É interessante em alguns momentos fazermos uma espécie de retrospectiva da nossa vida como o todo, pois nesse exercício podemos ter uma noção mais clara de como estão se dando as nossas mudanças e evoluções ao longo dos anos.

bem comum nos pegarmos refletindo sobre os caminhos trilhados na data do nosso aniversário. E não sei se foi coincidência, mas acabei me deparando com algumas lindas palavras do genial escritor Millôr Fernandes, falecido em 2012. Palavras extraídas do “Livro vermelho dos pensamentos de Millôr” e que me inspiraram a escrever esse texto que você lê agora.

***********

“O homem brilhante, capaz de raciocinar a todo momento, dinâmico no seu pensamento, varia e muda com o tempo e não é mais hoje o que era há dez anos atrás. Mas o imbecil, que só tem uma ideia, incapaz de raciocinar é, forçosamente, um homem de grande convicção.”

Millôr Fernandes

***********

É muito verdadeiro o que ele coloca nessas poucas palavras. Nossa vida é um constante processo de mudanças e uma das coisas mais difíceis, pelo menos na minha visão, é imaginar como seremos daqui a 10, 15, 20 anos. É um mistério imenso.

No entanto, o Millôr critica as pessoas que ele chama de imbecis. Elas não mudam com o tempo, continuam do mesmo jeito sempre. A única diferença é que vão se tornando mais velhas, as rugas vão aparecendo e aumentando, os cabelos vão caindo nos homens e embranquecendo, a pele vai ficando mais flácida etc.

Inclusive até lembrei uma provocação filosófica que o Mario Sergio Cortella costuma fazer. Ele diz que sente uma certa raiva quando alguém chega até ele dizendo, como se fosse um elogio: “Nossa Cortella! Você continua o mesmo…”.

Aí ele retruca dizendo mais ou menos dessa maneira: “Como assim eu continuo o mesmo? Então quer dizer que as experiências que vivi, os lugares novos que conheci, os livros que eu li ou que escrevi, as pessoas novas com as quais vivenciei momentos especiais… Nada disso me acrescentaram?”.

É claro que quando as pessoas dizem isso é mais no sentido de que ele está com a aparência física bem conservada, como se o tempo estivesse sendo generoso ou, para usar um termo bem comum, como se estivesse “no formol”.

Eu concordo com o Cortella. Se alguém quiser de fato me elogiar, eu fico imensamente feliz quando alguém me diz: “Nossa Isaias! Como você mudou? Está mais capacitado intelectualmente, aumentou seu círculo de amizades, está se expressando com mais assertividade…”.

Esse é o meu presente de aniversário. Na realidade é assim mesmo que eu me questiono todos os anos: “Estou melhor esse ano do que eu era no ano passado?”. Para a minha alegria eu tenho constatado que sim. E falo isso sem tom de arrogância, porque a gente sabe que melhorou através do olhar de alegria e de gratidão dos nossos amigos, da cumplicidade e do carinho deles para conosco.

Eu recebo um carinho tão grande de tanta gente, inclusive de muitos leitores do blog com os quais nunca tive um contato pessoal direto.

Nessa hora eu só tenho a agradecer por todas essas manifestações de carinho!

Mudança! Essa palavra é linda. O Millôr comenta sobre o tempo de dez anos atrás. Nossa! Eu dez anos atrás estava no segundo ano do curso de Bacharelado em Física, estudando Cálculo avançado, Óptica, Eletromagnetismo, Mecânica Teórica etc. Nesse tempo uma das coisas que me dava muito prazer era conseguir resolver os problemas dificílimos do livro mais clássico de Mecânica Teórica de todos os tempos, o famoso Symon. Livro que qualquer estudante de Física conhece.

Nesse tempo jamais passava pela minha cabeça que mudaria absurdamente. Que escreveria textos na internet, que adentraria o campo da Psicanálise e da Filosofia. Que teria textos publicados em sites maravilhosos como o “Conti Outra”. Seria impossível pensar nesse tipo de coisa naquele tempo.

Que você procure seguir esse conselho do Millôr e lembre-se de não ter tanta convicção. A convicção é um problemão sabia disso? Essa palavra significa “prova”, “refutação” e deriva de convincere, que quer dizer “vencer”, “superar decisivamente”.

Em outras palavras. A convicção é uma forma de tentar provar para os outros que você está certo, de que é um vencedor.

Nessa hora aproveito para parafrasear o Marcelo Camelo: “Eu que já não quero mais ser um vencedor, levo a vida devagar, pra não faltar amor…”.

Não precisamos vencer os outros. O que precisamos é vencer a nossa própria ignorância. Como fazemos isso? Vivendo! Buscando o conhecimento! Nos abrindo para a vida…

É isso que desejo de coração a você nesse dia que pra mim é especial. Muitas mudanças na sua vida, sempre para melhor…

Imagem de capa: sergey causelove, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Isaias Costa
Bacharel em Física. Mestre em Engenharia Mecânica e Psicanalista clínico. Trabalha como professor de Física e Matemática, mas não deixa de alimentar o seu lado das Humanas estudando a mente humana e seus mistérios, ouvindo seus pacientes e compartilhando conhecimentos em seu blog "Para além do agora", no qual escreve desde 2012.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here