Nasci no Chile e, desde que me lembro, o salário dos parlamentares tem sido objeto de debate e até de raiva e raiva da parte dos cidadãos. Dizem que são extremamente altos e acima de tudo, muito longe da normalidade de outras profissões. Além das centenas de benefícios que os outros nunca poderão acessar.

É por isso que saber que na Suíça deputados como Guy Mettan chegam de scooter ao Parlamento porque não têm carros oficiais, nem se beneficiam de nenhum transporte especial. Ou do senador Joachim Eder, que exigiu que não se concedam mais diárias aos parlamentares se eles não passassem a noite fora de casa, pelo menos chama a atenção. É que a situação na América Latina é muito diferente.

Eles nem sequer recebem ajuda com questões de moradia e, quando terminam seu mandato de quatro anos, os deputados não têm acesso à aposentadoria. Também não é permitido que eles contratem parentes – como no Chile, que o primo do presidente ocupa um alto cargo no governo – e todo mês eles recebem um ingresso para duas refeições de US$ 40 cada.

No melhor cenário, os deputados poderiam ganhar um salário anual de 51 mil dólares. Isto é, se participarem de todas as sessões, porque o que recebem depende do número de horas trabalhadas.

Até mesmo seu salário poderia ser menor que a média de um mecânico, um secretário ou um carpinteiro. Mas é equivalente ao que um açougueiro ganha, por exemplo.

Little swiss town with gothic church on Lake Lucerne and Alps mountain, Switzerland.

Para um deputado “normal”, o salário é muito inferior ao do Presidente do Parlamento. Por ano, eles recebem cerca de 30 mil dólares, o mesmo que um artista de circo ou um ajudante de cozinha. E menos que um professor, que pode ganhar 100 mil dólares no primeiro ano.

É por isso que para muitos, a Suíça é um exemplo na política. Os políticos de lá são pessoas que desempenham funções públicas, mas não vivem nelas. Os parlamentares que compõem a Assembleia Federal cobram uma pequena quantia de dinheiro por tarefas específicas de seu cantão e sem abrir mão de atividades de natureza privada, como outros empregos.

Soa como uma exceção, e eles ter orgulho do prestígio de sua democracia perante outros países.

Traduzido do site UPSOCL

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here