Noruega, Suécia, Finlândia e Dinamarca antes lideravam a Europa nas estatísticas de nascimento, mas agora eles diminuíram criticamente e seus gráficos mostraram preocupação.

Se você já viu Vikings, você provavelmente tem seus personagens favoritos, sempre haverá um que chama a sua atenção nestes heróis nórdicos: que não são caracterizados por serem muito educados… mas estão geralmente estão em muito boa forma e são muito bonitos.

Assim, quando vemos notícias de que os países nórdicos precisam urgentemente de mais crianças, é impossível não pensar em “querer ajudar”. Mas, falando seriamente, países como a Noruega, a Suécia, a Finlândia e a Dinamarca, que antes lideravam a Europa em estatísticas de nascimento, declinaram criticamente, segundo Erna Solberg, o primeiro-ministro da Noruega, em seu discurso de Ano-Novo.

O fenômeno afeta diretamente seu precioso modelo social baseado na solidariedade entre gerações. Em 2017, a fertilidade caiu para sua baixa histórica (1,6) em países como a Finlândia ou a Islândia, que apenas alguns anos atrás, estavam em 2.1.

A causa parece ser o aumento do custo da habitação, de modo que os nórdicos gastam muito mais quando tem uma criança em casa. A cifra é tão alarmante que medidas radicais já foram propostas, como a doação de 50.000 euros em aposentadoria para mulheres em cada parto. Em outras partes, como a Finlândia, 10.000 euros já são oferecidos para todos os bebês nascidos e criados na aldeia.

Além das medidas que já começaram a ser aplicadas, também está sendo considerado muito seriamente estimular a imigração a fim de resolver a falta de crianças… Quem quer fazer as malas para a Noruega 👜?

***

Tradução feita pela CONTI outra, do original de UPSOCL

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here