É bom ter pessoas em quem podemos confiar, pessoas que nos sustentam quando nossa força falha e nos encorajam a conquistar nossos sonhos. Necessitar dos outros não nos torna mais vulneráveis, pelo contrário, fortalece-nos, desde que não cometamos o erro de pensar que a outra pessoa nos pertence. A linha entre um relacionamento maduro e um relacionamento dependente e possessivo é muito sutil e muito fácil de ultrapassá-la.

A ilusão da exclusividade

No imaginário coletivo introduziram-se ideias diferentes que criaram uma ilusão de exclusividade: alma gêmea, o melhor amigo, a outra metade, o guia espiritual … Na verdade, todos são armadilhas linguísticas que nos levam a pensar que essas pessoas pertencem a nós, porque Elas são “destinadas” a nós.

Quando caímos nessa armadilha, esquecemos que em todo relacionamento há sempre duas pessoas e que ninguém pertence a ninguém. Encontrar a alma gêmea sozinha significa que conhecemos uma pessoa que atende às nossas necessidades emocionais e atende às nossas expectativas. No entanto, é necessário trabalhar nesse relacionamento todos os dias, certificando-se de dar e receber felicidade, caso contrário, a metade da laranja pode acabar se tornando a metade de um limão.

Idealizar o outro pode criar uma dependência emocional

Na realidade, não há parceiro ou amigo perfeito, apenas um relacionamento em que ambos devem investir tempo e esforço para dar os melhores resultados. É importante estar ciente disso para não idealizar o outro.

Idealizar alguém é um jogo muito perigoso porque tende a ser o prelúdio da dependência emocional. Se estamos convencidos de que a pessoa é feita à nossa medida, se estamos convencidos pela “ilusão da exclusividade” que se tornam dependentes, tudo isso irá criar uma assimetria prejudicial no relacionamento.

O problema em uma relação assimétrica é que a pessoa dependente geralmente acaba deixando de lado suas necessidades para satisfazer a outra, a ponto de conseguir apagar sua individualidade. Essa dependência não vai fazer você feliz, pelo contrário, muitas vezes gera o terrível medo de perder o outro, que dá lugar à inveja e à possessividade. Cometemos o terrível erro de restringir a liberdade da pessoa que amamos por medo de perdê-la, porque pensamos que ela nos pertence.

Como desenvolver relacionamentos maduros e enriquecedores?

Uma das passagens mais familiares do trabalho de Schopenhauer é a parábola dos ouriços, na qual ele se refere à sua visão das relações humanas.

“Durante um inverno particularmente frio, um grupo de ouriços se aproximou para se aquecer. No entanto, quanto mais perto eles ficavam, mais dor seus espinhos causavam ao ouriço próximo. Quando a dor era insuportável, ele os forçou a se afastar novamente.

Longe um do outro, eles sofreram o frio novamente, então eles tiveram que se aquecer novamente, eles se aproximaram e se machucaram novamente. Assim, eles aprenderam a encontrar a distância ideal, aquela em que poderiam se proteger o bastante do frio sem que seus espinhos danifiquem demais seu parceiro”.

Não há dúvida de que quanto mais próxima a relação estiver com alguém, mais provável é que essa pessoa nos cause danos, pois é emocionalmente significativa para nós. Afinal de contas, apenas aquilo a que damos importância, aquilo que deixamos entrar no nosso círculo mais íntimo, pode nos prejudicar. No entanto, quando nos distanciamos, provavelmente sentiremos o pulsar de angústia e vazio da solidão.

Portanto, nas relações interpessoais, seja um casal, amizade ou entre pais e filhos, é necessário encontrar a distância ideal. Erich Fromm referiu-se a um amor maduro, no qual cada pessoa compartilha com o outro o necessário para que ambos cresçam, desenvolvendo um relacionamento no qual cada pessoa mantém sua individualidade.

Portanto, é fundamental abordar todos os nossos relacionamentos, estando plenamente conscientes de que ninguém nos pertence. Devemos ser capazes de amar o suficiente para que essa pessoa seja livre em todos os momentos para ficar ao nosso lado ou sair. Temos que aprender a amar sem possuir e viver sem dependência.

Traduzido e adaptado do site Rincón Psicologia

Imagem de capa: Pexels

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here