O medo do fracasso nos prende em nosso lugar interno mais vulnerável – em nossa autoestima e amor-próprio. Embora, intuitivamente, saibamos que ao buscar um nível mais alto, nós poderemos fracassar, quando ficamos aquém, esse conhecimento oferece pouco ou nenhum consolo.

Alguma dessas afirmações soa familiar?

“Eu sou um perdedor.”
“Eu não consigo fazer nada certo!”
“Eu sou um fracassado.”
“Eu fracassei no meu casamento.”
“Eu fracassei como pai/mãe.”
“Eu fracassei no meu trabalho.”
“Se eu fracassar, será terrível!”
“Eu não suporto fracassar!”


Quando fracassamos em algo, muitas vezes pensamos globalmente e não em termos temporários. Nós pensamos que não só fracassamos, mas que somos fracassados.

Sentimentos de indignidade nos arrastam para baixo, levando a erros e contratempos, nos definindo, ao invés de apenas oferecer feedback e nos educar com informações úteis para o futuro.

A boa notícia é que podemos construir o caminho para o sucesso a partir de nossos fracassos. E neste artigo, mostrarei como.

Podemos aprender com nossos fracassos, em vez de sermos assombrados pelos fantasmas deles. Podemos parar de pensar em tudo ou nada, de maneira global, para que nossos erros e fracassos se tornem degraus para o sucesso, em vez de pedras ao redor do pescoço. O fracasso pode ajudá-lo a ter sucesso e crescer.

Aprendemos com a história sobre muitos casos famosos de pessoas que fracassaram e que se tornaram algumas das pessoas mais bem-sucedidas do planeta.

Aqui estão apenas alguns exemplos:

• Walt Disney, aos 22 anos, foi demitido de um jornal do Missouri por “não ser criativo o suficiente”. Depois, o Laugh-O-Gram Studio, um de seus primeiros empreendimentos, faliu.
• O Coronel Sanders estava falido aos 65 anos, e com seu cheque do seguro social de US$ 105 ele foi para a estrada, morando em seu carro por dois anos, indo de restaurante em restaurante para encontrar um lugar para usar sua receita de frango. Ele foi rejeitado 1.009 vezes antes de encontrar um dono que usaria sua receita, levando à franquia.
• Michael Jordan foi cortado de seu time de basquete da escola de Sophomore.
• “And to Think That I Saw It on Mulberry Street”, o primeiro livro infantil de Theodor Seuss Geisel, foi rejeitado por mais de 20 editoras antes de ser publicado pela Vanguard Press.
• Aos 30 anos, Steve Jobs se descreveu como um fracasso público quando foi demitido do conselho da Apple, a empresa que ele criou. Isso o levou a desenvolver outros empreendimentos, como a Pixar Animation e a NeXT, antes de retornar à Apple uma década depois, resultando em sua invenção do iPod, iPhone e iPad. Em seu famoso discurso no Stanford Beginning de 2005, ele citou esse fracasso como sendo a melhor coisa que aconteceu com ele, já que ele poderia recomeçar no período mais criativo de sua vida.
• Thomas Edison foi demitido de seu emprego depois de trabalhar em sua própria invenção por horas, o que acabou em um vazamento químico, danificando o chão e a mesa de seu chefe. Depois que ele foi demitido, começou a trabalhar para si mesmo como um inventor. Mais tarde, enquanto estava trabalhando no aperfeiçoamento de sua bateria de níquel-ferro, ele disse a um repórter: “Eu não falhei. Apenas encontrei 10.000 maneiras que não funcionam.”


Esses são apenas alguns exemplos das muitas pessoas bem-sucedidas que provam que pode haver sucesso após o fracasso. Por mais inspiradoras que sejam essas histórias, a maioria de nós continua atormentada por nossos fracassos, e não motivada por eles. Mesmo que saibamos que o fracasso é superável, isso não muda a maneira como nos sentimos quando o experimentamos. O fracasso pode prejudicar nossa autoestima e sentimentos de amor-próprio, diminuindo nosso senso de otimismo em relação ao nosso futuro.

Então, como podemos nos sentir melhor sobre nós mesmos? Abaixo estão 10 atos de amor-próprio para quando nos sentimos fracassados.

1. Perdoe-se

A capacidade de perdoar é talvez o maior presente que podemos dar a nós mesmos para nos ajudar a recuperar de nossos arrependimentos e erros.

Em vez de se culpar por não saber antes o que agora parece tão óbvio, se veja como um trabalho em progresso e dê a si mesmo o dom do perdão.

