Quando falamos sobre relacionamentos, somos forçados a abordar a questão do desequilíbrio no amor. Não se trata de comparar a quantidade de amor que é dada e recebida, trata-se de comparar o bem-estar que é fornecido a cada uma das partes.

Dar e receber é uma arte, em princípio, devemos dar sem esperar algo em troca, mas no que diz respeito às relações sentimentais, é importante que o amor deva ser retribuído. Que embora dar nos preencha e nos satisfaça muito, o mais saudável é receber da outra pessoa aquilo em que podemos contribuir.

Nas relações em que apenas uma pessoa desfruta dos benefícios, aparecem as deficiências e daí surgem inconformidades, frustrações e ressentimentos.

Só sabemos o que merecemos, só podemos nos preparar para receber exatamente o que consideramos apropriado para nossa plenitude. É importante ter uma autoestima elevada, crenças adequadas que nos preservem e uma convicção de que somos capazes de dar o que de alguma forma esperamos do outro.

Não devemos cair na consideração das expectativas ideais, em que a outra pessoa atende às nossas necessidades, preenche nossas lacunas e ocupa posições que, em última análise, não correspondem. Nós mesmos temos a capacidade de satisfazer o que precisamos, temos os recursos necessários para tornar a vida tão colorida ou cinzenta quanto queremos e não podemos delegar a responsabilidade de nossa felicidade a outra pessoa.

Devemos rever quem somos, o que damos e o que podemos esperar. Nesta análise, é útil realizar um processo de cura que nos permita estar bem com nós mesmos, a fim de ter os critérios necessários para compartilhar uma vida como um casal. Devemos rever nossas crenças, devemos curar nossas feridas emocionais e, acima de tudo, nos sentirmos cheios de nós mesmos.

Através da auto realização, é muito mais simples do que pensamos merecer, porque assim nos tornaremos conscientes de que realmente não precisamos que outra pessoa se sinta confortável, realize nossos sonhos, alcance nossos objetivos ou nos tornemos a melhor versão de nós mesmos.

Desta forma, nos conectaremos com a outra pessoa sem necessidades, sem lacunas, sem apegos… O que nos permitirá sentir livre em um relacionamento e fazer a outra pessoa se sentir da mesma maneira … Amor em liberdade, onde a espontaneidade reina e o desejo real de fazer coisas além da compulsão é o amor real.

Tradução do site Rincón del Tibet

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here