Ah, de quantas ilusões somos feitos? Quem bem corajoso poderia responder a essa pergunta? Eu que nem sou louca, já passei por cada uma. Mas, acho que vale mais falar sobre aquilo que aprendemos do que sobre o horrípilo mergulho ao precipício que, ora sim, ora não, essas ilusões nos levam.

Há corações e corações, eu sei, mas se tem uma coisa que o coração não sabe é “compreender a ilusão”, pois ela é realmente isso que ela é: “um erro de percepção ou de entendimento; engano dos sentidos ou da mente; interpretação errônea”.

Enfim, voltando ao mergulho, nosso coração tende a tergiversar a dor, prolongar o sofrimento, alongar o metro quadrado do fundo que nos encontramos. Pura bobagem, o mergulho é um mal necessário, é um ato de coragem extrema entregar-se ao redemoinho da vida.

Um dia, do nada, nem cedo, nem tarde, mas na hora certa, olhamos no espelho e nos damos conta de que o nosso coração desasnou! Aí o âmago no peito da gente realmente percebe: caramba, como eu sou grande! E o ardiloso arroubo que nos fez despencar vira uma ironia do destino, um acontecimento necessário, comum, normal, frugal.

A gente aprende que nada acontece por acaso, sabe? Você sabe que sim, pois a vida nos dá provas disso todos os dias. É um aviso aqui, um recadinho ali, uma percepção lá e pronto: você já sabia que seria assim. Assumimos os riscos da dor, pois nosso inconsciente sabe que todos nós renascemos sempre mais bonitos.

Para florescer é preciso renascer. E só renascemos quando quase morremos. É por isso que quase morremos tantas vezes. E não estou falando da “morte morrida”, mas daquela tristeza que nos abate, nos fere, nos tira dos trilhos do caminho. É isso que a vida ensina quando nos dá uma rasteira.

Somos pequenos, mas imensos. Não é o nosso tamanho que define a luz da nossa alma. Ao contrário, conheço gente enorme que não tem luz alguma, também conheço gente pequena que clareia até a imensidão do mar com um único sorriso.

Somos fortes o suficiente para nos reerguermos quantas vezes precisarmos. E sabe, serão muitas e muitas vezes. A quimera é importante para que a gente dê esse passo ao mergulho. Tiago Iorc tem uma música muito bonitinha que diz: “e se tropeçar, do chão não vai passar, quem sete vezes cai levanta oito”.

É por aí, “quem julga saber, esquece de aprender” e mais milhões de partes dessa canção que fala exatamente do que escrevo agora. Sabemos pouco sobre tudo, sobre a dor e sobre o amor, vivemos pouco ainda, temos tanta vida pela frente.

Já ouviu falar em pachorrento? Minha avó dizia que o Rex (o cachorrinho que ela amava) era um pachorrento! Quer saber? Desejo que nossos corações sejam pachorrentos, pois isso quer dizer calmo, tranquilo, até um pouco acomodado. Não é acomodação de preguiça, tá? Afinal, ninguém merece um amor preguiçoso. É de uma forma geral mesmo, é dar leveza às coisas e aplicar isso em tudo: como levamos a vida, o trabalho, os nossos relacionamentos.

Eu sei, demora pra gente entender isso quando a dor se instala, mas como diz a musiquinha: “e quando chorar, tristeza pra lavar, num ombro cai metade do sufoco”. E não dá pra passar por cima da dor e dizer que está tudo bem quando você está péssimo.

Você já perdeu alguém que você amava muito (de “morte morrida” mesmo)? Eu já. E o que se aprende com isso? Que a vida é curta demais e a qualquer momento Deus nos leva para aprender ainda mais lá naquela outra dimensão. A gente se perde na irrupção da saudade. E a gente vive o luto (que é esse precipício que falei no início do texto).

Quando acontece algo ruim na nossa vida, seja o que for, a gente também vive um luto. De certa forma, vivemos lutos o tempo todo. Então, se aprendemos que a vida é curta e que viver o luto é necessário, a conclusão é simples: chore, chore muito, mas não demore tanto, pois há um sol lindo lá fora doido pra dourar sua pele.

Iorc termina a canção do mesmo jeito que faço agora: “o novo virá pra re-harmonizar a terra, o ar, a água e o fogo. E sem se queixar, as peças vão voltar pra mesma caixa no final do jogo. Pode esperar”.

Eu acredito, e você?

Imagem de capa: Mila Supinskaya Glashchenko, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Ju Farias
Não nasci poeta, nasci amor e, por ser assim, virei poeta. Gosto quando alguém se apropria do meu texto como se fosse seu. É como se um pedaço que é meu por direito coubesse perfeitamente no outro. Divido e compartilho sem economia. Eu só quero saber o que realmente importa: toquei alguém? É isso que eu vim fazer no mundo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here