As férias são desgastantes quando você vai a lugares. Muitas vezes é uma época de estranhas experiências – vestir trajes de banho, dificuldade com línguas estrangeiras, tentar se divertir onde você não conhece ninguém e nenhum dos costumes. Isso é tudo menos relaxante.

O único tipo de pausa que não exige acompanhamento é o tipo que você deve considerar em primeiro lugar – as férias em casa.

Para ser claro, esta não é uma discussão das férias em casa britânica, que significa simplesmente viajar para um destino na Grã-Bretanha. Trata-se do conceito italiano de dolce fa niente – o doce não fazer nada – com um toque americano. É sobre a nova noção de ficar em casa durante uma folga, ir a lugar nenhum, e cultivar uma apreciação mais profunda do lugar em que você já está, mas que não vê porque está muito ocupado.

Permanecer perto de casa – ou apenas dentro dela, deixa você revigorado e fornece perspectiva. E essa pode ser a chave para sua próxima grande ideia.

ALGO DE NADA

Você não tem nada para fazer em seu tempo livre. Essa é a questão. Vagar pelo seu bairro lentamente, beber cafés, visitar as exposições e butiques que você sempre quis ver, fazer piqueniques nos parques que raramente aproveita, passar horas lendo na livraria, ouvir música, dançar em sua casa, sair com amigos, ter longas conversas ou fazer longas corridas ou não fazer nada, lava os olhos e o espírito. Você realmente se deleita com a mercadoria rara do tempo livre, ao invés de se apressar em supostamente tirar o máximo proveito de sua libertação, enquanto na verdade se estressa.

Para os sempre ocupados, Instagramers e Snapchatters, isso pode parecer um desperdício de uma oportunidade valiosa para realizar um sonho, tirar fotos em locais exóticos, se mostrar fingindo relaxamento enquanto apressadamente faz uma turnê e marca lugares em seu livro de estive-lá-e-fiz-aquilo. Você deseja fugir e conhecer. Mas dominar a arte de “ficar de boa” é, na verdade, a essência do legal.

Não há regras. Este é seu tempo livre. Use-o para entrar em contato com a liberdade, apenas sendo, o que é, reconhecidamente, uma coisa assustadora. Afinal, uma das razões pelas quais nos mantemos ocupados é evitar a nós mesmos, o medo secreto de que sem nosso trabalho ou horários rígidos não somos nada, vasos vazios, flutuando à deriva em um oceano de nada.

Isso está enraizado, talvez, na noção cristã de que mentes ociosas são a oficina do diabo. Historicamente, quando a classe média americana começou a tirar férias em meados do século XIX, por exemplo, os balneários religiosos garantiram que o tempo livre fosse organizado e não tão livre que as pessoas se metessem em confusão, segundo Cindy Aron, professora da Universidade de Virgínia, autora de Working at Play: A History of Vacations in the United States.

Hoje, saímos sem nos preocuparmos muito com tentações pecaminosas. Até certo ponto, o ponto de fuga é ter novas experiências e talvez até quebrar as regras que seguimos em casa. Queremos ser entretidos e distraídos por visões e sons desconhecidos, pessoas diferentes e esperar que, de alguma forma, descobriremos algo novo sobre nós mesmos no processo.

Claro, o único problema com a ideia de escapar é que, notoriamente, onde quer que você vá, você estará lá. Você sempre estará por perto em suas férias. A menos que você seja realmente legal consigo mesmo, não há muito sentido em ir a lugares. Você está apenas protelando o inevitável momento em que terá que encarar seu eu fundamental.

Então, em certo sentido, quanto mais você resiste à noção das férias em casa, mais provável é que você precise de uma perspectiva psicológica. Torne-se seu próprio amigo – aprenda a confiar em seus instintos e a si mesmo e esteja em paz com aquela pessoa que nunca poderá escapar; você. Olhe no vazio – você pode descobrir que está tudo bem.

Também vale a pena ficar confortável com o nada, porque esse é o espaço da possibilidade, de onde algo vem. Como o Tao Te Ching declara: “Se você quer tirar de algo, primeiro deve dar. Isso é chamado de discernimento sutil”.

