Todo exercício de gratidão que eu já fiz pede para você pensar sobre o que tem para ser grato.

Em outras palavras, você pensa nas razões pelas quais deveria se sentir grato, quer você se sinta ou não.

Você provavelmente já fez essas coisas antes: escrever cinco coisas pelas quais é grato a cada noite, relembrar a boa sorte do passado durante os momentos difíceis, ou tentar lembrar, sempre que possível, seus privilégios e vantagens na vida.

Esses exercícios podem valer a pena em algum nível, mas, na maioria das vezes, não criam um sentimento de gratidão em tempo real.

Eles apenas lembram certos fatos encorajadores: no papel, sua situação é muito boa; muitas partes de sua vida seriam invejáveis para os outros; as coisas poderiam ser piores.

Como você deve ter notado, simplesmente argumentar para nós mesmos que temos motivos para nos sentir agradecidos não necessariamente nos faz sentir agradecidos.

A gratidão, quando realmente a sentimos, surge de experiências que estamos tendo atualmente, não de avaliar nossas vidas em nossas cabeças.

Quando você se sente solitário, por exemplo, simplesmente lembrar que você tem amigos é um conforto monótono comparado com o quão maravilhoso é quando um desses amigos te liga do nada.

Refletir sobre a boa sorte de ter um endereço fixo é bom, mas entrar em sua casa depois de uma caminhada fria e chuvosa é sublime.

A experiência, não a ideia, é o que importa.

Então, se você quiser se sentir grato, esqueça os exercícios de pensamento. Procure a sua sorte não em alguma avaliação abstrata de sua situação de vida, mas em sua experiência neste exato momento.

O que você pode ver, sentir, ouvir ou sentir, bem aqui no presente, que é útil, agradável ou belo?

Há sempre alguma coisa, sempre que você procura.

Qualquer experiência sensorial interessante ou sensação agradável vai funcionar: o calor de um aquecedor de ambientes, o gato em seu colo, a luz do sol sobre a mesa.

Essa é a outra parte importante: não precisamos reservar nossa gratidão pelas grandes condições da escala da vida, como saúde, classe econômica ou entes queridos.

Em todos os momentos, independentemente de seus problemas, sua experiência está sendo melhorada e embelezada por todos os tipos de pequenos prazeres, muitas vezes aleatórios:

A cor do céu, o conforto dessa blusa, o abrigo protetor desse prédio, a tranquilidade deste bairro, o sabor deste café, a suavidade desta cadeira, o canto destes pássaros, o estado de alerta da sua mente agora.

É claro que todas as condições abstratas da vida têm seus próprios prazeres presentes no momento presente, e são elas que importam.

Considere a enorme diferença entre tentar apreciar a noção de que você não está desabrigado e apreciar a experiência em tempo real de ir para a cama no seu próprio quarto.

É onde sua boa sorte realmente reside – em suas experiências, não em seus pensamentos.

Cultivar gratidão dessa maneira cria um relacionamento completamente diferente com o bem da sua vida do que simplesmente revisitar em sua mente as razões lógicas pelas quais você deveria se sentir grato.

Você apreciará muito mais a cada dia, até mesmo dias ruins, quando procurar os pequenos prazeres da experiência do momento presente.

Enquanto eu sirvo meu café, o vapor entra na luz do sol, criando uma pluma luminosa tridimensional que agradaria a qualquer um, desde que prestassem atenção.

Quando buscamos nossa gratidão apenas pensando e lembrando, algo tão obscuro quanto a beleza da luz do sol passando pelo vapor nunca nos ocorreria.

Esse tipo de gratidão espontânea é um efeito colateral natural de qualquer prática de plenitude, devido à ênfase em perceber a experiência do momento presente, mas vale a pena praticar por conta própria.

É tão simples.

A qualquer momento, você pode se perguntar: o que está acontecendo aqui e agora que é agradável, bonito ou útil?

Não basta identificá-lo – encontre a experiência em si, a visão, o som ou a sensação, e aproveite.

Para mim, neste momento, é maravilhoso que eu tenha esta bebida quente. Este moletom é confortável nos meus ombros. Este notebook é tão rápido; não trava como o antigo.

O céu é pálido e pitoresco. Minhas plantas de casa estão bem. Esta cadeira é confortável. Meu vizinho está cantando lá embaixo.

Estou aproveitando todos esses detalhes, apesar de todos os problemas não resolvidos que eu tenho.

Minha lista de pequenos prazeres pode não soar tão emocionante para você, e tudo bem. Novamente, não importa como é pensar sobre isso.

Esta prática cria muitas experiências privadas de gratidão que você não poderia explicar facilmente a outra pessoa.

Eu amo o pequeno triângulo de sol no canto da mesa, como é quase equilateral por acaso. Eu amo o caule verde e jovem do meu gerânio e sua penugem de cabelos brancos infinitesimais.

O prazer dessas visões já é meu; eu não preciso me convencer de que eles constituem uma boa razão para ser grato, e certamente ninguém mais precisa entender.

Esses pequenos detalhes agradáveis podem ser pequenos, mas não são insignificantes. Eles contribuem para o seu bem-estar e o bem-estar é tudo o que importa.

Cada momento contém tantos detalhes agradáveis, úteis ou bonitos, a maioria dos quais não ganhamos, não temos direito e podem não estar lá da próxima vez que olharmos.

O brilho do piso polido deste banco. A solidez deste veículo. A maneira como a última gota d’água desaparece na pia.

Então, quando você levar essa mesma consciência agradecida para as condições verdadeiramente consequenciais de sua vida – este jantar fumegante à sua frente, o calor e a segurança desta cozinha, a presença de seus entes queridos em torno desta mesma mesa, neste exato momento – o coração transborda de gratidão.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Raptitude escrito por David Cain.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here