidade depende da qualidade de seus pensamentos” -Marco Aurelio-

Traduzido e adaptado do site La Mente es Maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here