Cada pessoa tem sua noção de amor, embora seja difícil separar-se completamente da imaginação popular. Na verdade, os filmes de Hollywood nos apresentam, de uma forma ou de outra, uma imagem idealizada do amor, uma imagem que está em nosso inconsciente e que determina nossas escolhas. Então, sem perceber, nós estamos buscando a “perfeição”, e quando percebemos o menor de problema na relação, pensando que escolhemos errado.

Claro, não há nada de errado em aspirar a encontrar uma pessoa que compartilhe nossos interesses e valores, que olhe na mesma direção. Na verdade, não devemos nos contentar com menos. Mas isso não significa aspirar à perfeição, entre outras razões, porque ela não existe.

Desfrutar de um amor cheio isso não precisa ser perfeito, mas autêntico. O amor precisa de um lugar para se abrigar, precisa tanto de existir e sobreviver, por isso, se cada uma das partes não se ama o suficiente, nenhuma delas será capaz de amar de outro.

O valor da autenticidade no casal

Autenticidade é simplesmente ser quem somos, não usando máscaras. Uma pessoa autêntica é uma pessoa congruente, que age de acordo com suas ideias e emoções. No entanto, na vida cotidiana, nem sempre é fácil ser autêntico, porque, às vezes, para nos adaptar, temos que incorporar papéis sociais que envolvem o uso de máscaras.

De fato, quando encontramos uma pessoa que nos atrai e tentamos impressioná-la mostrando nosso melhor lado, estamos usando uma máscara. E estamos tão acostumados a incorporar diferentes papéis que eles já fazem parte de nossas vidas e alguns até se esqueceram de seu próprio “eu”.

No entanto, em um relacionamento de casal, a falta de autenticidade é fatal porque envolve a interpretação contínua de um papel, o que é exaustivo.

Se você precisa desempenhar um papel com o seu parceiro é porque, no fundo, você acha que não vai aceitar ou amar o seu “eu” autêntico, então você prefere escondê-lo, ou pelo menos uma parte.

Obviamente, essa relação é estressante e, finalmente, não vai fazer você feliz como ele só despertará uma insatisfação profunda, a insatisfação de não ser capaz de ser você mesmo (a), porque você acha que vai ser julgado (a). É um sentimento muito desagradável que, antes ou depois, estraga o casal.

A falta de autenticidade também é desconfiança

De certo modo, não ser autêntico com o parceiro implica que não confiamos totalmente no outro, que temos uma ideia preconcebida disso e acreditamos que ele nos julgará negativamente. É por isso que preferimos esconder alguns aspectos do nosso verdadeiro “eu”.

Contudo, deste modo, não damos ao outro a oportunidade de decidir, de nos conhecer intimamente, com nossas virtudes e defeitos. Ao colocar essa barreira, também lhe enviamos o sinal de que não queremos conhecê-lo, por isso é provável que a outra pessoa se sinta rejeitada ou mesmo julgada.

Pelo contrário, quando as duas pessoas se comportam autenticamente, elas enviam uma mensagem muito clara: “você é importante o suficiente para eu interagir sem máscaras, para mostrar a você minha essência, sem medos”. Somente dessa interação pode surgir a aceitação total, que é o que dá lugar a um amor maduro e desenvolvedor.

Amar não é ser feito um para o outro, mas construir um ao outro

O mito da laranja significa que há alguém em algum lugar do mundo ideal para você. No entanto, na realidade, o amor não é encontrar aquela pessoa supostamente perfeita, feita à nossa medida, mas mudar ao longo do caminho, porque você está ciente de que esta é a pessoa que você quer ao seu lado.

Imagem de capa: Puung

Traduzido e adaptado do site Rincón Psicologia

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here