Vivo sem essa expectativa que machuca, sem essa carência de quem nunca sentiu o gosto do amor. Eu já provei do amor, ele só não foi o tal amor da minha vida. É motivo para desespero? Não. Tratei de me colocar como prioridade. Vou colhendo afetos aqui e ali, mas tenho como foco principal a minha leveza.

Eu não tenho interesse em impor um amor. Mas eu também não tenho mais idade e disponibilidade para um amor metade, para um amor meio quente. Como disse anteriormente, já sei do sabor desse tipo de amor. Se for para ser amor, se for mesmo o amor da minha vida, que venha em sintonia. Que ele esbarre comigo sem medo, sem qualquer trava que o impeça de seguir adiante ao meu lado. Nem metade nem inteiro, quero um amor compromissado.

Ainda assim, nada disso é suficiente se eu não estiver enxergando o meu emocional como prioridade. Porque quero encontrar um amor que venha também vestido desses mesmos cuidados. Porque um amor de uma vida não pode chegar pra remendar situações e sentimentos que não faziam parte da vida dele.

Logo, é bem-vindo e muito mais sincero quando olho para o espelho e não me vejo coadjuvante da minha própria felicidade. A maior demonstração de soma que posso presentear alguém é reconhecer todos os meus lados. Ao fazer isso, eu não só estou transbordando maturidade, como também apresento confiança e respeito por quem encaixou perfeitamente no meu abraço.

Vivo na contramão do desamor. Não me assusta falar de amor, não me tira o sono imaginar um amor. Mas estou de bem com a solitude. Hoje em dia tenho toda a calma do mundo quando se trata de esperar pelo amor da minha vida. E tudo porque aprendi a não deixar de evoluir a minha.

A gente atrai o amor que combinamos dentro de nós.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Guilherme Moreira Jr
"Cidadão do mundo com raízes no Rio de Janeiro"

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here