Eu sei que os vendavais nos apavoram, eu já enfrentei vários deles. Eu sei que alguns dos desmoronamentos que encaramos ao longo da vida nos deixam, literalmente, sem chão, sem ar e sem rumo. Pode até não parecer, mas sobrevivi a vários terremotos existenciais e estou aqui, vivíssima e cheia de gratidão, escrevendo sobre eles.

Há dois anos, em pleno processo de divórcio, decidi reformar o meu apartamento que estava vazio e fechado. Eu fazia psicoterapia e, numa das sessões, num insight do meu terapeuta, decidi que queria tudo novinho para o meu recomeço de vida. Eu precisava de energia nova naquele espaço que receberia a nova mulher que eu me tornara, juntamente com o meu filho.

Eu fazia tudo ao mesmo tempo: lutava contra uma depressão que berrava em meus ouvidos que minha vida não fazia sentido, fazia psicoterapia, fazia acompanhamento com um psiquiatra, me dopava de medicamentos, fazia faculdade, tinha o peito abarrotado de angústias e olhos marejados o tempo inteiro. Contudo, tive a sorte de encontrar um excelente terapeuta que foi me conduzindo nesse atmosfera de sofrimento profundo.

Um dia, antes de ir à terapia, passei pelo meu apartamento, foi o dia que iniciou a reforma. Toquei a campainha e os pedreiros não ouviram. Girei a maçaneta e abri a porta. Em minha frente, estava um verdadeiro caos. Tudo quebrado, eles estavam arrancando o piso. Aquela pancadaria ensurdecedora, muita poeira e tudo revirado. Os rapazes pararam o serviço com a minha presença. Eu pedi que eles continuassem, sem cerimônia.

Naquele instante, meu ouvido espiritual ouviu a seguinte mensagem: “tá vendo esse apartamento, tá horrível, né? Mas, não se preocupe, daqui a três semanas, ele estará apaixonante e será o melhor lugar do mundo para você. Quero que você entenda que será assim também com as suas emoções, com a sua vida, com a sua casa interior. Tudo vai se ajeitar, Ivonete, essa quebradeira e essa desordem são necessárias, mas o resultado vai compensar, confie…acredite.”

Me emocionei, me arrepiei toda e segui para a terapia. Chegando lá, expus ao meu psicoterapeuta toda a minha percepção acerca do cenário do meu apartamento e de mim mesma. Para a minha surpresa, ele também se emocionou. Foi um momento muito lindo. Ele captou o que eu sentia e acreditou em mim. E, de fato, aconteceu tal qual eu pressentia. Algumas semanas depois, estávamos de mudança para o nosso espaço novinho, eu e o meu filho, era o espaço mais aconchegante do mundo.

Sobre minhas emoções, elas foram, a cada dia, se organizando. Uma coisa puxava a outra, o fato de eu me priorizar, de pensar em mim com amor e respeito foi o fio condutor para a minha cura. Nessa nova fase, comecei a me dedicar à escrita, acordava de madrugada e escrevia. Ali, éramos eu e minhas muitas mulheres em total harmonia e acolhimento, num bate papo delicioso que nunca ocorrera antes.

Eu passei a ter tempo para mim, eu passei a me perceber e a dar voz ao que sentia. Como o Universo sempre se encarrega de nos conduzir ao nosso eixo, poucos meses depois eu estava publicando textos em vários sites na internet. Tudo o que doía em mim, eu transformava em textos e poesias, e, para a minha surpresa, me dei conta de que eu falava por milhares de mulheres por esse mundo à fora. Elas, as mulheres que se identificavam com as minhas vivências, esboçavam gratidão comentando os meus textos publicados. E, muitas me agradeciam no reservado. Ah, que experiência gratificante essa de poder tocar outras vidas usando o que recebemos como dom ou habilidade. Eu via a minha vida fazendo sentido, ao contrário do que aquela maldita depressão berrava aos meus ouvidos na fase anterior.

Falando em depressão, ela foi, pouco a pouco me abandonando. Eu usava três medicamentos controlados, daí, a cada ida ao psiquiatra, ele ía me liberando deles. Um dia, na última consulta, eu disse: “Doutor, eu não preciso mais de medicamentos, eu já me encontrei, eu estou bem, quero voltar a trabalhar. Doutor, eu descobri que a minha missão é escrever, eu transformo tudo em poesias e textos, eu já encontrei o meu antidepressivo nessa vida.” O psiquiatra me olhava com uma expressão de encantamento, enquanto eu falava com muita euforia. Eu senti vontade de dar um abraço bem forte nele, mas me contive. Então, ele me disse: “de fato, você está ótima, você traz brilho nos olhos, nem de longe lembra aquela paciente do início do tratamento, vou te liberar.”

Hoje, eu agradeço por tudo o que não deu certo em minha vida. Pelas escolhas equivocadas que fiz, já me perdoei, elas foram úteis demais ao meu processo de libertação e auto conhecimento. É que eu tinha chegado num tal ponto da minha vida em que me dei conta de que nada que eu estava vivendo fazia sentido para mim.

Então, tive que me encher de coragem e ousadia para abrir mão de tudo aquilo e, dessa forma, abrir espaço para novas escolhas, as escolhas que condizem com a minha verdadeira essência. E os frutos chegaram e chegam a todo instante: estou concluindo minha faculdade de psicologia, tenho um livro publicado, tenho o meu site Portal Resiliência, tenho sonhos, projetos, tenho vida, tenho gratidão. A depressão foi o auge da insatisfação. Meu organismo e minha alma adoeceram, prostraram numa cama. Mas, estou aqui firme, forte, feliz e motivada. Não significa que não tenho dificuldades, nem problemas, mas agora é diferente: “tô tão tranquila e tão contente”. Obrigada, meu Deus, por, absolutamente, tudo.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Ivonete Rosa
Sou uma mulher apaixonada por tudo o que seja relacionado ao universo da literatura, poesia e psicologia. Escrevo por qualquer motivo: amor, tristeza, entusiasmo, tédio etc. A escrita é minha porta voz mais fiel.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here