Algumas vezes o tempo não cicatriza tudo que deveria curar. Alguns males se tornam quase necessários e é estranho como por vontade própria acabamos nos entregando novamente a um passado/presente que não pensa muito em futuro. É você. O problema deve estar com você. Toda essa teimosia para uma coisa sem futuro deve ter uma explicação. Deve ser o jeito que você me olha. Hoje diferente de anos atrás, mas ao mesmo tempo, o mesmo olhar daquele menino que foi meu primeiro amor. A mesma falta de palavras. O mesmo jeito de sorrir. A conversa mais intensa, mas a mesma sinceridade de sempre. O mesmo dom de fazer o tempo parar quando estamos juntos. O mesmo “oi” ao atender as ligações. Uma mania ou outra diferente, mas o mesmo jeito de segurar minha mão. A minha cintura já não é tão fina, mas ainda se afina quando seus dedos a encontram. Meu riso ainda continua presente, quando presente você também está. E as dúvidas continuam sendo minhas companheiras, mas as poucas certezas têm compensado-as ao longo dos anos. O mesmo chiclete de canela. A minha mesma timidez ousada. Algumas músicas diferentes, mas outras tão iguais. A mesma incerteza certa. Um pouco mais de cumplicidade. Menos declarações amorosas e ao mesmo tempo gestos que gritam esse sentimento. É.. Eu gosto de você. Gostei desde o primeiro momento. Deixei de gostar alguns outros. Voltei a gostar e percebi que jamais esqueci, apenas tinha aprendido a viver sem. E esse aprendizado tem sido constante, entre idas e vindas, beijos e semblantes. Não posso chamar de meu, mas ainda assim meu você é. Não oficialmente, mas é parte de mim. Afinal, dos poucos que pude chamar de amor, você continua sendo o maior.

Imagem de capa: Jacob Lund, Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Geovanna Argenta
Sou a segunda de um quarteto fantástico, que tem os pais como inspiração. Goiana de nascimento, fui amadurecida pelo calor do norte brasileiro, no querido Tocantins, onde cresci e criei laços eternos. Coração inquieto de natureza, morei um tempo nos Estados Unidos, na França e no Distrito Federal, até voltar para minha terra natal, a Capital do Amor (ou do Sertanejo, se preferir): Goiânia-Go. Jornalista de formação, especialista em Relações Internacionais e nos últimos anos trabalhando com marketing, sempre tive paixão por escrever. Desde os primeiros rabiscos que eu chamava de poesia aos 12 anos, o papel e a caneta (e nos últimos anos também o teclado), têm sido bons tradutores da minha alma. Apaixonada por família, viagem, livros, doces e o namorado. Há 27 anos uma virginiana curiosa, cheia de sonhos, dramas e paixões, prestes a viver a maior aventura da vida: ser mamãe.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here