É um sopro para esfriar um dia quente, um arrepio na nuca que chega de repente. É um abraço que acalenta. É afago que esquenta. Um pedaço de uma música bonita, dessas que chegam como poesia, e marcam, e embarcam, e grudam na cabeça. De um jeito que não se esqueça. É único, puro, perfeito. É um bom dia logo cedo, antes mesmo que o sol apareça.

É um beijo desejado, molhado. É fogo que queima o corpo inteiro, um suspiro em segredo. É um sorriso no meio da rua, sem medo. É a pele na pele nua e crua. É o cheiro do suor de uma noite em claro num desses encontros raros. É o barulho do motor do carro que deixa o coração disparado. Que estaciona profundo, lá dentro do peito. É o amanhecer sem abrir os olhos. É o pulsar dos poros. É simples como a casa no campo, é a cerca de madeira, é o cavalo branco. Tipo um romance na França, desses livros que se lê aos domingos enquanto a cidade dança.

É simples feito bolacha Maria. É saudade que causa agonia. É o abraço que alivia. É o toque do mar no dedão do pé. É você vestido de branco. É teu colo na hora do pânico. É o que você representa quando tenta, me tenta, orienta, movimenta e sacia. É minha ex parte vazia que vibra inteira. É a origem de tudo, meu encontro mais profundo. De amor.

É a fé que não me falta. É a batida na porta. É a primeira fatia da torta. Eu e você, pedaços inteiros de uma orquestra que toca sem pressa. É a luz do sol que entra pela fresta. É minha melhor aresta tridimensional. É rock, é pagode, é sertanejo. É o molhado do beijo. É dança, é festa, é show. É palco, é luz, é sabor.

É alegria que agrega, tristeza que divide. É o fim do mundo seguro. É quebrar a ponte, derrubar o muro. É liberdade. É quando a gente caminha junto, é o jeito que te seguro, é perder o rumo, meu bem, e, ainda assim, ir além da linha reta. É vida que pulsa. É casamento na Rússia. É fogo. É carvão. É ombro com ombro. É carinho na mão. É sonho realizado. É trânsito parado para um beijo demorado.

É mensagem surpresa. É você de sobremesa. É amor na ponta da mesa. É navegar sem mar. É ninar, é mimar, é soprar o vento que tira o cisco do olho. É mistura, é rima, é rolo. É sopa de inverno. É sorvete no frio. É picolé. É tudo o que já foi. É tudo o que virá. É tudo o que é.

Imagem de capa: Volodymyr Tverdokhlib, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



LIVRO NOVO




Ju Farias
Não nasci poeta, nasci amor e, por ser assim, virei poeta. Gosto quando alguém se apropria do meu texto como se fosse seu. É como se um pedaço que é meu por direito coubesse perfeitamente no outro. Divido e compartilho sem economia. Eu só quero saber o que realmente importa: toquei alguém? É isso que eu vim fazer no mundo.

2 COMENTÁRIOS

  1. Ju, me tocastes, sim…
    tambem nasci amor, mas por ser assim, virei dor…
    e tudo que leio de ti cabe, perfeitamente em mim…
    então, mandei um convite de amizade no facebook, prá ti…
    aceita e me ensina o que que a gente veio fazer neste mundo…
    não esquece de aceitar… anota aí…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here