Há dias em que a “super mãe” atinge o limite e entra em colapso. Porque ela não pode mais fazer tudo, porque a fadiga a aprisiona até que ela ponha de lado sua armadura brilhante para mostrar uma mulher que só precisa de um momento de descanso.

Se isso aconteceu com você em alguma ocasião, não se preocupe ou pense que você está tocando o abismo da depressão. O estresse de criar um ou mais filhos às vezes é combinado com outros fatores que nos levam a situações extremas, onde é necessário parar, aliviar e reciclar alguns pensamentos, algumas emoções.

Embora falemos de “mães”, estamos certos de que os pais também possam viver a mesma situação. De fato, mesmo que você não acredite, esses momentos vitais têm sua parte de utilidade e até podem ser benéficos. Todos nós, às vezes, desejamos ser a melhor mãe, ser o melhor pai, controlando cada aspecto e sempre dando o melhor de nós mesmos. Mas não é fácil manter este nível de auto-exigência todos os dias. Alcançar o limite é perceber que, embora nossa prioridade seja a criança, devemos ter autocuidado. Porque você não será uma mãe ruim se você se der um tempo de descanso, e ninguém, absolutamente ninguém, tem o direito de criticar por isso.

Porque só então você dará a seus filhos o melhor de você. Propomos refletir sobre isso.

Fadiga física e exaustão emocional

Sentir-se cansado não é sinônimo de estar cansado de nossos filhos. Dizer “não posso fazer mais” não é uma razão para censura ou fraqueza. Às vezes, o próprio remorso por se sentir assim em um dado momento é muito pior do que o esgotamento físico e mental. Portanto, é necessário que entendamos e racionalizemos alguns aspectos básicos.

Mamãe ou papai “multitarefa”

As crianças não crescem sozinhas. Elas precisam de 150% de nós quase todos os momentos. A multitarefa é um dos nossos inimigos diários mais vorazes. Podemos ser eficazes um mês, dois meses ou cinco meses, mas chegará um momento em que nossa mente e corpo não podem se manter esse nível.

Quando essa voz interior nos diz “eu tenho que dar conta de tudo”, mas o nosso cérebro e mente respondem com um “eu não posso mais fazer isso”, o estresse começa a atrapalhar essa descompensação sutil:

Fadiga se traduz em dor. Nossos membros doem, nossos ossos e sentimos uma pressão no peito.

A frequência cardíaca acelera, sofremos más digestão, episódios de diarréia, constipação…

Chegamos ao limite, e quase inadvertidamente, temos uma resposta ruim, uma palavra fora do lugar, um “Cala a boca,” a “agora me deixa” … palavras que dizemos às vezes sem pensar para nossos filhos e, em seguida, tanto nos fere.

A pressão da demanda

A pressão da demanda é colocada sobre nós pela sociedade, pela família e até por nós mesmos. Queremos ser aquelas “supermães” que estão atualizadas, que dão o melhor para as crianças, que desejam ter filhos felizes, brilhantes e responsáveis… Não há necessidade de chegar de tanto. De fato, basta educar crianças felizes e saudáveis na companhia de mães e pais felizes, com boa autoestima e que saibam aproveitar os pequenos momentos da vida cotidiana. Algo que o estresse nunca nos permitirá.

Temos que mudar alguns esquemas pequenos. Nós os explicamos a você em seguida.

Chorar é necessário, cuidar de nós mesmos também

É necessário entender antes de mais nada que não é necessário ou aconselhável ser “a mãe ou pai perfeito”, o essencial é saber como estar presente em todos os momentos em que nossos filhos precisam de nós. Por isso, vale a pena refletir em alguns momentos nessas dimensões. Quando se trata de educar e cuidar de uma criança todos os dias será diferente e exigirá novos aspectos de você. Assuma-os com calma e não preveja perigos ou preocupações. Viva o presente, o aqui e agora com seus filhos.

Tudo bem se você chorar ou até mesmo se seus filhos o virem fazendo isso. Diga-lhes que “a mamãe precisa de um momento”, que todos nós precisamos chorar de vez em quando para “sermos mais fortes”. O alívio emocional é bom.

Não carregue todas as suas responsabilidades, medos, pressões e dúvidas nas suas costas. Partilhe com o seu parceiro, com a sua família, faça perguntas ao seu pediatra sobre questões ou preocupações sobre os mais pequenos.

Você tem o direito de aproveitar seus momentos de lazer, relaxamento e privacidade. Você não será uma “mãe má” por se permitir uma ou duas horas por dia para si mesma.

Encontre apoio no seu grupo de amigos e com outras mães. Você vai compartilhar experiências e descobrir que, na verdade, você não é o única que chora secretamente, que se sente exausta e que tem dúvidas.

***

Texto traduzido e adaptado pelo site Psicologias do Brasil. Do original Eres Mamá

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here