Talvez seja maturidade, anos ou mesmo resignação, mas sempre chega um momento em que percebemos que há argumentos que não valem mais a pena. É então quando preferimos optar por aquele silêncio que se cala e sorri, mas que nunca demonstra aquilo que compreende, enfim, que é inútil dar explicações àqueles que não querem entender.

No entanto, apesar do fato de que muitas vezes se diz que argumentar é uma arte em que todos têm o direito de falar, mas muito poucos de julgar, na realidade, é um problema que vai além disso. As discussões, por vezes, são como uma partitura em que a música está fora de sintonia, onde nem sempre é ouvida e em que todos querem estar certos ou a voz.

Às vezes, é uma prática extenuante. Há discussões que já são batalhas perdidas antes de começarem. Pode ser anos ou fadiga simples, mas há coisas que eu não quero falar mais …

Uma boa parte da psicologia e filosofia nos ensinou estratégias para ter sucesso em qualquer discussão. Bons argumentos, o uso de heurísticas ou uma gestão emocional apropriada seriam alguns exemplos disso, mas … E se o que estamos procurando não for iniciar certas discussões que já damos para as perdas desde o começo?

Discussões e discursos que não são mais importantes para nós

A maturidade não depende da idade, mas de alcançar esse estágio pessoal em que não desejamos mais nos enganar, onde lutamos por um equilíbrio interno onde cuidamos de nossas palavras, respeitamos o que ouvimos e meditamos em cada aspecto que escolhemos manter em silêncio.

É quando estamos cientes de quais aspectos merecem nosso esforço e qual a distância. É possível, por exemplo, que nosso relacionamento com um parente próximo tenha sido complexo há alguns anos, tanto que manter uma conversa simples era como cair sem paraquedas no abismo da tensão, dos argumentos e dos maus momentos.

Agora, porém, tudo isso mudou, e não é porque nosso relacionamento melhorou, mas porque há uma aceitação de nossas diferenças. Nós optamos por um silêncio que não concede, nem é permitido superar, mas que é respeitado.

Eran Halperin é um psicólogo israelense especializado em discussões e resolução de conflitos na arena política, cujas teorias podem ser perfeitamente aplicadas ao ambiente cotidiano. Como ele explica, as discussões mais complexas e acaloradas têm como componente psicológico a “ameaça”, a sensação de que alguém pretende violar nossos princípios ou nossas essências.

O amadurecimento também está tendo uma confiança interna adequada para considerar que certas pessoas e seus argumentos não são mais uma ameaça para nós.

Quem antes nos enervou com suas palavras agora não nos assusta nem nos deixa com raiva. Respeito, aceitação do outro e que a auto-estima que nos protege são nossos melhores aliados.

A arte de discutir com inteligência

Nós já sabemos que há discussões para as quais não perderemos nossa calma ou nossas energias. Mas também entendemos que a vida é negociar quase todos os dias para poder conviver em harmonia, manter aquela relação afetiva, atingir objetivos em nosso trabalho e até, por que não, chegar a acordos com nossos filhos. As discussões não estão isentas em nenhuma dessas áreas.

Aprender a ouvir é natural, mas saber ouvir é vital.

A arte de discutir de forma inteligente e sem efeitos colaterais requer não apenas uma estratégia hábil, mas uma gestão emocional adequada que todos nós devemos saber aplicar em nosso meio imediato. Nós convidamos você a ter em mente essas chaves simples.

As chaves

Um dos primeiros aspectos que devemos ter em mente é que as discussões não terminam necessariamente com um vencedor, a arte de discutir efetivamente requer a sutil sabedoria de permitir que ambas as partes cheguem a um ponto de confluência, a algum entendimento. Algo assim só pode ser alcançado da seguinte maneira:

Ouvir não é o mesmo que escutar. Nenhum diálogo será eficaz se não formos capazes de aplicar uma “escuta” empática adequada.

A poderosa capacidade de entender a perspectiva da outra pessoa. É algo que requer grande esforço e uma vontade adequada, mas é essencial compreender a mensagem e a visão particular de quem temos diante de nós.

Devemos evitar ficar na defensiva. Aqui a ideia proposta por Eran Halperin entraria novamente: no momento em que nos sentimos ameaçados, a discussão se torna agressiva e as paredes pessoais de cada uma aparecem. O entendimento nunca pode acontecer.

Autocontrole É essencial implantar uma gestão adequada de nossas emoções. Devemos controlar acima de tudo, inimigos como raiva ou raiva. São bombas-relógio que gostam de estar presentes em muitas discussões.

Confiança. É importante confiar que, finalmente, nos entenderemos. Para fazer isso, devemos colocar será próximo e respeitoso e usar termos como “Eu entendo”, “Eu sei que isso é verdade”, “possível” … Estas são todas as portas para a compreensão, pequeno e limiares delicados para que Eu acho onde todos nós podemos ganhar.

Porque as discussões que valem a pena são aquelas que nos permitem chegar a acordos para coexistir em equilíbrio e felicidade.

Tradução do site lamenteesmaravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here