Por: Sara Espejo – Rincón del Tibet

As primeiras idades são fundamentais para todos os seres humanos, a necessidade de proteção, a dependência de seus cuidadores, sua sede de amor e a satisfação de suas demandas é o que determinará, em grande medida, como se desenvolverão em suas vidas como adultos.

A maioria das culturas deixa de lado as principais necessidades das crianças e o propósito da vida como tal, para colocá-los em uma corrida para a qual elas nem estão preparados, argumentando competitividade, qualidades de liderança, independência, encorajamento e atitudes que o ajudam a se destacar, superando as habilidades dos outros.

As crianças, como boas esponjas, absorvem tudo o que suas principais fontes de influência lhes oferecem e são as ideias e crenças básicas que as acompanharão durante a maior parte de suas vidas. Somente quando o adulto questiona essas crenças ele é capaz de transformá-las em favor.

As crianças não precisam aprender a ir ao banheiro aos dois anos de idade, nem aprender a ler aos quatro, tampouco precisam estar no rol de honra, nem ter uma parede ostentando medalhas. Isso não significa que isso seja errado, mas você não deve pressionar uma criança a fazer algo diferente do que a faz feliz, você não deve comparar, e muito menos traçar um prognóstico de sua vida para suas primeiras demonstrações de presença ou ausências. talentos

Somos todos especiais para algo, pressionamos uma criança a se destacar em um esporte, sacrificando suas horas de jogo, a recreação não é necessária, muito menos quando isso é resultado dos caprichos dos pais ou dos sonhos frustrados. Se ensinarmos as crianças a ouvir, a fazer o que gostam, a pensar, a administrar suas emoções, certamente lhes daremos ferramentas para que possam escolher suas próprias opções, mesmo desde a infância.

É sempre útil uma orientação, alguma sugestão, mas a imposição não deve ser um recurso, muitas vezes os presentes da criança não se desenvolvem para encorajá-los a realizar qualquer outra atividade que consideremos ser a melhor para eles.

Entenda que a melhor coisa para as crianças é manter essa essência com o seu ser, o que lhes permite ter o equilíbrio que mais perde com o passar dos anos, à medida que começam a estabelecer prioridades erradas logo no início.

A contribuição mais valiosa que podemos oferecer aos nossos filhos é o amor, o respeito pelos seus tempos, pelos seus gostos, pelas suas preferências, pelo tempo de qualidade que oferecemos, pelo interesse que mostramos nas suas coisas, mesmo que os vejamos muito pequenos. É isso que definirá sua segurança, sua autoconfiança, seu amor próprio, seu senso de pertencimento. O que deve ser encorajado é o impulso de ser melhor que eles mesmos, de fazer de si mesmos, dia após dia, sua melhor versão, não importa o que o irmão, o colega de classe ou o filho do vizinho faça.

Cada ser é único e tem todo o direito de ser feliz, rodeado de pessoas que valorizam o que é, quem o guia sem forçá-lo, todo mundo merece crescer e ser formado por ser amado, por quem o rodeia e aprender todos os dias a se amar mesmo. Quando essas bases são bem fundamentadas, haverá pouca chance de ele não estar alinhado com sua felicidade e certamente se destacará, mas não porque procure competir, mas porque saberá o que quer, o que o faz feliz e será muito difícil para ele não trabalhar.

Não será perfeito, mas será mais claro do que muitos o propósito da vida, que não é outro senão: ser feliz!

***

Via Pensar Contemporâneo

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here