Cientistas, escritores, artistas, músicos, místicos, psicólogos e até empresários atarefados recomendam o espaço mental, um pouco de tempo para deixar a mente vagar e pousar em um novo conceito. É aqui que nascem grandes ideias – as melhores ideias de Albert Einstein surgiram quando ele estava sem rumo, e as suas também podem surgir assim.

“O que torna uma mente fértil? Por um lado, é a liberdade de se aventurar sem os limites do pensamento tradicional ou o peso das preocupações práticas”, escreve o cientista Abraham Loeb na Scientific American.

A ARTE DE FICAR DE BOA

Há muitas maneiras de tirar férias em casa. Se você está decidido a fazer coisas novas e simplesmente não consegue deixar de lado a noção de metas, você pode fazer isso. Faça uma lista de todas as atividades em que você se envolveria, ou todos os lugares que visitaria se fosse um turista e não um morador local, e vá a esses lugares. Deleite-se no lugar que você chama de casa.

Ou decida quais livros você deve ler, quais filmes deve ver, se comprometa com uma prática atlética intensa ou algum tipo de regime alimentar extremo que seria inconveniente durante uma semana de trabalho. Faça meditação. Jure não falar. Ignore as mídias sociais. Experimente as noções que intrigam você, mas que você não consegue ter contato normalmente, como não fazer nada, por exemplo.

Existem infinitas opções, dado o dinheiro que você não está gastando em hospedagem em outro lugar. Suas férias em casa podem ser compostas de luxos locais, jantares finos em roupas extravagantes, ir para peças de teatro, fazer compras. Pode ser rigorosamente planejada ou desdobrada lentamente, como um mistério. Embora seja uma noção bizarra para alguns de nós, é realmente possível não fazer planos e se divertir sem horários.

 


Quanto a preocupações de que você pode acabar fazendo tarefas durante o seu tempo livre, não se preocupe. As chances são de que você não consiga lavar roupas infinitamente. E se você estiver esfregando o chão ou limpando armários, talvez não seja tão ruim assim. Primeiro, a limpeza é uma prática espiritual que melhora a saúde mental. Nas palavras do monge budista Zen japonês, Shoukei Matsumoto:

Nós varremos a poeira para remover nossos desejos mundanos. Esfregamos a sujeira para nos libertar dos apegos. Vivemos de maneira simples e reservamos tempo para contemplar o eu, vivendo conscientemente a cada momento. Não são apenas monges que precisam viver dessa maneira. Todos no mundo ocupado de hoje precisam fazer isso.

Ao fazer o que precisa ser feito em casa, você se envolve profundamente com a sua existência, o que exige que você lide com questões práticas e não apenas se distraia. Que melhor maneira de controlar sua vida do que reservar algum tempo para organizar sua base de operações e torná-la um lugar mais bonito do qual você não quer fugir?

O tempo de lazer destina-se a ser gasto de uma forma descontraída, não atormentada. Isso não quer dizer que você nunca deveria ir a lugar nenhum – definitivamente estude ou trabalhe no exterior, largue seu emprego e encontre um emprego em um iate que navega em alto mar. Só não aperte essas coisas em uma pequena quantidade de tempo onde você está pensando em relaxar e descontrair.

A chave para férias bem-sucedidas, seja o que for que você esteja fazendo, é simplesmente ser. Isso não é fácil para pessoas que trabalham em culturas voltadas para o negócio. No entanto, é uma maneira de reduzir os níveis de estresse e voltar a trabalhar com mais energia. “Não devemos associar o relaxamento a estar longe”, aconselha a editora-gerente da Quartz, Kira Bindrim, que se descreve como uma ávida defensora das férias em casa. “Recupere o lugar que você já escolheu para viver!”

***

 

Esse texto é uma tradução da CONTI outra. Do original THE MOST RELAXING VACATION YOU CAN TAKE IS GOING NOWHERE AT ALL, escrito por Ephrat Livni.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here