Ninguém experimenta ou permanece em uma situação de desconforto por prazer, nem mesmo aqueles que chamamos de “masoquistas”. No fundo, todos queremos estar em paz e sermos tão felizes quanto pudermos, mas nem sempre encontramos o caminho para conseguir isso. Na verdade, esse caminho se torna muito mais complexo quando a pessoa não se dedica a aprender a gostar de si mesmo.

A maioria das pessoas não nasceu e cresceu em condições ideais. São muitos aqueles que tiveram que enfrentar circunstâncias muito adversas desde uma idade precoce. Uma das coisas mais recorrentes é ter crescido em um ambiente hostil, onde não houve reconhecimento ou avaliação.

Quando você não gosta de si mesmo, sempre tem que mergulhar nesse passado distante. Lá estão as razões pelas quais você aprendeu a se avaliar negativamente, pelas quais você não consegue dar valor às suas conquistas, nem sentido às suas virtudes. É lá onde nasce a semente envenenada de querer ser outra pessoa, viver outra vida ou, de alguma forma, escapar do que você é. A boa notícia é que nunca é tarde demais para reparar esses danos, aprender a gostar de si mesmo e conseguir se reconciliar com o seu ser.

“Você é imperfeito, de maneira permanente e inevitavelmente imperfeita. E você é lindo. ”
-Amy Bloom-

Assim se manifesta a ideia de não gostar de si mesmo

O problema quando você não gosta de si mesmo é que você acaba por não gostar de nada. Na realidade, o mundo sempre acaba se tornando uma projeção do que carregamos dentro de nós. Agora, não é o mundo que tem aspectos agradáveis ​​ou desagradáveis, somos nós que o vemos de uma forma ou de outra.

Se você não gosta de si mesmo, tudo o que tem a ver com você acaba sendo desagradável ou pouco valioso para você. O comum é que você se anime e se desanime com grande facilidade. Você sempre acaba encontrando em cada realidade um aspecto que o leva a se ver com desencanto.

Você começa muitas coisas e não termina nenhuma porque o entusiasmo acaba. Sempre encontra uma maneira de ver algum aspecto negativo. Muito grande, muito pequeno, muito distante, muito próximo… Qualquer aspecto que, a princípio é neutro, é transformado em algo negativo ou sem valor. E você não percebeu isso. Você se sente mal e projeta isso sem se dar conta. Na realidade você tem uma ferida aberta e está sofrendo.

O que acontece com sua vida quando você não gosta de nada

A inconformidade não é um fato, mas sim um ponto de vista. O mundo e a realidade são o que são. Cada ser humano dá um significado ao seu universo. Nossa perspectiva da realidade fala muito mais de nós mesmos do que das coisas em si.

Quando você não gosta de si mesmo, também não consegue dar significados positivos ao que vê, ao que ouve, ao que percebe, ao que chega à sua vida…

Um dos aspectos mais preocupantes de tudo isso é que sem perceber, isso se torna um hábito para você. Sua mente começa a operar automaticamente. Funciona como um detetive que sempre procura o pior ângulo de tudo. Como você sempre o encontra, isso alimenta sua ideia de que o mundo e a realidade são algo deplorável.

Sem perceber, você escolheu esse ponto de vista para abordar a realidade, mas você não fez isso por prazer. É simplesmente uma maneira de lidar com os vestígios de uma rejeição que conseguiu prejudicá-lo profundamente. Seu desagrado com tudo ao seu redor é simplesmente uma maneira de processar a dor de saber que não gosta de si mesmo.

Como superar o passado e aprender a gostar de si mesmo

O que você é, o que sente e o que pensa provavelmente foi ignorado, desqualificado ou simplesmente rejeitado durante sua infância, em sua casa ou em seu ambiente imediato. E certamente também foi um fato reiterativo.

Quando criança, você não conseguia entender o que estava acontecendo. Você cresceu com a ideia de que era “ruim”, no todo ou em parte. É quase certo que aqueles que agiram assim com você também não gostavam de si mesmos. Projetavam sobre você sua não conformidade. Estavam em uma posição semelhante à que você está agora. Viram o que havia de mau em seu julgamento e ignoraram o bom. É uma cadeia que se torna infinita até que alguém decida por um fim nela.

O ideal é que seja você que marque esse “até aqui”. Que acabe com essa história de infelicidade, inconformidade e preconceito. Claro, todos nós temos aspectos repreensíveis. No entanto, em essência, possuímos um valor que nada e ninguém pode questionar. Não somos mais nem menos do que ninguém. Temos o direito de cometer erros e também de sermos felizes. É hora de construir uma nova perspectiva.

Fonte indicada: A Mente é Maravilhosa

Imagem de capa: Predrag Popovski, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




A Soma de Todos Afetos
Blog oficial da escritora Fabíola Simões que, em 2015, publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos Afetos".

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here