“No amor existe o paradoxo de dois seres que se tornam um e, no entanto, ainda são dois”, escreveu o psicólogo Erich Fromm, referindo-se à necessidade de compartilhar, mas, ao mesmo tempo, manter a individualidade relação de casal.

O poeta e filósofo Kahlil Gibran acrescentou: “Ame a si mesmo, mas não transforme o amor em uma prisão. É melhor que seja um mar que se move entre as bordas de suas almas”.

Infelizmente, muitas vezes sentimos um amor possessivo que acaba se destruindo. O desejo de possuir e controlar o outro acaba queimando o oxigênio psicológico que todo relacionamento precisa para sobreviver.

Quando o amor não permite o crescimento, mas exige o sacrifício da identidade no altar do “nós”, não é amor, mas posse. E está condenado ao fracasso ou à insatisfação permanente daqueles que permanecem presos nessa rede.

Torne-se o guardião da solidão daqueles que amamos

Quando amamos, precisamos aprender a dar espaço ao outro. Esse ato é, talvez, o único que pode salvar um relacionamento, fazê-lo prosperar com o tempo e, acima de tudo, garantir que esse elo seja terreno fértil para que ambos possam crescer. Precisamos reconciliar nossa necessidade de união com nossa necessidade de separação.

Como conseguir isso? No início do século XX, o poeta Rainer Maria Rilke já nos ofereceu uma solução para quebrar a aparente dicotomia entre possessão e liberdade que geralmente ocorre nos relacionamentos:

“Esta é a tarefa mais importante para manter um vínculo entre duas pessoas: que cada um se torne o guardião da solidão do outro.

Uma vez que aceitamos que existem distâncias infinitas entre os seres humanos mais próximos, uma vida maravilhosa pode crescer ao lado do outro, se eles conseguirem amar a distância entre eles, o que torna possível para cada um ver o outro através de um céu aberto.

O amor será por muito tempo e ao longo da vida, solidão, lembrança prolongada e profunda para quem ama. Amar, acima de tudo, não é nada que signifique fugir de si mesmo, doando-se e juntando-se a outro, por que o que seria a união de alguns seres ainda obscuros, incompletos, confusos? Amar é uma oportunidade sublime para o indivíduo amadurecer, tornar-se algo em si mesmo”.

Este poeta nos dá uma visão diferente do amor. Não implica amar alguém apenas pelas coisas que temos em comum, mas também por aquelas que não compartilhamos e que nos diferenciam. Significa amar não apesar das diferenças, mas também das diferenças amorosas. “Eu tenho que conhecer a outra pessoa e a mim mesmo objetivamente, para poder ver a realidade deles, ou melhor, deixar de lado as ilusões, minha imagem irracionalmente deformada disso”, escreveu Fromm. Obviamente, isso também significa que não devemos tentar modelar o outro à nossa imagem e semelhança, mas nos tornarmos os guardiões daquelas diferenças que nos tornam únicos.

Erich Fromm já havia dito: “em contraste com a união simbiótica, amor maduro significa união com a condição de preservar a própria integridade, a própria individualidade”. Respeitar a individualidade, bem como a necessidade de solidão, são as bases para construir um relacionamento sólido e maduro ao longo do tempo em que ambas as pessoas possam crescer juntas, mas cada uma em seu próprio sentido, e se sintam à vontade.

Esses princípios não são válidos apenas no casal, mas se aplicam a qualquer relacionamento próximo ou qualquer vínculo que você queira manter ao longo da vida, seja entre amigos, irmãos ou entre pais e filhos.

Imagem de capa: Pexels

Traduzido e adaptado do site Rincón Psicologia

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here