Se você já foi prejudicado ou passou por uma situação muito difícil, certamente já se perguntou por que deveria perdoar. Além disso, você também deve ter sentido em sua própria pele que fazer isso não é fácil, e pode confundir o perdão com o esquecimento. A verdade é que, uma vez que algo ou alguém nos fere, virar a página é uma tarefa complicada.

O esquecimento é um processo de memória (processo amnésico) que depende quase exclusivamente do tempo e do contexto em que você se encontra. Ou seja, esquecer é o fruto que nasce ao parar de recorrer à informação que armazenamos em nosso cérebro, enquanto perdoar é lembrar e não permanecer ancorado à emoção gerada pela memória.

A verdade é que não podemos aplicar muitos truques para esquecer, porque o esquecimento é o resultado da passagem do tempo. Agora, será mais fácil esquecer aquilo com o que não temos contato; por exemplo, se nos afastarmos de um lugar, evitarmos ver uma pessoa ou passar por uma situação, será mais fácil e mais rápido esquecer. É por isso que, para esquecer, temos que nos afastar e esperar.

No entanto, o perdão é algo diferente, e significa “embora eu me lembre do que aconteceu, embora eu me lembre do dano sofrido, posso virar a página e seguir em frente“. Fazer isso é parar de pensar em vingança, parar de pensar na injustiça da situação e ser capaz de reposicionar as emoções no passado, sem que afetem o nosso presente e o nosso futuro.

Você já pensou nessa diferença entre perdoar e esquecer? Esteja ciente de que essas duas palavras não significam a mesma coisa, e é necessário ser capaz de virar a página. Sabe por quê? Porque você nunca irá se esquecer de quem te machucou, você nunca irá se esquecer da dor, mas você pode aprender a viver com isso se souber deixar o ocorrido para trás.

Por que precisamos aprender a perdoar e virar a página?

Virar a página serve para romper o vínculo com a dor. Trata-se de deixá-la de lado e permitir que as chamas da raiva, do ódio e da vingança se apaguem pouco a pouco. Desta forma, você estará livre para iniciar uma nova etapa. Conseguir isso permite que você inicie uma nova fase em sua vida, na qual a dor e a angústia caracterizam um momento do seu passado, mas não do seu presente.

Além disso, perdoar fará com que você seja dono de seu próprio tempo e energia, porque quando uma pessoa tem conflitos não resolvidos ou estágios sem encerrar, embora não note, sua mente leva muito tempo e energia para terminar e fechar essas “tarefas pendentes”. Ter que “perdoar alguém” faz com que seus recursos psicológicos sejam destinados para essa tarefa pendente e, como consequência, pode surgir um grande esgotamento emocional.

Resolver conflitos também serve para se sentir mais seguro e em paz consigo mesmo, uma vez que nos ajuda a seguir em frente e olhar para o futuro sem cargas emocionais negativas que absorvem a nossa energia e motivação. Alguém que perdoa e esvazia sua mochila emocional e se motiva com os desafios do futuro traz consigo uma sensação de paz interior que é insubstituível e 100% necessária quando se quer viver plenamente.

Perdoar: uma forma de controlar sua felicidade

Neste ponto, é muito interessante refletirmos sobre um aspecto do perdão que poucas pessoas levam em consideração. Quando você perdoa, faz isso por si mesmo, e não por causa de quem o machucou. Fazer isso não é um presente que você dá para aquele que te fez sofrer, e sim um presente que você dá a si mesmo. Você não perdoa e beneficia o outro; perdoar irá beneficiá-lo em primeiro lugar, pois você se permitirá aceitar o sofrimento e a dor e deixá-los no passado.

Por outro lado, perdoar é essencial para ser seu guia e líder. Mas, além disso, você pode ter que se perdoar. Para ser o líder de sua vida você tem que perdoar seus erros, suas falhas, suas fraquezas, seus arrependimentos, os danos que causou a si mesmo, e assim poderíamos continuar com uma longa lista de circunstâncias em que você teria que “perdoar a si mesmo”.

Só se chega à autorrealização pessoal através do perdão e da reconciliação consigo mesmo, porque uma vez que você fizer isso, concentrará sua energia em criar a melhor versão de si mesmo e em seu projeto de vida como ser humano. Quando você perdoa e aprende a gerenciar o perdão, você se sente livre para decidir o que te afeta e o que não, o que te impede de avançar e o que não, e assim tudo flui e você se concentra em si mesmo.

Perdoar não é uma tarefa fácil, mas também não é impossível. Na verdade, existem diferentes exercícios de psicoterapia que podem ajudar a perdoar. O primeiro passo é se concentrar no seu presente e no seu futuro, assumir a responsabilidade pelo aqui e agora e ser o dono de suas emoções. Pouco a pouco, você vai conseguir.

Fonte indicada: A Mente é Maravilhosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here