2. Seja autocompassivo.

A autocompaixão é talvez o elemento mais importante de autoestima e resiliência.

Costumava-se pensar que a realização e o sucesso – elevando-se acima do normal – era o caminho para a alta autoestima.

No entanto, esse caminho para a autoestima é condicional demais e assegura que qualquer pessoa abaixo do normal não seja tão digna ou especial. A autocompaixão dá a todas as pessoas, com alto desempenho e também a pessoas com baixo desempenho, a garantia de que são dignos de amor de qualquer maneira, sem condições.

3. Pare de se julgar.

Suspender os rótulos que você coloca em si mesmo é um ato de amor-próprio. Em vez de se chamar de “fracassado”, seja mais específico e menos global.

O fracasso não precisa definir você e seu valor. Mude a sua conversa interna de “sou um fracassado” para “eu não consegui fazer as coisas funcionarem” ou “cometi alguns erros e vou usar essa experiência como degraus daqui para frente”.

4. Transforme seus fracassos em objetivos.

Em vez de “eu fracassei no meu casamento”, você pode dizer “eu tive problemas para me comunicar no meu casamento e estou aprendendo a me comunicar melhor agora”.

A primeira afirmação está ancorada no passado e não pode ser alterada, enquanto a segunda tem um olhar no futuro e é mais fortalecedora para o que você pode fazer agora.

5. Dê um abraço em si mesmo.

Em vez de deixar o seu crítico interior ter o reinado completo, que tal apenas dar-se um abraço?

Todos nós precisamos de abraços às vezes – especialmente de nós mesmos! Você não merece?


6. Se imagine como uma criança pequena, cheia de inocência e beleza.

Tenha em mente que não existe bebês e crianças fracassadas ou que não têm valor. Nós possuímos o mesmo valor que tínhamos quando nascemos.

Às vezes, precisamos olhar por trás das cicatrizes e das feridas para ver que a preciosidade ainda está dentro de nós.

Não importa o quanto fracassemos, nosso valor continua o mesmo e ainda somos lindos.

7. Mude sua mentalidade de ser uma vítima para ser um vencedor.

Quando você se sente fracassado, se vê como uma vítima do passado, em vez de se concentrar em sua resiliência e capacidade de se reerguer.

Afinal de contas, o que importa não é quantas vezes somos derrotados e fracassamos – o que realmente importa é quantas vezes nos levantamos e tentamos de novo, cada vez mais sábio.

8. Torne-se mais consciente.

A atenção plena não é apenas sobre meditar ou respirar profundamente e silenciosamente, de forma isolada. É permanecer plenamente presente em nossa vida cotidiana, com uma consciência não julgadora em qualquer coisa que você faça.

Quando estamos plenamente conscientes, ficamos enraizados no presente, em vez de olhar para os nossos erros do passado ou nos preocupar com o futuro. Como diz o ditado: “Hoje é um presente, é por isso que eles chamam de presente!”

9. Utilize algo concreto para te acalmar

Às vezes precisamos de algo tangível para nos acalmar quando nos sentimos mal. Como terapeuta, às vezes meus clientes criavam uma caixa calmante para ajudá-los a lidar com momentos estressantes.

Usar objetos reais que servem para distrair e acalmar a si mesmo pode fornecer pedras de toque calmantes.

Um diário, uma bola de stress, uma pedra polida para lembrá-lo de seu valor próprio e óleos corporais são exemplos de coisas que podem ser colocadas dentro de uma caixa calmante e usadas para acalmá-lo quando estiver se sentindo para baixo.

10. Conecte-se com os outros.

Quando as pessoas se sentem fracassadas, muitas vezes se isolam, se fechando em vez de se abrirem para os outros.

Buscar apoio social é uma das melhores escolhas que você pode fazer quando se sentir fracassado. Obter a perspectiva de outra pessoa ajudará você a interromper a visão de túnel que distorce sua visão de si.

Pedir ajuda, ter a coragem de se abrir em vez de se fechar, abrirá o caminho não apenas para evitar a solidão, mas também aprofundará suas conexões com os outros.

Estes 10 planos de ação para derrotar os sentimentos de fracasso servirão como um trampolim para uma vida resiliente e plena. Em vez de se concentrar no fracasso que vem com a queda, tenha orgulho de que você se atreveu a perseguir seus sonhos com coragem e entusiasmo.

Para citar Winston Churchill,
“O sucesso consiste em ir de fracasso em fracasso sem a perda de entusiasmo.”

***

Essa é uma tradução CONTI outra. Do original 10 Acts of Self Love for When You’re Feeling Like a Failure, de Judith Belmont

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here