Como é fácil amar uma pessoa por sua beleza (interna e externa), quando sua saúde é excelente, quando ele é próspero, quando ele é apaixonado, quando o consideramos digno de confiança e, acima de tudo, quando ele é feliz. Todos podem fazer isso. Mas amar o lado sombrio, compreendê-lo, aceitá-lo, ajudá-lo a superar seus medos, seus fracassos, suas dúvidas, suas doenças e sua pobreza, é o verdadeiro desafio que poucos podem alcançar.

“Será que, em caso de amor, o bem e o mal não andam de mãos dadas? O amor só tem a parte boa das coisas?”

Eu não acredito! E você sabe por quê? Porque todos, ou pelo menos a maioria, uma vez em nossas vidas, passamos por aqueles dias em que acordamos tão insuportáveis ​​que não podemos nos colocar de pé. Há também dias em que a tristeza nos envolve e acordamos com chuva nos olhos e pequenos colapsos na alma. Ou simplesmente, há aqueles dias que eu chamo de “pausa”, em que a apatia nos toma e não temos vontade de nos levantar. Onde levantamos o queixo e o céu parece tão distante. Ou quando a criança interior reaparece dizendo que temos dentro, mas nunca dizem que às vezes estão machucados.

E todos são momentos em que nos sentimos vulneráveis ​​e desamparados e, de alguma forma, tentamos escapar até de nossos sentimentos, porque não sabemos como lidar com eles ou porque tememos enfrentar a nós mesmos. E tudo o que acontece no nosso lado mais obscuro, não é culpa do nosso parceiro, mas de todos. No entanto, muitas vezes (inconscientemente ou não intencionalmente) nós os ferimos com nossas atitudes, forçando-os a reagir como um animal ferido.

É verdade que há momentos em que usamos nossa energia muito pouco positivamente e não percebemos o que estamos fazendo e como os outros nos percebem com nossas atitudes. Criamos barreiras, distância e muitos problemas.

Talvez eu seja um pouco louco, mas acho que precisamos ser mais humanos, porque a partir dessa perspectiva, percebemos que, quando nos sentimos vulneráveis, gostaríamos menos de ser julgados. Mas, pelo contrário, coloque-se por um momento no lugar do outro e veja que são momentos em que mais precisamos de ternura e cuidado para deixar nosso refúgio; esforço para entender nossas circunstâncias e, assim, nos dar um incentivo eficaz que nos permita desenvolver nossa coragem e sabedoria.

E essa é precisamente a chave para tudo, esse é o segredo dos casais duradouros: eles são empáticos. Eles protegem uns aos outros nos momentos mais vulneráveis ​​que cada um passa, eles cuidam um do outro do fundo de seus corações. Eles sabem que o amor é um compromisso que é selado nos dias da provação, que, apesar de quão difícil pode ser amar esse lado sombrio de seu parceiro, com vontade você pode resolvê-lo. E é assim como o dia e a noite andam de mãos dadas, no amor o bem e o não tão bom também.

Mas cuidado: quando sabemos que há pessoas que não mostram o seu menos bonito, que sob nenhuma circunstância a gente permita os egoístas, o infiel, o doloroso, o vicioso, o cruel e o ingrato e alguns adjetivos que poderíamos imaginar. Esses tipos de pessoas não merecem nenhum entendimento e, muito menos, ser amados. É injusto e um grande desperdício de tempo investir energias tentando ser pacientes e amorosos com elas, porque regularmente elas nunca mudam. Não confunda ser compreensivo com permissivo em nenhuma dessas circunstâncias.

Portanto, quando você vê seu parceiro enfraquecido, ferido ou com medo, não cometa o erro de dar um passo para trás e ser esmagado por sua vulnerabilidade. Todos nós merecemos a oportunidade de amar e ser amados como somos, sem a necessidade de fingir, de ser o que não somos na realidade. Na montanha-russa que é esta vida, no turbilhão de paixões que é a nossa vida e no curso de mudança da nossa realidade, o amor deve adaptar-se, ajustar-se, ajustar-se, mas nunca terminar. É por isso que … Se você vai se apaixonar, se apaixone completamente. Do bem e do mal, ou… Melhor não se apaixonar.

Traduzido e adaptado do site Rincón del Tibet

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here