Porque você sente demais, se importa demais. Talvez se você fosse um pouco daquela gente que prega o tanto faz, bastasse. Mas não, você não consegue ficar de coração fechado. Ao menor sinal de reciprocidade, você se permite, você se transforma em entrelace e você se entrega demais. Você não presta, essa é a realidade.

O mundo de hoje não está preparado para tanto não prestar em uma única pessoa. Ele bem que tenta tirar o seu chão com decepções, mentiras, friezas e outras consequências capengas, mas cadê que você aprende? Cadê que você passa a prestar, a entrar nos eixos e, com isso, a ser mais a cara da rotina dos amores tradicionais? É jogo perdido, você sabe. Porque você não presta e o mundo precisa aceitar que existem sentimentos diferentes. Às vezes intensos. Às vezes pontuais. Mas sempre sinceros.

Você só quer saber de ter a liberdade para escolher o que/quem morar melhor nos seus dias. Se isso é não prestar, que seja. Você não está nem aí. Não presta e pronto. Sem discussão, sem defesas, sem arrependimentos.

E deixe que digam que você nasceu assim. Deixe até que digam que você andou com más companhias, que a TV influenciou as suas atitudes ou que você perdeu a linha e contraiu vícios emocionais da pior qualidade. Afinal, você não presta.

Portanto, continue não prestando. Continue sendo e sentindo muito mesmo conhecendo relacionamentos que são acostumados a transbordar pouco. Sinta vulgarmente, urgentemente e em todas as posições que você encontrar leveza e aceitação. Coração recatado não é pra você. Você não presta, né?

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Guilherme Moreira Jr
"Cidadão do mundo com raízes no Rio de Janeiro"

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here