Cada uma de nossas experiências determina de alguma forma algo em nosso futuro. Portanto, não é tão complicado entender que, se hoje estou indo muito bem no meu trabalho atual, poderia ter o mesmo cenário, de ter ficado confortavelmente no anterior.

Certamente não temos nenhuma maneira de verificar o nosso bem-estar nos infinitos cenários possíveis, no entanto, quando chegamos onde nós sentimos pertencer, conseguimos entender o porquê dos tropeços em experiências passadas.

Isso nos convida a sentir mais leveza em termos de trânsito através de diferentes experiências de vida e um pouco de confiança de que chegaremos onde deveríamos estar, mas para isso estaremos experimentando, vivendo, sentindo, nos preparando se quisermos, de alguma forma, para aquela estação correta, depois de ter visto tantos trens fecharem suas portas sem ter a possibilidade de embarcá-los.

Em todo caso, nossa atitude é sempre decisiva em nossas criações, não importa se a conhecemos ou não, se a entendemos ou não, se queremos ou não, sempre, entendemos SEMPRE, estamos criando nossas experiências de vida.

Então, independentemente de termos um certo plano, se há pontos onde devemos passar, se estamos criando nosso caminho de maneira aleatória, devemos levar em consideração que minha criação terá muito a ver com como me sinto, se me sinto mal, a vida será responsável por me dar mais experiências que entrem em sincronia com ela, se ao contrário, eu me sentir bem, também a vida, como um grande SIM, coletará as experiências que me mantêm nesse estado.

Crie o estado mais conveniente para você, concentre-se no que você quer, projete-se vivendo o que você gostaria, preste atenção ao que de alguma forma o perturba e pouco a pouco desaparecerá de sua vida… Tudo isso, reconhecendo sua vida no momento atual, que no final é a única coisa que todos nós temos, neste pequeno instante.

Não se dê uma vida ruim com o que você sente que não é para você, muitos trens passarão e isso não é certo ou errado, é apenas parte de um processo, aproveite cada estação de cada trem, de cada oportunidade e chegará o que você sente e, quando você estiver lá, você vai sorrir quando você perceber os trens passando, mesmo aqueles que deixaram você chorando.

Por: Sara Espejo – Rincón del Tibet, traduzido e adaptado por A Soma de Todos os Afetos

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here