É claro que o mundo é muito melhor se for todo perfeito. É claro que a vida é melhor se for toda redondinha: as pessoas fazendo tudo o que achamos o ideal, cumprindo direitinho as suas tarefas, no tempo certo, com capricho.

Tá, mas as coisas não são assim. E nunca vão ser. Pode ser um choque de realidade, mas, se você parar para pensar, NUNCA as coisas serão perfeitas. Nunca estarão todas completamente encaixadas no SEU conceito de perfeição. Então, de que vale tanto esforço para que elas sejam? Por mais que você se esforce, não alcançará esse objetivo. É uma batalha perdida, meu caro, sinto informar… Talvez seja melhor parar de combatê-la.

É muito desgastante física, psíquica e emocionalmente viver tentando controlar tudo, viver trabalhando para que tudo seja perfeito. E é uma tarefa ingrata, porque ela não tem chance de ser exitosa. E isso tudo acaba com a gente.

Pode ser meio decepcionante se dar conta disso, a princípio, mas é essencial. Ainda que se passado uma vida correndo atrás desse objetivo, antes tarde do que nunca parar com essa loucura. Parar de querer que tudo seja “o melhor possível”. Para de querer manter o controle. Parar…

Talvez não nos demos conta, mas, sendo perfeccionistas, podemos ter nos tornado pessoas chatas, exigentes, teimosas, ranzinzas, apáticas, desagradáveis e/ou desinteressantes, possivelmente até para nós mesmos.

Então, cabe nos questionar: para que serve o perfeccionismo mesmo? O que buscamos com ele? Felicidade? Talvez os nossos valores estejam precisando de ajustes, pois objetivos e resultados podem não estar correspondendo…

É garantido: leveza e despreocupação trazem muito mais alegria e realização pra nossa vida! Largar-se um pouco ao acaso, impedir que contratempos nos tirem do sério e deixar as pessoas serem mais como são pode gerar uma mudança radical, e para melhor, na nossa existência.

Tudo bem se os outros não quiserem ouvir suas preciosas dicas e mudar. Tudo bem se o trabalho, no momento, não for o ideal nos mais diversos aspectos. Tudo bem se o seu parceiro não for o dos sonhos. Tudo bem se os seus amigos estiverem voltados para as suas questões e não tenham mais tempo para você. Tudo bem se você não for a melhor mãe/o melhor pai do universo. E também tudo bem se os seus filhos não forem os mais educados, inteligentes e desenvolvidos. Tudo bem que os seus pais tenham as limitações deles e queiram fazer tudo do seu jeito. Tudo bem que você não dê o seu máximo todos os dias, em todos os âmbitos da sua vida. Tudo bem se não ficar esgotado quando o dia acabar, se tirar um tempo para fazer nada…

Está tudo certo do jeito que está, com todas as “imperfeições”. A vida será sempre cheia de nuances e possibilidades. Não há como controlá-la. Nem vale a pena pirar por isso.

Chega de sufoco, chega de angústia, chega de tanta seriedade… Essa vida é uma só. O quanto antes, temos que nos dar conta de que curti-la é fundamental. Que sair da curva, às vezes, é essencial. Que “largar de mão”, vez ou outra, é necessário. Que um “dane-se”, invariavelmente, é vital.

Pois viver tem que ser divertido também!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Susiane Canal
“Servidora Pública da área jurídica, porém estudante das questões da alma. Inquieta e sonhadora por natureza, acha a zona de conforto nada confortável. Ao perder-se nas palavras, busca encontrar um sentido para sua existência...”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here