A amizade é um elemento protetor da nossa saúde psicológica e física. Evidencia-se que o isolamento tem uma grande incidência na mortalidade; De fato, há estudos que afirmam que a falta de apoio psicológico pode equiparar seus efeitos nocivos à nossa saúde ao tabagismo, hipertensão arterial, níveis elevados de colesterol, obesidade ou falta de exercício físico.

Nesse sentido, podemos afirmar que os laços estreitos que criamos com os outros duplicam nosso bem-estar e dividem a angústia ao meio. Porque criar relações emocionais estreitas nos fortalece, disso não há dúvida.

É verdade que não é fácil conseguir uma proximidade psicológica satisfatória com as pessoas à nossa volta, porque as decepções muitas vezes nos fazem preferir a solidão. No entanto, enquanto essa solidão não se tornar um isolamento, nossa saúde não precisa ser prejudicada.

Amizade, a formação de laços afetivos

Estar rodeado de pessoas que nos amam nos torna psicologicamente fortes e evita dificuldades emocionais derivadas de diversos assuntos, como um divórcio, um obstáculo econômico ou uma doença.

Ou seja, ter amigos nos ajuda a dividir o estresse . É maravilhoso ter um confidente, uma pessoa que possa oferecer ajuda, conselhos ou um ombro para chorar. A mera presença de pessoas amadas em nossas vidas diminui o impacto dos contratempos vitais com os quais temos de lidar.

Assim, a qualidade e a frequência de nossos relacionamentos amigáveis ​​parecem ser fundamentais para reduzir o desconforto e a angústia que às vezes nos incomodam. Nas palavras de Robin em “The Intrepid Adventures of Robin Hoad” :

“Fale livremente e revele suas preocupações. O fluxo de palavras pacifica o coração daquele que sofre; é como abrir as comportas quando o reservatório ameaça transbordar “.

O psicólogo e pesquisador James Pennebaker demonstrou experimentalmente que falar sobre os problemas que mais nos preocupam tem um efeito benéfico para nós, física e psicologicamente. Então, conversar com nossos amigos é benéfico para a nossa saúde.

Fortalecendo nossas habilidades emocionais

Quando falamos de habilidades emocionais, nos referimos à nossa capacidade de reconhecimento, canalização e dominação de nossos próprios sentimentos, empatia e sentimentos que aparecem nas relações sociais.

Portanto, não é de admirar que, quando temos bons amigos por perto, possamos fortalecer nossas habilidades emocionais. Isso, por sua vez, nos permite ter uma melhor disposição para os outros se aproximarem de nós (e vice-versa), então teremos mais opções para criar relacionamentos significativos.

Essa sensação maravilhosa de ter um cordão de segurança emocional que nos protege não pode ser comparada com nada. Sentir que nos querem bem não é apenas encorajador, mas reforçador e revitalizante.

Estar ciente de que querem te ver, falar com você e se interessar em como você está, nos dá um status emocional que nos resgata do abismo em inúmeras ocasiões. É por isso que podemos ter certeza de que as pessoas que amamos são uma parte importante da nossa vida.

Neste sentido, é bom captar aqui uma passagem do romance “O Palácio da Lua”, de Paul Auster, que reflete magnificamente o que temos discutido aqui.

“Naquela época eu não sabia, claro, mas sabendo o que sei agora, não posso ignorar esses dias sem sentir uma onda de nostalgia por meus amigos. Em certo sentido, isso altera a realidade do que experimentei.

Eu tinha saltado da beira do penhasco e quando eu estava prestes a chegar ao fundo, um evento extraordinário ocorreu: eu aprendi que havia pessoas que me amavam. Um querer desses muda tudo.

Isso não diminui o terror da queda, mas dá uma nova perspectiva sobre o significado desse terror. Eu pulei da borda e, no último momento, algo me pegou no ar. Esse algo é o que eu defino como amor.

É a única coisa que pode impedir a queda de um homem, a única coisa poderosa para invalidar as leis da gravidade “.

Raquel Aldana – do site La Mente es Maravillosa, via Pensar Contemporâneo

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here