Todos nós nos machucamos, seja você adulto ou adolescente, certamente já vivenciou algum tipo de dor emocional. E isso não é agradável, nós sabemos. Mas o que você faz dessa mágoa, apesar do clichê, é mais importante do que a mágoa em si. Você quer ser a pessoa no domínio de sua vida presente ou continuará a ruminar uma vida toda fatos do passado?

Em resumo, é possível superar mágoas e seguir em frente? Vamos refletir aqui. Culpar os outros pela nossa mágoa é o que a maioria de nós começa a fazer. Alguém fez algo errado, ou eles nos prejudicaram de alguma forma que importava para nós. Nós queremos que eles se desculpem. Queremos que eles reconheçam o que fizeram de errado.

Mas culpar alguém pela nossa mágoa pode ser um tiro em si mesmo, como Holly Brown observa:
– O problema de culpar os outros é que muitas vezes isso pode te deixar impotente. Por exemplo, você confronta a pessoa (seu chefe, seu cônjuge, seus pais, seu filho) e eles dizem: “Não, eu não” ou, pior: “E se eu fizesse isso?”. Você fica com toda a sua raiva sem uma resolução possível. Todos os seus sentimentos são legítimos. É importante senti-los totalmente e depois seguir em frente. Não se responsabilizar pelas necessidades afetivas indefinidamente é um mau hábito.

As pessoas que se apegam a essas mágoas do passado muitas vezes revivem a dor repetidamente em suas mentes. Às vezes uma pessoa pode até ficar “presa” nessa dor, nessa mágoa, nessa culpa.

5 maneiras de se libertar de mágoas passadas.

A única maneira de aceitar uma nova alegria e felicidade em sua vida é abrir espaço para isso. Se seu coração está cheio de dor e mágoa, como você pode estar aberto a algo melhor?

1. Tome a decisão de deixá-la ir.

As coisas não desaparecem por conta própria. Você precisa assumir o compromisso de “deixar passar”. Se não fizer essa escolha consciente de antemão, pode acabar sabotando qualquer esforço para sair dessa dor do passado.

Tomar a decisão de deixá-la ir também significa aceitar que você tem a opção de não deixá-la ir. Para deixar de reviver a dor do passado, pare de repassar os detalhes da história em sua cabeça toda vez que pensar na outra pessoa (depois de concluir a etapa 2 abaixo).

2. Expresse sua dor – e sua responsabilidade.

Expresse a dor que a mágoa fez com que você se sinta, seja diretamente à outra pessoa, ou simplesmente tirando-a do seu círculo (por exemplo, desabafar com um amigo, escrever em um diário ou escrever uma carta que você nunca envia para a outra pessoa ). Tire tudo de seu convívio de uma só vez. Fazê-lo também ajudará a entender o que, especificamente, é a sua mágoa.

Nós não vivemos em um mundo fácil de explicar, mesmo quando às vezes parece que sim. Embora possa não ter tido a mesma responsabilidade pela dor que sentiu, pode ter havido uma parte da dor pela qual você também é parcialmente responsável. O que você poderia ter feito diferente da próxima vez? Você é um participante ativo em sua própria vida ou simplesmente uma vítima sem esperança? Você deixará sua dor se tornar sua identidade? Ou é alguém mais profundo e complexo do que isso?

3. Pare de ser a vítima e culpar os outros.

Ser a vítima faz a gente se sentir bem – é como estar no time vencedor de você contra o mundo. Mas adivinha o que? O mundo em grande parte não se importa, então você precisa se superar. Sim, você é especial. Sim, seus sentimentos importam. Mas não confunda com “seus sentimentos importam” para “seus sentimentos devem se sobrepor a tudo o mais, e nada mais importa”. Seus sentimentos são apenas uma parte dessa grande coisa que chamamos vida, que é toda entrelaçada e complexa. E bagunçada.

Em cada momento, você tem essa escolha – continuar se sentindo mal com as ações de outra pessoa ou começar a fazer algo para se sentir bem. Você precisa assumir a responsabilidade por sua própria felicidade e não colocar tal poder nas mãos de outra pessoa. Por que você deixaria a pessoa que te machucou – no passado – ter tal poder, aqui e agora?

Nenhuma quantidade de ruminação de análises jamais corrigiu um problema de relacionamento. Nunca. Não na totalidade da história do mundo. Então, por que escolher se envolver em tanto pensamento e dedicar tanta energia a uma pessoa que você acha que lhe ofendeu?

4. Concentre-se no presente – o aqui e agora – e a alegria.

Agora é hora de deixar ir. Deixe de lado o passado e pare de revivê-lo. Pare de contar a si mesmo aquela história em que o protagonista – você – é para sempre a vítima das ações horríveis dessa outra pessoa. Você não pode desfazer o passado, tudo que pode fazer é tornar hoje o melhor dia da sua vida.

Quando se concentra no aqui e agora, você tem menos tempo para pensar sobre o passado. Quando as memórias passadas se infiltrarem em sua consciência (como elas são obrigadas a fazer de tempos em tempos), reconheça-as por um momento. E então traga-se suavemente de volta ao momento presente. Algumas pessoas acham mais fácil fazer isso com uma sugestão consciente, como dizer para si mesmo: “Tudo bem. Esse foi o passado e agora estou focado na minha própria felicidade e me fazer bem. ”

Lembre-se, se nós enchermos nossos cérebros – e vivermos – com sentimentos feridos, há pouco espaço para algo positivo. É uma escolha que você está fazendo para continuar a sentir a dor, ao invés de receber alegria de volta em sua vida.

5. Perdoe os outros e antes de mais nada, a você mesmo.

Podemos não ter que esquecer os maus comportamentos de outra pessoa, mas praticamente muitos merecem nosso perdão. Às vezes ficamos presos em nossa dor e em nossa teimosia, não podemos nem imaginar perdão. Mas o perdão não está dizendo: “Eu concordo com o que você fez.” Em vez disso, está dizendo: “Eu não concordo com o que você fez, mas eu te perdoo de qualquer maneira.”

Perdão não é sinal de fraqueza. Em vez disso, é simplesmente dizer: “Eu sou uma pessoa. Voce é uma pessoa. Você fez algo que me machucou. Mas quero seguir em frente na minha vida e receber de volta minha alegria. Eu não posso fazer isso completamente até que eu deixe isso passar.

O perdão é uma maneira de deixar algo ir de maneira tangível. É também uma forma de empatia com a outra pessoa e de tentar ver as coisas do ponto de vista delas.

E perdoar a si mesmo também pode ser uma parte importante deste passo, pois às vezes podemos acabar nos culpando pela situação ou feridos. Embora, na verdade, tenhamos tido algum papel a desempenhar na dor (veja o passo 2), não há motivo para que você continue se desgastando. Se você não pode perdoar a si mesmo, como poderá viver em paz e felicidade no futuro?

E não se esqueça de procurar uma boa terapia, o psicólogo é o profissional que pode te ajudar a desatar alguns nós!

Texto traduzido e adaptado da produção de Jhon M. Grohol para o PsychCentral

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here