A pessoa está “presa” dentro de seu corpo morto com o funcionamento do cérebro. Por algumas horas, você está ciente de tudo o que acontece ao seu redor.

Os seres humanos passaram a maior parte de sua existência, se não todos, tentando decifrar o que acontece depois da morte. O mistério tem sido objeto de estudo e reflexão. Não é uma resposta que só os cientistas procuram, mas que a religião e a filosofia estiveram envolvidas.

Será que talvez a verdade seja coberta por uma mistura de todas essas opiniões e descobertas? Nem tudo é branco ou preto. Existem nuances entre elas. Ou bom, uma descoberta que muda algumas coisas.

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade Stony Brook, em Nova York , encontraram evidências sugerindo que a atividade cerebral humana ainda funciona logo após a morte.

De acordo com suas abordagens, o coração para de bater, mas por um breve período a pessoa morta estará ciente do que está acontecendo; Entendendo que sua vida acabou de chegar ao fim.

Os cientistas até relataram como o indivíduo falecido pode até ouvir que ele está morto. Uma ideia um pouco assustadora.

Normalmente você pensa no momento da morte quando o coração para de bater, o sangue não circula pelas veias e a pessoa perde os reflexos instantaneamente, como a da pupila. O córtex cerebral, a “parte pensante” do cérebro, também diminui ao mesmo tempo. Isso significa que as ondas cerebrais não podem mais ser vistas em um monitor elétrico, que inicia uma reação em cadeia dos processos celulares que eventualmente causam a morte das células cerebrais.

No entanto, esse processo pode levar horas para ser concluído depois que o coração bate pela última vez . Segundos após o coração parar, a atividade cerebral ainda funciona.

Por um curto período após a morte, a pessoa seria “presa” dentro de seu corpo com o cérebro ainda em funcionamento, sugerem os cientistas.
O Dr. Sam Parnia, da mesma pesquisa, falou com a LiveScience e disse que naquele momento “eles descreverão como os médicos e enfermeiros trabalham, eles descreverão estar cientes de conversas completas, de coisas visuais que estavam acontecendo e que de outra forma não saberiam”.

Tradução feita pela CONTI outra, do original de UPSOCL.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here