Não são os laços de sangue, os acordos matrimoniais ou quaisquer outras convenções sociais e relacionais que aproximam as pessoas, mas os laços de afinidade. Uma verdade dura? Talvez, mas sinto que é assim na prática. Quando criança, ressentia do fato de parte da família residir longe e quase nunca manter contato, mas hoje entendo que é assim mesmo. Compreendo inclusive a reciprocidade da ausência, pois eles e eu não nos procurávamos. As pessoas mantêm contato com os familiares que querem, de que mais gostam, e não com todos da família.

Quem tenta forçar relacionamentos entre pessoas simplesmente por serem familiares ou consortes de um mesmo grupo social o faz porque não sacou que está forçando a barra. Nas escolas, nos clubes, nas igrejas ou onde quer que seja é do mesmo jeito, há sempre os grupos formados. Há quem diga que existe até a possibilidade de gostar mais de um filho do que de outro, a depender da forma como esse filho comporta-se na vida ou da maneira com que cuida dos pais. Imagina então o que não acontece entre estranhos.

Essas aproximações e esses distanciamentos muitas vezes são involuntários. Por que permanecemos amigos daquela pessoa cinco anos depois dos demais do grupo terem se distanciado? Por que temos a impressão de que gostamos mais de certos amigos do que de nosso irmão? Por que temos aversão aquele parente que é tão próximo, como um tio ou um primo, por exemplo? Por que amamos aquele que racionalmente não queríamos amar?

Os sentimentos são naturais, humanos. Emoções brotam do coração, vêm do íntimo. A amizade é algo que existe quase organicamente, pois – tal qual o amor – acontece quando duas pessoas encontram-se e decidem partilhar da mesma estrada, cuidando para o fortalecimento mútuo. O amor, então, nem se fala. Figurinha mítica que no início é poesia e tormenta. Haja ciência comportamental para explicar a afinidade e o apego atroz que sentimos por alguém, mesmo sem nenhum motivo aparente. Sentimentos não se explicam totalmente e nem sempre comunicam-se . Posso morrer de dar atenção a alguém e receber desprezo em troca. Reciprocidade nem sempre é algo motivado.

Compreender essa realidade tão simples leva-nos a sofrer algumas escalas a menos. Diminuímos os julgamentos e não achamos mais que muitos ao nosso redor são frios. Deixamos de achar que algumas pessoas deveriam naturalmente ser mais próximas, quando na verdade não é uma regra absoluta (aliás, nada é). Pessoas não são encaixáveis. Seus sentimentos, muito menos. Cada um apega-se com o que quer. Isso é próprio da complexidade humana. Somos diferentes. Alguns são de Marte, outros de Vênus. Alguns são apegados a padrões, outros são anárquicos. Alguns são metódicos até nos pensamentos, outros vão com a brisa. Alguns perdem a paz por dez reais, outros sentem muito prazer em poder partilhar o pouco que possuem. Não dá para pensar que é possível conjugar todos esses tipos humanos e suas peculiaridades por consanguinidade ou qualquer outro “dever ser”. Esses laços humanos não dançam. Não dão samba.

Imagem de capa: Alejandro J. de Parga, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Denise Araújo
Sou Denise Araujo e não tenho o hábito de me descrever. Não sei se sei fazer isso, mas posso tentar: mais um ser no mundo, encantada pelas artes, apaixonada pelos animais, sonhadora diuturna, romântica incorrigível, um tanto sensível, um tanto afetuosa, um tanto criança ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here