Nós tendemos a entender a solidão como um fracasso sentimental e, portanto, um desastre vital. Isso, embora pareça difícil, é assim: nossa sociedade pune as pessoas solteiras. Prova disso é o fato de não existirem produtos comerciais dedicados a pessoas que decidam percorrer o caminho da solteirice.

Sim, encontramos centenas de ofertas de viagens de sonho para dois, jantares gourmet para dois, presentes ideais para o casal, etc. No entanto, ainda estou prestes a ver um produto que defende a solidão.

Porque ser solteiro é, muitas vezes, uma decisão. Isso quer dizer que, por mais louco que pareça para muitas pessoas, nem para todos o objetivo é ter um parceiro. De fato, a solidão induz um estado de plenitude e liberdade igualmente saudável e desejável.

Viva sem esperar, viva a solteirice

Nós não temos a obrigação de estar disponíveis para um relacionamento de casal e, de acordo com Emma Morano, ter essa clareza é a chave para a sua longevidade. Esta mulher já é a pessoa conhecida com mais anos do mundo, já que não acrescenta nada mais nada menos que 116 anos.

Quando o New York Times lhe perguntou sobre seu segredo, ela respondeu algo que os deixou atordoados: a chave para a minha longevidade foi permanecer solteira. Após o rompimento de um casamento infeliz em 1938, Emma Morano decidiu que não queria ser dominada por ninguém e que, na verdade, tudo o que ela precisava era de si mesma.

Essa mulher criou sua vida como realmente queria e não estava ligada ao que a sociedade esperava dela como mulher adulta.

No entanto, como dizem os gerontologistas, não há chave para garantir a longevidade. De fato, se você conversar com 100 centenários, encontrará 100 histórias diferentes. Assim, o fato de viver mais ou menos anos é largamente determinado pelo fator genético.

O elixir da eterna juventude: não se arrepender de envelhecer e viver como quisermos

A felicidade e o bem-estar emocional devem nascer de nós mesmos e das decisões que tomamos em relação à nossa vida afetiva. Quando você decide ser solteira, você também decide ser corajoso e tolerante, porque você se encontrará na estrada com uma diversidade de opiniões ou crenças.

Como já dissemos, a sociedade pune solteiros e reduz certas possibilidades. Por exemplo, é mais complicado conseguir um empréstimo em um banco se você não é casado. Exemplos como estes são abundantes e se tornam invisíveis adagas que nos enviam uma mensagem clara: “ser solteiro não é bom”.

Então, a solidão deixa de ser um estado ou uma decisão pessoal para se tornar uma questão social que nos rotula e nos aponta. “Algo não está certo com você”, “você deve obter um parceiro”, “não é de admirar que ninguém te ama”.

Esses punhais “sutis” podem nos machucar e, ao fazê-lo, nos fazem querer ter um parceiro que realmente não queremos ou vivemos de uma maneira que não queremos. De alguma forma, a cultura social que tenta “seduzir solteiros” para conseguir um parceiro e alcançar uma vida plena.

Mas não, a solteirice deve ser sempre uma opção pessoal que leva de mãos dadas com outras opções que nos permitem explorar um mundo novo e diferente daquele em que acreditamos estar estabelecido. Idealmente, todos nós devemos ser livres para dizer o que nos ancora na vida e o que queremos fazer sem abordar a pressão social que diz que ser solteiro não é bom. Há pessoas que, como Emma, ​​decidem ser felizes em sua vida de solteiro e não procuram ou esperam que alguém a resgate desse estado. Decidir ser solteira não é sinônimo de insanidade, mas de liberdade e autonomia para direcionar a vida afetiva como desejado.

Tradução A Soma de Todos os Afetos para artigo publicado originalmente em LA MENTE ES MARAVILLOSA

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here