As feridas emocionais da infância predizem em grande parte dos casos como nossa qualidade de vida se transforma quando somos adultos. São como lesões psíquicas, como fragmentos soltos e mal curados que nos impedem de levar uma existência plena e até mesmo enfrentar os pequenos problemas da vida cotidiana com maior facilidade e resistência.

Os sinais dessas feridas psicológicas tendem a ser evidenciados de maneiras infinitas. Ansiedade, pensamentos obsessivos, maior vulnerabilidade a determinados transtornos, problemas de sono, atitude defensiva …

Não é fácil lidar com um passado traumático, no entanto, é ainda mais quando essas marcas se originaram em uma idade precoce. Naquele primeiro estágio da vida de uma criança, onde ele ainda carece de estratégias pessoais para gerenciar e entender certas dimensões.

“Lembre-se de que seu corpo físico é um reflexo direto do estado de seu ser interior” -Lise Bourbeau-

Então, de alguma forma, é muito comum que sempre haja 5 tipos de experiências dolorosas ou feridas emocionais da infância que acabam deixando uma impressão muito evidente em nossa personalidade.

Vamos ver abaixo quais são as nossas feridas, definidas por Lise Bourbeau, a conhecida especialista em coaching e crescimento pessoal:

1. Feridas emocionais da infância: o medo do abandono

A solidão é o pior inimigo daqueles que sofreram abandono na infância. Portanto, é comum na idade adulta experimentar um medo constante de viver novamente essa falta. Daí, por exemplo, uma alta ansiedade a ser abandonada pelo casal, pensamentos obsessivos e até mesmo comportamentos que não são ajustados pelo alto medo de experimentar aquele sofrimento mais uma vez.

Além disso, estudos como o realizado pelo Dr. Sharlene Wolchik na Universidade do Arizona e publicado no Journal of Abnormal Psychology Child nos explicam que é precisamente o medo de ser abandonada, resultando em grande parte pelos rompimentos de um casal. São situações em que apenas a angústia e o medo continuam a viver, algo que gera alta dependência e pressão sobre a outra pessoa. São situações muito complexas para lidar em muitos casos.

Pessoas que tiveram as dores emocionais do abandono na infância terão que trabalhar seu medo da solidão, seu medo de ser rejeitado e as barreiras invisíveis ao contato físico.

A ferida causada pelo abandono não é fácil de curar, nós sabemos. Assim, você mesmo estará ciente de que começou a curar quando o medo de momentos de solidão desaparece, e neles um diálogo interno positivo e esperançoso começa a fluir.

2. O medo da rejeição

O medo da rejeição é uma das mais profundas feridas emocionais da infância, porque implica a rejeição do nosso interior. Com interior nos referimos a nossas experiências, nossos pensamentos e nossos sentimentos.

Em sua aparência, múltiplos fatores podem influenciar, como a rejeição de pais, familiares ou colegas. Gera pensamentos de rejeição, de não ser desejado e de desqualificação para consigo mesmo.

A pessoa que sofre de medo de rejeição não se sente digna de afeto ou compreensão e se isola em seu vazio interior. É provável que, se sofremos isso em nossa infância, somos pessoas indescritíveis. Portanto, devemos trabalhar nossos medos, nossos medos internos e aquelas situações que nos geram pânico.

Se for o seu caso, cuide do seu lugar, arrisque e tome decisões por si mesmo. Cada vez que você vai se incomodar menos quando as pessoas se afastarem e você não vai encarar como algo pessoal que eles esqueceram de você em algum momento.

3. Humilhação

Essa ferida é gerada quando, no momento, sentimos que os outros nos desaprovam e nos criticam. Podemos gerar esses problemas em nossos filhos, dizendo-lhes que eles são desajeitados, maus ou pesados, bem como transmitindo seus problemas diante dos outros; Isso destrói a autoestima da criança.

As feridas emocionais da infância relacionadas à humilhação geralmente geram uma personalidade dependente. Além disso, podemos ter aprendido a ser “tiranos” e egoístas como um mecanismo de defesa, e até mesmo humilhar os outros como um escudo protetor.

Tendo sofrido este tipo de experiência requer que trabalhemos nossa independência, nossa liberdade, a compreensão de nossas necessidades e medos, bem como nossas prioridades.

4. Traição ou medo da confiança

O medo de confiar nos outros surge quando a criança se sente traída por um dos seus pais. Dimensões como quebrar promessas, não proteger, mentir ou não estar por perto quando um pai ou mãe é mais necessário, causam feridas profundas. Em muitos casos, este sentimento de vazio e desespero transformado em outras dimensões: desconfiança, frustração, raiva, inveja que os outros têm baixa auto-estima …

Tendo sofrido uma traição na infância constrói pessoas controladoras e que querem ter tudo amarrado e amarrado. Se você sofreu com esses problemas na infância, é provável que você sinta a necessidade de exercer algum controle sobre os outros, o que geralmente é justificado com um caráter forte.

Essas pessoas geralmente confirmam seus erros pelo modo de agir. Curar as feridas emocionais da traição requer trabalhar com paciência, tolerância e saber viver, além de aprender a ficar sozinho e delegar responsabilidades.

5. Injustiça

A injustiça como uma ferida emocional origina-se num ambiente em que os principais cuidadores são frios e autoritários. Na infância, uma demanda excessiva e além dos limites gerará sentimentos de ineficácia e inutilidade, tanto na infância quanto na idade adulta. Um autor especialista sobre este tema é, sem dúvida, Yong Zhao, um respeitado acadêmico de educação.

De acordo com Zhao, como ele explica em uma de suas obras, o autoritarismo em casa e na educação em si afeta tanto o desenvolvimento psicológico e emocional, assim como o potencial e desempenho dos próprios filhos. Quando nossos direitos são vetados e não recebemos apoio, consideração e uma proximidade emocional válida e significativa, sérios ferimentos psicológicos aparecem sem dúvida.

As consequências diretas da injustiça no comportamento do sofredor serão a rigidez, a baixa autoestima, a necessidade de perfeccionismo, bem como a incapacidade de tomar decisões com segurança.

Nesses casos, é importante trabalhar a autoestima, o autoconceito e a rigidez mental, gerando a maior flexibilidade possível e permitindo-se confiar nos outros.

Agora que conhecemos as cinco feridas emocionais da infância que podem afetar nosso bem-estar, nossa saúde e nossa capacidade de nos desenvolver como pessoas, podemos começar a curá-las.

Traduzido do site La Mente es Maravillosa

Imagem de capa: Pexels

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here