Superar um relacionamento não é tentar provar ao outro que você está feliz. É estar, feliz, sem precisa provar isso para ninguém. Já acompanhei alguns términos de namoro e isso me fez perceber algumas coisas: Primeiro, cada um possui o seu tempo para sofrer. Cada um sofre a sua maneira. Tem gente que sofre calado, outros escancaram a tristeza. Tem gente que supera rapidamente outros levam meses e até anos. Mas o que não combina com a tal superação é as inúmeras tentativas pós-término de parecer “bem” e feliz quando de fato, não está.

Pessoas que postam fotos com sorrisos vibrantes, mas que por dentro se sentem vazias. Pessoas acompanhadas nas festas, mas que vivem e sentem a solidão de perto. Essa necessidade do ser humano de precisar demonstrar que está bem quando não está ainda vai longe. A verdade é que quando superamos um relacionamento, ao contrário do que possa se pensar, não é necessário provar nada a ninguém. A nossa própria história e indiferença dão conta de transmitir essa mensagem ao mundo e a quem quiser ouvir. Sem precisar gritar, sem precisar fazer barulho.

Então, não será frases postadas no Facebook ou fotos “felizes” no Instagram que darão o atestado de superação. Já ouviu dizer que carroça vazia é a que mais faz barulho? Pois bem, pós-término de namoro quem muito deseja provar acaba mostrando o contrário. Conheci pessoas que não sofreram necessariamente com o término e que continuaram tocando a sua vida e entendendo que não deu certo. Outras fingiram estar bem quando estavam desmoronando. E esse “estar bem” era visto como forma de atacar o outro, como forma de mostrar que “tudo bem não ter dado certo com você eu estou melhor agora” quando de fato não está.

Não sou a favor do ficar morrendo de amores e todas essas tragédias de um adeus, de ficar se humilhando ou coisa do tipo. Eu só não acho válido tentar provar para o mundo que você superou algo que ainda está vivo em você. Essa autossabotagem só atinge a uma pessoa: você mesmo. Às vezes é preciso aceitar o que sentimos saber dos nossos limites e então só assim podemos decidir o que faremos com tudo o que estamos vivendo. Podemos tocar a vida sem fazer tanto alarde e causar barulho. Entenda: o amor começa por si mesmo. Se ame. Se respeite. Se cuide. Não implore amor de ninguém. E quanto ao que você sente só diz respeito a uma pessoa: Você. Não se engane nem se sabote. Aceitar a realidade é um grande começo para recomeçar.

Imagem de capa: StockLite/shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Thamilly Rozendo
Estudante de psicologia, apaixonada por artes, música e poesia. Não dispensa um sorvete e adora um pastel de feira com muito requeijão, mesmo sendo intolerante a lactose. Tem pavor de borboletas, principalmente as no estômago.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here