Muitos de nós têm o mau hábito de querer controlar tudo, o que está em nossas mãos e o que não nos pertence. Evidentemente, como protagonistas e ao mesmo tempo diretores de nossa própria história, queremos dar um roteiro a cada um e criar os cenários que queremos para que cada cena se desenvolva como gostaríamos.

No entanto, apesar de podermos ter esse alcance, devemos ter em mente que há muitos diretores em simultâneo, todos criando suas vidas, fazendo seus planos, projetando seu próprio filme ao vivo. O que vai fazer com que muitas histórias não coincidam, que os cenários se sobreponham e que algumas coisas que queremos viver, nas quais outras pessoas estão envolvidas, simplesmente não aconteçam.

Não podemos forçar ninguém a ser um dos principais participantes da nossa história, todos são livres para lidar e direcionar seus sentimentos, então, no caso específico dos relacionamentos amorosos, devemos entender que não importa o quanto forçamos as coisas, eles não fluem pelo caminho natural se não houver os elementos que tornam uma união possível e sua manutenção no tempo, simplesmente não será.

Às vezes algumas pessoas cedem à pressão e às vezes até seus sentimentos podem mudar com o tempo e o que começou com pressão, acaba cheio de amor, mas para ser honesto, quando se trata do coração de outra pessoa é muito complicado.

Obviamente que todos nós temos o direito de ganhar o coração de alguém, para conquistar, para semear algumas terras que gostaríamos de ver florescer, mas as coisas devem ter um limite, não podemos gastar nossas vidas, oferecendo o nosso amor, a nossa atenção e nossa energia para quem não está disposto a retribuir por ela ela, para quem não mostra intenções de ser recíproco. Mas às vezes não sabemos distinguir quando já foi o suficiente.

Nós nos concentramos em questões de amor, porque eles tendem a exigir mais emocionalmente, no entanto, aprender a não forçar as coisas gera um grande ganho no nível de energia e no nível de tempo. Todos nós devemos aprender a deixar as coisas fluírem quando elas correspondem e parar de interferir no processo.

Se algo vai ser, não é necessário que o levemos até o local de destino, que algo será direcionado de maneira natural, fluindo com todos os elementos envolvidos. Assim, escolhemos relaxar, ouvir a nós mesmos, olhar além do óbvio e concentrar nossas energias no que realmente merece.

Vamos pensar sobre o que queremos sem colocar um nome, sem colocar rostos, sem colocar horas, muitas vezes o que queremos é tão próximo, mas não vem da fonte que pensávamos e porque somos rotulados com algo muito específico, simplesmente não conseguimos enxergá-lo.

Por: Sara Espejo – Rincón del Tibet, traduzido e adaptado por A Soma de Todos os Afetos

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here