Não deixe de amar alguém por medo. O medo não combina com o amor. Se você decidiu transbordar e teve a sorte de sintonizar com os afetos de alguém, valorize esses momentos. O tempo passa e a gente não percebe. O amor que não é cuidado, admirado e evoluído, mais cedo ou mais tarde perde o fôlego. Eu não sei de onde tiraram que o amor pode gerar sofrimento, mas se você está amando, que sorte a sua.

A disponibilidade e a disposição de duas pessoas para ficarem juntas é uma das maiores belezas da vida. Desfrutar dessa sensação, desse mar de descobrimento e confiança, é disso que se trata o querer possível. Não disfarce o que você sente por alguém. Não faça jogos sobre os pensamentos que você tem de alguém. E, acima de tudo, não desperdice o coração de alguém com economias em gentilezas e proximidades.

O amor precisa de um bom toque. É esse o tempero que mantém aceso o interesse. Entrelace mãos, disponha de abraços e escute. Escutar às vezes é o melhor dos toques, é a cereja do relacionamento. Não desista de tentar. Se vale a pena, vale a intensidade. E o medo? Bom, deixa o medo para os dias em que você não souber como expressar o amor que sente – e mesmo assim, que ele te empurre a dizer tudo de novo com diferentes entregas.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Guilherme Moreira Jr
"Cidadão do mundo com raízes no Rio de Janeiro"

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here