Se não fluir, pare! Alguns cansaços vem da teimosia desnecessária

Lá estava eu, cabisbaixa e sentada no banquinho da praça da matriz. Com os óculos escuros, escondia o semblante cansado dos últimos tempos e as olheiras das noites mal dormidas.

Seu Mané, o zelador da praça, conhecido por sua simpatia e humildade sem tamanho, me cumprimentou e sentou ao meu lado queixando-se das pernas repletas de uma caminhada longa. Tirou o boné rasgado e coçando a cabeça me disse: “- Alguns cansaços vem da teimosia desnecessária, não é minha filha?”.

Respondi com um seco e ardiloso “pois é.”.

O vento soprava forte e as folhas que ele tentava juntar num canto se espalhavam numa valsa ao redor da fonte.

Seu Mané permaneceu ali por alguns minutos até o vento cessar. E então, com outra energia, disparou um “ai, ai” e voltou a varrer as folhas. Juntou-as em tempo recorde, me direcionou um riso faceiro e saiu a carregar o saco cheio das folhas do nosso outono.

Foi então que entendi o que ele dissera sobre o cansaço advindo da teimosia.

Não tente varrer as folhas enquanto o vento se diverte soprando e espalhando-as sem rumo. Ao invés disso, procure uma sombra, sente, descanse, admire a valsa, o canto, o passo, o cansaço…

Não adianta brigar com a natureza e remar contra a maré, durante a tempestade.

Algumas coisas na vida se resolvem naturalmente. É só descansar.

Não force. Não corra mais do que seu anjo da guarda pode voar.

Alguns cansaços vem da teimosia!

Pare!

Existe um tempo certo para agir.

Imagem de capa: Denis Kuvaev, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Ana Carolina Santos
"Fisioterapeuta por formação e de coração; Virginiana com ascendente em Peixes; Cantora por hobbie; Apaixonada por Teatro Mágico e fotografia. Romântica, sensível, e apimentada. Menina mulher, de uma Fé inabalável."

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here